Conheça a Cascata das Aguieiras das mais belas de Portugal G35 - Cascata das Aguieiras - Arouca Geopark Ondas da Serra
terça, 27 fevereiro 2024 00:33

Conheça a Cascata das Aguieiras das mais belas de Portugal Destaque

Classifique este item
(3 votos)

A Cascata das Aguieiras fica localizada na freguesia de Alvarenga, concelho de Arouca, distrito de Aveiro. Esta queda de água é o geossítio de interesse com a identificação G35 do Arouca Geopark. Esta maravilha geológica destaca-se pelos sucessivos desníveis por onde a água, proveniente da ribeira com o mesmo nome, se precipita e que no conjunto totalizam cerca de 160 metros. A torrente em queda é descarregada na Garganta do Rio Paiva, onde este curso de água adquire um carácter violento e feroz para vencer as encostas estreitas. A sua importância é reforçada pela forma como pode ser observada pelo miradouro integrado nos Passadiços do Paiva ou Ponte Suspensa 516 Arouca. 

Pode ler esta reportagem na totalidade ou clicar no título abaixo inserido para um assunto específico:

Descrição da Cascata das Aguieiras

Cascata das Aguieiras

"A cascata das Aguieiras é observável a partir de miradouro integrado nos Passadiços do Paiva encontrando-se inserida numa área designada pelos praticantes de desportos de águas bravas no rio Paiva por «Garganta do Paiva» (G36), que geologicamente define o troço em que o rio se encaixa em canhão no granito de Alvarenga. Esta cascata é formada pela queda de água da ribeira das Aguieiras, resultando da confluência de diversos tributários que atravessam a freguesia de Alvarenga.

Após percorrerem parte considerável desta freguesia, as águas desta ribeira caem vertiginosamente pelas escarpas graníticas que ladeiam a margem direita do rio Paiva através de um conjunto de desníveis que totalizam cerca de 160 metros. A origem desta queda de água é condicionada pela rede de fraturação ortogonal deste maciço granítico, desconhecendo-se a existência de outros elementos estruturais que condicionem a mesma. Neste sentido, a ribeira das Aguieiras terá aproveitado uma fratura no granito de Alvarenga, uma linha de fragilidade que permitiu o seu encaixe."1  

Ficha técnica da Cascata das Aguieiras

Cascata das Aguieiras

  • Geossítio: G35 - Cascata das Aguieiras - Arouca Geopark
  • Localidade: Canelas, União de Freguesias de Canelas e Espiunca - Arouca;
  • Altura: Desníveis que totalizam cerca de 160 metros;
  • Altitude: 266 m;
  • Coordenadas GPS: 40,574783 | -8,103494
  • Observação da Cascata das Aguieiras:  A melhor forma de contemplar a Cascata das Aguieiras é através do percurso dos Passadiços do Paiva ou da Ponte 516 Arouca;

Miradouro da Cascata das Aguieiras

Miradouro da Cascata das Aguieiras

Créditos da foto: aroucageopark.pt

"A cascata das Aguieiras pode observar-se a partir de um miradouro integrado nos Passadiços do Paiva, encontrando-se inserida na Garganta do Paiva. Esta cascata é formada pela queda de água da ribeira das Aguieiras e é o resultado da confluência de diversos afluentes que atravessam a freguesia de Alvarenga. 

Cascata das Aguieiras

Depois de percorrerem uma grande parte desta freguesia, as águas desta ribeira caem vertiginosamente pelas escarpas graníticas que ladeiam a margem direita do rio Paiva, através de um conjunto de desníveis que perfazem cerca de 160 metros, oferecendo um cenário de grande beleza natural. A ribeira das Aguieiras aproveita a fraturação ortogonal do maciço granítico de Alvarenga para abrir caminho até ao Paiva.

Do mesmo miradouro dos Passadiços do Paiva também pode observar um cabeço rochoso onde se encontra o Castelo de Carvalhais, um castelo roqueiro da época da Reconquista (Séc. IX-XII). Trata-se de uma fortaleza defensiva e com uma posição estratégica, possivelmente destinada a controlar a travessia do rio Paiva, servindo de barreira morfológica entre as margens do Douro e o vale de Arouca.

Ao percorrer a maior ponte pedonal suspensa, do Mundo, a 516 Arouca, também terá uma vista imperdível e fabulosa sobre a Garganta do Paiva e a Cascata das Aguieiras."2 

Castelo de Carvalhais: Usado na reconquista cristã

Sobre este miradouro é, também, possível observar o cabeço rochoso onde se encontra implantado o «Castelo de Carvalhais», um castelo roqueiro da época da Reconquista (Séc. IX-XII), reduto defensivo e estrategicamente posicionado, provavelmente destinado a controlar a travessia do rio Paiva, uma importante barreira morfológica entre as margens do Douro e o vale de Arouca."1

Não é fácil identificar as ruínas deste antigo castelo, só com ajuda de binóculos é que o podemos fazer, embora seja mais fácil na ponte suspensa, no entanto, aqui fica a nossa informação. Se estiver posicionado no miradouro dos Passadiços do Paiva ou Ponte 516 Arouca, poderá verificar que no cimo da encosta do lado esquerdo da ponte, se estiver voltado para nascente, poderá visualizar um amontoado de pedrulhos, restos do Castelo de Carvalhais.

Em termos históricos o mesmo já teve grande importância, porque na época da reconquista cristã, chegou a existir uma linha defensiva, contra os mouros, que começava naquela que é agora chamada Ilha dos Amores, no Rio Douro, onde o Rio Paiva desagua. Para montante junto ao Paiva, foi criada esta linha defensiva.

Reza a história que uma investida portuguesa expulsou os mouros até Coimbra, mas eles organizaram-se e comandados pelo lendário sarraceno Almançor venceram este linha e até destruíram por duas vezes a Igreja de Moldes em Arouca.

Quem passar por Moldes em direção a São Pedro do Sul, não faz ideia que por aqui já pelejaram cristão e sarracenos, mais conhecidos por mouros e com conotação ofensiva se for no âmbito das paixões clubísticas de futebol.

Um grande guerreiro seguidor de Alá, de nome Almançor espalhou a desgraça nesta região há muitos séculos e o seu nome era sinônimo de terror para estes povos. No virar do primeiro milénio, os nobres do Condado Portucalense iniciaram a Reconquista e foram expulsando no começo com facilidade os mouros para sul. No entanto eles organizaram-se, buscaram melhores armas e contra-atacaram reconquistando terrenos perdidos.

Depois da reconquista ser definitivamente feita esta linha defensiva perdeu importância e foi abandonada, entrando estes pequenos castelos em progressiva ruína.

Descrição dos Passadiços do Paiva

Passadiços do Paiva - Arouca

"Os Passadiços do Paiva são umas estruturas pedonais, em madeira, ao longo da margem esquerda do rio Paiva, numa extensão de 8.7 quilómetros. Todavia, os passadiços também incluem alguns troços em terra firme e em escadarias. Acima de tudo, todo o visitante pode usufruir de paisagens únicas, especiais e inesquecíveis."4

Ponte 516 Suspensa de Arouca

"É também neste local, que se ergue a maior ponte pedonal suspensa do Mundo, denominada Ponte 516 Suspensa de Arouca ou 516 Arouca. Com 516 metros de comprimento e 1,20 metros de largura, esta ponte está suspensa a 175 metros de altura e permite a travessia sobre a «Garganta do Paiva».

Ponte 516 Arouca - Ponte Suspensa de Arouca

Construída com uma grelha metálica tipo «gradil»>, suportada por cabos de aço ancorados a pilares de betão armado, esta ponte permite uma observação singular de toda a paisagem, tornando memorável a experiência da sua travessia. A travessia permite o vislumbre de parte da freguesia de Alvarenga, com destaque para o seu vale fértil. No final deste troço encontra um pórtico de saída, onde deve apresentar o bilhete de entrada na infraestrutura."20

Rio Paiva: Um dos últimos de águas bravas de Portugal

Rio Paiva - Espiunca - Arouca

O Rio Paiva brota da Serra da Nave em Moimenta da Beira e deságua no Rio Douro em Castelo de Paiva, junto à Ilha dos Amores e Praia do Castelo. O seu curso tem uma extensão de 110 km e uma área hidrográfica de 77 km2 com 14 562 ha. O mesmo é considerado dos menos poluídos da Europa, sendo por isso muito importante para preservação da fauna e flora e protegido por legislação europeia. O seu curso de água é ainda um dos poucos locais para a desova da truta.

O mesmo tem onze afluentes, sendo os principais os rios Frades e Paivô. Pelo seu caminho visita dez concelhos, duas Aldeias de Portugal, nove praias fluviais, várias áreas de lazer, poços e cascatas de arrebatar. A sua beleza deu vida aos Passadiços do Paiva e pavor a quem o enfrentar do cimo da vertiginosa Ponte 516 Suspensa de Arouca.

Felizmente que as barragens não o subjugaram e permitem manter o seu caráter bravio usado na prática de desportos de aventura. No entanto, há ameaças que o podem matar pela expansão do cultivo de eucaliptos, agricultura, zonas industriais, habitacionais, açudes e proliferação de espécies invasoras, que lançam alertas e fazem temer pelo seu futuro. 

G36 - Garganta do Paiva

G36 - Garganta do Paiva

"Garganta do Paiva corresponde a um segmento do rio Paiva onde o leito se torna mais estreito e se prolonga desde a ponte de Alvarenga até ao Vau (G30). Esta ponte, datada do século XVIII, foi mandada construir por alvará de D.Maria I, no ano de 1971. É composta por dois arcos de volta inteira, possui 42 metros de comprimento e é em cantaria. Sobre a ponte é possível observar, para jusante, o vale do Paiva encaixado sobre paredes graníticas abruptas, que curiosamente, contrasta com o vale bem mais aberto, a montante desta ponte. este estrangulamento deve-se à maior resistência do granito de Alvarenga à meteorização e erosão quando comparada com as rochas metassedimentares a montante da ponte, num fenómeno de erosão diferencial. Integrado neste troço destaca-se ainda a ocorrência de marmitas de gigante e da Cascata das Aguieiras (G35).

A área correspondente a este geossítio é, também, um clássico das águas bravas em Portugal, constituído por desafiantes rápidos de classe IV+ e V, numa escala de I e VI. Merece particular relevo o <<Rápido Grande>>, um rápido longo e técnico, sendo o palco da espetacular da prova anual de Kayak Extremo do Paiva Fest. As íngremes paredes rochosas deste geossítio são, ainda, ricas em biodiversidade saltando à vista manchas coloridas de verde-limão que correspondem ao líquen Acospora hilaris (indicador de clima mediterrâneo). As fissuras naturais na rocha granítica são, ainda, refúgio para inúmeras aves de rapina que sobrevoam o vale do Paiva."3

Ficha técnica da Garganta do Paiva

  • Informações úteis: 
  • Localidade: Ponte de Alvarenga, Alvarenga e União de Freguesias de Canelas e Espiunca;
  • Altitude: 181 m;
  • Coordenadas: 40,957675 | -8,174149 

Créditos e Fontes pesquisadas 

Texto: Ondas da Serra, com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.

Fotos: Ondas da Serra, com exceção das que estão referenciadas

1 - aroucageopark.pt/pt/conhecer/geodiversidade/geossitios/cascata-das-aguieiras/ 
2 - visitarouca.pt/atracoes/cascata-das-aguieiras/
3 - Arouca Geopark, aroucageopark.pt/
4 - passadicosdopaiva.pt

Pesquisas bibliográficas

20 - AGA - Associação Geopark de Arouca. (2019). Guia da Natureza Passadiços do Paiva  

Caminhe no distrito de Aveiro e pedale de bicicleta pelo norte de Portugal

O distrito de Aveiro tem dezenas de caminhadas e percursos pedestres muito bonitos, na serra, junto do mar, ria e rios, que pode aproveitar para os conhecer. No norte de Portugal há muitas ciclovias, ecovias e ecopistas que se pode percorrer, a caminhar ou de bicicleta, muitas delas por antigas linhas ferroviárias, agora convertidas em pista para as pessoas passearem. 

Lida 1357 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Ecovia do Arda passeio ribeirinho por passadiços e moinhos

A Ecovia do Arda, situada em Arouca, com início no coração da vila, é um percurso ribeirinho junto ao rio que lhe inspirou o nome. Os seus 11 quilómetros passeiam pelo interior profundo de seis freguesias, onde se desenrola a vida agrícola, num ambiente bucólico e profundamente rural, com a lida do campo, criação de animais ou o desenrolar diário da vida do seu povo. O visitante ao caminhar ou pedalar pelo seu percurso é surpreendido pela riqueza do seu património natural e arquitetónico, com a profusão de fauna, flora e antigos monumentos. Pelo caminho foram construídos parques de merendas, descanso, atividades radicais e recuperação de moinhos. O percurso foi bem desenhado com construção eficiente do corredor ecológico, passadiços e estruturas metálicas, algumas com 70 metros e passagens vertiginosas sob antigas pontes. O mesmo está bem sinalizado a nível da orientação, sinalização e informação. Em suma, se for conhecer este passeio irá ter uma surpresa agradável e passar um dia tranquilo e sair com forças revigoradas.

Assustadora Estrada do Portal do Inferno na Serra da Arada

A Estrada do Portal do Inferno é uma estreita via sinuosa, com perto de 18 km, a cerca de 1000 metros de altitude que percorre uma crista altaneira da Serra da Arada, caracterizada pelas suas falésias abruptas e precipícios infinitos, que metem medo ao olhar e fazem temer os incautos. O seu percurso em pleno coração do Maciço da Gralheira, começa perto da Capela de São Macário em São Pedro do Sul e termina na aldeia de Ponte de Telhe em Arouca, nos distritos de Viseu e Aveiro. A sua beleza é enaltecida na primavera quando a serra se pinta de tons verdes, amarelos, laranjas e lilases da carqueja, urze e giestas e que perfumam o ambiente e inebriam os sentidos. No seu percurso passa pelo geossítio do Portal do Inferno da Garra, com uma visão panorâmica de arrepiar sobre o vale por onde corre o Rio Paivô e Aldeia de Portugal de Covas do Monte. Os pontos de interesse são variados, desde as aldeias típicas de montanha em xisto, mariolas dos pastores, gado bovino e caprino que pasta livremente, fauna e flora. A mesma é muito popular entre os ciclistas e motociclistas, embora alguns corajosos condutores de automóvel também se aventurem pelos seus domínios.

Passadiços do Paiva: Guia Teórico-Prático para fazer o trilho

A fama dos Passadiços do Paiva em Arouca, por quem Gaia se enamorou, foi elevada pelos ventos aos quatros cantos da Terra. As suas formosas escadarias parecem tomar os céus de encontro ao Criador. O rio Paiva que as acompanha é dos últimos de águas bravas e mais limpas da Europa. O seu percurso ondulante acariciando o vale aproxima o ser humano da natureza que esqueceu, mas quer resgatar. Este Jardim do Éden, pode conduzi-lo aos verdes prados e águas refrescantes, porque nada lhe falta, por isso temos o dever de o proteger e enaltecer a sua natureza. Esta aventura vai desvendar algumas das riquezas da sua fauna, flora, geologia, história, rápidos e praias fluviais. Muito se tem escrito sobre este premiado ser, contudo neste artigo vamos dar-lhe uma visão prática da visita, para colmatar uma das suas lacunas, para você saber de antemão o que pode ver, ouvir, cheirar, provar e tocar.