Parque das Ribeiras do Rio Uíma trilho de Fiães a Lobão Passadiços do Parque das Ribeiras do Rio Uima - Fiães - Santa Maria da Feira Ondas da Serra
quarta, 07 setembro 2016 23:19

Parque das Ribeiras do Rio Uíma trilho de Fiães a Lobão Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

O Parque das Ribeiras do Rio Uíma fica situado nas freguesias de Fiães e Lobão, acompanha o Rio Uíma, tem cerca de seis hectares e um pequeno trilho de dois quilómetros, com grande valor natural e paisagístico. Este parque combina de forma harmoniosa, zonas húmidas, terrestres e de ocupação humana. Neste local podem observar-se espaços muito ricos a nível da diversidade de habitats, albergando grande número de espécies vegetais e animais. 

Parque das Ribeiras do Rio Uíma - Preservação da biodiversidade

Com a valorização das margens do rio que lhe dá o nome, nomeadamente com intervenções de preservação da biodiversidade e conservação do corredor ecológico, criaram-se condições para observar de perto os habitats naturais. É possível neste espaço realizar percursos pedestres, com interpretação de ecossistemas ribeirinhos com estatuto de proteção, e observar os ciclos de transformações anuais num equilíbrio harmonioso entre as condições naturais e sistemas humanizados.

Parque das Ribeiras do Uíma seis hectares entre Fiães e Lobão1

"O Parque das Ribeiras do Uíma estende-se ao longo de uma área de cerca de seis hectares, que combina vários sistemas de zonas húmidas, terrestres e ocupação humana formando uma extensa várzea. Situado num vale encaixado entre as povoações de Fiães e Lobão, caracteriza-se pelo extenso bosque paludoso de amieiros e bosques de salgueiros. Aqui podem observar-se espaços muito ricos ao nível da diversidade de habitats, albergando um grande número de espécies vegetais e animais.

Com a valorização das margens do Rio Uíma, nomeadamente com intervenções de preservação da biodiversidade e conservação do corredor ecológico, criaram-se condições para observar de perto os habitats naturais.

Percurso Pedestre do Parque das Ribeiras do Rio Uíma de Fiães a Lobão

É possível neste espaço realizar percursos pedonais, numa extensão de cerca de 2 km, com interpretação de ecossistemas ribeirinhos com estatuto de proteção, e observar os ciclos de transformações anuais num equilíbrio harmonioso entre condições naturais e sistemas humanizados. " 1

Os pirilampos do Parque das Ribeiras do Rio Uíma

Pirilampos no Parque das Ribeiras do Rio Uíma

O Parque das Ribeiras do Uíma é um local privilegiado para observar pirilampos, entre maio e primeiras semanas de junho, na época de acasalamento, devido às condições naturais e escuridão que esta espécie necessita. Por vezes o município feirense organiza visitas, acompanhadas por biólogos, tendo nós já acompanhado uma delas e recordado uma das melhores experiências que vivemos.

Créditos e Fontes pesquisadas

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.

Fotos e vídeo: Ondas da Serra.

1 - cm-feira.pt/parque-das-ribeiras-do-uima

Vídeo do Parque das Ribeiras do Rio Uíma

Lida 3095 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Passadiços do Côa: Soberba vista do Douro e arte rupestre

Os Passadiços do Côa nasceram em Vila Nova de Foz Côa, na região do Alto Douro, do distrito da Guarda, perto do museu da arte rupestre. Este pequeno percurso em extensão é grandioso em significação pelas paisagens vertiginosas que brotam do horizonte. O quadro que se abre ao visitante é gigantesco e exerce uma força que remete para a história humana com milhares de anos. A vista alcança paz nos rostos serenos dos Rios Douro e Côa que aqui se enamoram. Nos seus vales foram identificados e classificados dois patrimónios protegidos pela UNESCO, Sítio Pré-Histórico de Arte Rupestre do Vale do Côa e Alto Douro Vinhateiro. Pelas íngremes escadas o visitante poderá consultar informação sobre arte rupestre, pombais, biodiversidade, património natural e arquitetónico desta região. A viagem termina junto à antiga estação desativada da Linha do Douro desta terra, que a esperança quer ver renascida. Na subida de regresso mais custosa as pessoas podem imaginar os esforços para percorrer estas arribas, dos nossos ancestrais para viver, caçar, fugir ou esculpir a rocha e já mais tarde plantar e vindimar para o mundo celebrar.

Trilho dos Socalcos do Sistelo revela paisagens incríveis

O percurso pedestres PR24 – Trilho dos Socalcos do Sistelo, desenvolve-se nesta freguesia do concelho de Arcos de Valdevez. Esta caminhada é caracterizada pelos socalcos que contribuíram para ter ganho o título de ser uma das “7 Maravilhas de Portugal”, na categoria de Aldeia Rural. Esta forma que os seus antepassados arranjaram para moldar a paisagem e conseguirem cultivar as terras para o seu sustento, mudam de tonalidade e beleza conforme as estações do ano. Pelo caminho poderão ser encontrados traços da sua ancestralidade e práticas agrícolas. Por vezes nos lugares mais inusitados descansam ou pastam bovinos da raça Cachena, alheios ao tempo e curiosidade dos forasteiros. Os socalcos, muros, espigueiros e casas em granito, das aldeias de Sistelo e Padrão conferem um caráter respeitoso e austero, da sua velha longevidade, mas que lentamente estão a morrer degradados pelo abandono. Subir estas encostas e ver Sistelo ao longe, rodeado de socalcos é uma das melhores formas de abarcar a sua beleza paisagística e de o celebrar.

Passadiços do Paiva: Guia Teórico-Prático para fazer o trilho

A fama dos Passadiços do Paiva em Arouca, por quem Gaia se enamorou, foi elevada pelos ventos aos quatros cantos da Terra. As suas formosas escadarias parecem tomar os céus de encontro ao Criador. O rio Paiva que as acompanha é dos últimos de águas bravas e mais limpas da Europa. O seu percurso ondulante acariciando o vale aproxima o ser humano da natureza que esqueceu, mas quer resgatar. Este Jardim do Éden, pode conduzi-lo aos verdes prados e águas refrescantes, porque nada lhe falta, por isso temos o dever de o proteger e enaltecer a sua natureza. Esta aventura vai desvendar algumas das riquezas da sua fauna, flora, geologia, história, rápidos e praias fluviais. Muito se tem escrito sobre este premiado ser, contudo neste artigo vamos dar-lhe uma visão prática da visita, para colmatar uma das suas lacunas, para você saber de antemão o que pode ver, ouvir, cheirar, provar e tocar.