segunda, 19 junho 2017 23:05

Cores e sabores da Feira de Espinho Destaque

Classifique este item
(3 votos)

A proliferação das grandes superfícies comerciais é uma das causas do desaparecimento das chamadas feiras tradicionais. A Feira de Espinho, que se realiza à 2.ª feira na Avenida 24, "já teve dias melhores", como alguns feirantes afirmaram ao "ONDAS DA SERRA".

História da Feira de Espinho

A Feira de Espinho está a comemorar 123 anos de existência. Só a partir de 1914 é que este mercado de rua passou a ser semanal, atraindo muitos visitantes àquela cidade do litoral para comprarem vestuário, calçado, flores, pão, fruta, hortaliça, peixe, carne, cerâmica, ferramentas, animais (coelhos, patos, galinhas), entre outras coisas. 

Os fregueses das cidades vizinhas chegam à feira de carro ou de comboio, e as ruas de Espinho fervilham de vida neste dia da semana. À entrada do recinto de venda é uma azáfama, com os vendedores de fruta a apregoarem a doçura da bela cereja: "Eu estou maluco, eu estou maluco", grita um vendedor, dando a provar a sua fruta. "Aqui é tudo muito baratinho", garante o feirante.

O "ONDAS DA SERRA" foi de banca em banca, como se pode comprovar nas 20 fotos que lhe oferece na galeria.

As simpáticas senhoras do fumeiro e dos queijos, dos nabos, da louça de barro (onde não pode faltar o galo de Barcelos), confessaram-nos que a Feira de Espinho "devia de ser mais acarinhada". Mas foi a senhora dos balões que colocou o dedo na ferida: "As feiras bateram no fundo. Não há poder de compra!". A senhora dos balões, como é conhecida na feira a Sr.ª Maria das Dores, afirmou, sem papas na língua, que a maioria dos emigrantes chegam a Portugal "tesos" e que alguns "ainda vêm comer o pouco que os familiares têm". Sinais dos tempos!

A Feira de Espinho, apesar de já não ser a feira de antigamente, ainda continua a deliciar os forasteiros e os turistas que por lá passam, principalmente nesta época do ano em que o sol brilha e a praia está ali mesmo ao lado. Mergulhe o olhar nas cores e sinta os cheiros deste afamado mercado ao ar livre. Vai ver que não se vai arrepender! Se tiver sorte, ainda encontra a senhora que vende "balões com som". Pergunte-lhe o que é que ela mete dentro dos balões para fazer aquele barulhinho que atrai a clientela...

Mais uma coisa: não fique apenas pelo COMEÇO do mercado, conheça também "o FIM da feira", onde passa o "Vouguinha", um comboio como este lugar... De outro tempo!

Vídeo sobre a Feira de Espinho

Lida 1009 vezes

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

As mais bonitas praias fluviais de Portugal

O Ondas da Serra tem feito um trabalho para dar a conhecer aos nossos leitores as mais bonitas praias fluviais de Portugal. A maioria das que visitamos são no nosso distrito de Aveiro, mas fomos conhecer outras espalhadas pelo país que nos oferecem momentos inesquecíveis de paz, beleza e tranquilidade. Neste artigo fizemos uma seleção destas locais que fazem parte da nossa história e onde nos divertimos e agradecemos à mãe natureza pela sua criação e aos homens por as estimar.

Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro – Ria de Aveiro - Murtosa

O Ondas foi conhecer a Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro, na Ribeira de Pardelhas – Murtosa, que tem como missão preservar as embarcações tradicionais da Ria de Aveiro, onde se destaca o barco moliceiro e ainda dar formação náutica e desportiva.

Neste artigo estivemos à conversa com o Professor Manuel Oliveira, simultaneamente Presidente da associação e formador, que nos contou a sua história, de algumas das suas relíquias históricas, o tipo de formação que dão aos sócios e estivemos a ver um Mestre a trabalhar na recuperação dum barco de recreio e fomos ver outro aparelhar um moliceiro e navegar com ele na ria.

Vida de inseto | Rota dos três rios

Muitas vezes na vida andamos e não caminhamos, vemos e não observamos e ouvimos sem escutar. Gostamos das caminhadas na natureza porque elas nos oferecem a possibilidade se estivermos atentos de observar as pequenas vidas dos insetos, conhecer novas plantas ou ver pegadas de animais.