Regoufe aldeia com passado mineiro na guerra mundial Complexo mineiro, Poça da Cadela - Aldeia de Regoufe - Arouca
terça, 05 junho 2018 20:53

Regoufe aldeia com passado mineiro na guerra mundial

Classifique este item
(3 votos)

A aldeia de Regoufe, fica localizada em Arouca, sendo o seu acesso muito difícil. Esta terra fica localizada no fundo de um vale e mantém ainda viva os ecos do seu passado agrícola, com o cultivo da terra, a pastorícia e restos da sua história mineira. Daqui partem dois dos melhores trilhos de Arouca, para Drave e Covelo de Paivô. Ao caminhar pelas suas lajes de pedra encontramos a cada virar da esquina velhos agricultores, rebanhos de ovelhas, cabras ou outros animais.

História da aldeia Regoufe - Arouca 1

Regoufe - Arouca

"Regoufe é uma aldeia tradicional do Arouca Geopark e fica situada na serra de Arada, na União de freguesias de Covelo de Paivó e Janarde, nas denominadas Montanhas Mágicas.

A história de Regoufe já vem da pré-história, devido à presença de mamoas. Também os visigodos deixaram a sua marca, principalmente na toponímia, como é o caso do nome da própria aldeia, Regoufe ou Rei dos Lobos. Regoufe, principalmente durante a II Guerra Mundial, foi uma aldeia mineira, donde foram extraídas e exportadas toneladas de volfrâmio, destinado ao fabrico de armamento.

O complexo mineiro, denominado “Poça da Cadela”, está disposto em anfiteatro. Era constituído pelas minas propriamente ditas e por vários edifícios, tais como escritórios, oficinas, lavaria, central elétrica, armazéns e residências. Hoje, embora em ruínas, ainda é possível ver a entrada das minas, as casas da época e também algumas estruturas. Aqui trabalharam cerca de 1000 pessoas. É um lugar mágico que ainda fascina os visitantes. É uma viagem no tempo. Por lá, reina um estranho silêncio, apenas interrompido pelo sopro do vento ou por um ou outro rebanho de cabras, espalhado pelas encostas.

Com cerca de vinte habitantes, a população vive da pastorícia e da agricultura. Tem uma excelente gastronomia, sendo de salientar o cabrito da Serra de Arada, assado no forno a lenha, a vitela Arouquesa, os enchidos e os fumados e a tradicional sopa seca, que podem ser degustados no restaurante local “O Mineiro”.

Regoufe também é o local de partida do percurso pedestre (PR 14) para a aldeia mágica de Drave. O padroeiro de Regoufe é Santo Amaro, que se venera na capela da aldeia. A paisagem é surpreendente e curiosa: de um dos lados, é maravilhosamente colorida, devido à vegetação, do outro lado, o das minas, é monocromática, de um cinzento sem vida." 1 

Minas de Regoufe 2

Complexo mineiro, denominado Poça da Cadela, em Regoufe - Arouca

"Desde o início do séc. XX que os «Manifestos de Minas» declararam numerosas áreas de interesse metalífero na região de Regoufe, e a 9 de janeiro de 1915 é concedido o alvará de exploração, para a designada «Mina de Regoufe» ou «Poça da Cadela» ao cidadão francês Gustave Thomas. O jazigo de W-Sn de Regoufe situa-se no bordo sudeste do plutonito granítico homónimo, onde a volframite é a mineralização mais frequente, apesar da ocorrência de alguma cassiterite. Ocorrem ainda alguns sulfuretos, como a arsenopirite, a esfarelite e a pirite, bem como, outros minerais de menor relevância como a bismutite, limonite, escorodite, autunite e bindheimite. Entre os minerais silicatados que suportam a mineralização destaca-se o quartzo, seguido de alguma moscovite, berilo e apatite.

No ano de 1941, foi constituída a principal empresa de exploração de W-Sn em Regoufe, a Companhia Portuguesa de Minas, que funcionou essencialmente com capitais e administração britânicos. Ficou conhecida como a «Companhia Inglesa» e a ela se deve importantes melhoramentos na região, como a abertura de estrada a partir da Ponte de Telhe, a instalação de eletricidade e telefone nas minas. Contudo, os menores investimentos efetuados pela «Companhia Inglesa» comparativamente à «Companhia Alemã» ficaram a dever-se ao facto de os ingleses explorarem o volfrâmio não por necessidade direta da matéria-prima, mas para bloquearem o acesso dos alemães à mesma.

A mina da «Poça da Cadela» possui uma área de exploração de W-Sn de cerca de 57 ha e integra tanto as instalações técnicas e administrativas, como as residências e diversas entradas de galerias. Foi a concessão mais rentável da área mineira de Regoufe, que se encontra «imortalizada» por múltiplas galerias e escombreiras espalhadas por toda esta região.

Este polo mineiro encontra-se bem demarcado espacialmente da aldeia agrícola tradicional homónima, da qual dista poucas centenas de metros. As ruínas monocromáticas de granito surpreendem pelo estado de abandono e destruição, conferindo a este local um estranho sossego, apenas entrecortado pelo vento e por um ou outro rebanho de cabras, que por vezes agitam as encostas e espantam o silêncio.

O núcleo do complexo mineiro, onde as construções curiosamente alternam com as bocas de diversas minas, encontra-se disposto em anfiteatro à volta de uma área relativamente plana por onde correm uma pequenas linhas de água que drenam as galerias. Do lado Norte e Nordeste, concentram-se as instalações técnicas e administrativas, destacando-se o edifício de dois andares onde funcionaram os escritórios, o qual dominava uma espécie de largo ou de praceta superior, envolvido por diversas construções espalhadas pela encosta e destinadas a oficinas, central elétrica, armazéns, entre outras. As instalações da lavaria, sucessão de tanques e maquinaria dispostas na encosta, são praticamente as últimas do complexo, a Sudoeste. No lado oposto, a Nascente, a maior parte das construções tinham carácter residencial, destacando-se sobretudo o «bairro» de pequenos compartimentos, alinhados em notória extensão e dispostos em dupla plataforma, que constituíam as «casas dos mineiros». Por último, é ainda possível identificar as instalações sanitárias, o «clube», a «venda» e até uma pequena cavalariça." 2

Os rebanhos de cabras e ovelhas de Regoufe

Nesta aldeia ainda há muitos criadores de cabras e ovelhas e por vezes pode-se assistir aos rebanhos a sair do redil, sempre acompanhados pelo seu cão de gauda e o pastor que as conduz para as encostas das serras para pastar.

Os dois trilhos que partem da aldeia de Regoufe - Arouca

Regoufe - Arouca  - Rebanho de cabras

A partir de Regoufe partem dois trilhos pedestres, para a aldeia desabitada de Drave (PR 14 – A Aldeia Mágica) e Covêlo de Paivó (PR13 - Na senda do Paivó). Ambos os trilhos merecem a visita e no final podem tomar banho no pequeno lago ou nos rios que ali passam.  

Esta aldeia só por si e os seus arredores são suficientes para fazer-se belas caminhadas e apreciar as suas paisagens, as rotinas dos seus habitantes ou as ruínas das minas. Foi isso que um destes dias fizemos e aqui ficam um conjunto de fotos desses momentos.

Caminhe no distrito de Aveiro e pedale de bicicleta pelo norte de Portugal

O distrito de Aveiro tem dezenas de caminhadas e percursos pedestres muito bonitos, na serra, junto do mar, ria e rios, que pode aproveitar para os conhecer. No norte de Portugal há muitas ciclovias, ecovias e ecopistas que se pode percorrer, a caminhar ou de bicicleta, muitas delas por antigas linhas ferroviárias, agora convertidas em pista para as pessoas passearem.

Créditos e Fontes pesquisadas

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.
Fotos: Ondas da Serra.
1 - visitarouca.pt/atracoes/aldeia-de-regoufe/
2 - Arouca Geopark - http://aroucageopark.pt/

Vídeo da saída de um rebanho de ovelhas do redil em Regoufe

Galeria de fotos de Regoufe - Arouca

Lida 2576 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Rota do Vale da Bestança trilho dos mais belos de Portugal

O percurso pedestres PR2 - Rota do Vale, fica situado no concelho de Cinfães, distrito de Viseu. Este trilho linear, com 18,8 km de extensão, desenvolve-se pelo Vale da Bestança, que se caracteriza pela sua luxuriante fauna e flora. O rio que lhe inspirou o nome nasce na Serra de Montemuro e corre livremente pela encosta até desaguar no Rio Douro. A Associação para a Defesa do Vale do Bestança trabalha para a conservação deste rico habitat tendo como principal missão impedir o aprisionamento do rio com a construção de mini-hídricas. O auge da sua beleza reside na planície central do Prado, que prende o olhar pela sua formosura, marulhar das águas, sinfonia dos pássaros e harmonia da criação. Veja com os seus olhos e diga-nos como alguém pode escrever fielmente sobre a sua beleza. O percurso é caracterizado também pelas aldeias rurais que atravessa, povo que ainda lavra terras, pontes medievais, grande eira comunitária de Bustelo, Capela e Muralha das Portas de Montemuro. Este é um desafio esgotante que o leva às portas do paraíso e a uma natureza que pensávamos perdida e que afinal ainda subsiste com o empenho das gentes locais.

Trilho dos Socalcos do Sistelo revela paisagens incríveis

O percurso pedestres PR24 – Trilho dos Socalcos do Sistelo, desenvolve-se nesta freguesia do concelho de Arcos de Valdevez. Esta caminhada é caracterizada pelos socalcos que contribuíram para ter ganho o título de ser uma das “7 Maravilhas de Portugal”, na categoria de Aldeia Rural. Esta forma que os seus antepassados arranjaram para moldar a paisagem e conseguirem cultivar as terras para o seu sustento, mudam de tonalidade e beleza conforme as estações do ano. Pelo caminho poderão ser encontrados traços da sua ancestralidade e práticas agrícolas. Por vezes nos lugares mais inusitados descansam ou pastam bovinos da raça Cachena, alheios ao tempo e curiosidade dos forasteiros. Os socalcos, muros, espigueiros e casas em granito, das aldeias de Sistelo e Padrão conferem um caráter respeitoso e austero, da sua velha longevidade, mas que lentamente estão a morrer degradados pelo abandono. Subir estas encostas e ver Sistelo ao longe, rodeado de socalcos é uma das melhores formas de abarcar a sua beleza paisagística e de o celebrar.

Rota da Cabra e do Lobo desvenda Serra de São Macário

Fomos conhecer a Serra de São Macário, onde meditou o ermita, penitenciando-se pelos pecados e vida boémia que viveu, enclausurado em serrados e impenetráveis penedos, longe da vista humana. No fundo do vale o povo erigiu com xisto a Aldeia da Pena, com vista para a Livraria da Pena, onde se pode ler na curiosa geologia e restos fossilizados da passagem de trilobites a história do ordovício há 480 milhões de anos. O percurso pedestre, PR 4 - Rota da Cabra e do Lobo, de São Pedro do Sul começa nesta Aldeia de Portugal, caminha por paisagens que a elevação humana não abarca, passando pelas igualmente formosas aldeias de Covas do Monte e Covas do Rio. É esta odisseia pelo passado que lhes vamos contar neste artigo, onde vimos cabras e até um lobo fugidio.