Passadiços do Paiva: Guia Teórico-Prático para fazer o trilho Passadiços do Paiva - Arouca Ondas da Serra
quarta, 22 novembro 2023 01:03

Passadiços do Paiva: Guia Teórico-Prático para fazer o trilho Destaque

Classifique este item
(4 votos)

A fama dos Passadiços do Paiva em Arouca, por quem Gaia se enamorou, foi elevada pelos ventos aos quatros cantos da Terra. As suas formosas escadarias parecem tomar os céus de encontro ao Criador. O rio Paiva que as acompanha é dos últimos de águas bravas e mais limpas da Europa. O seu percurso ondulante acariciando o vale aproxima o ser humano da natureza que esqueceu, mas quer resgatar. Este Jardim do Éden, pode conduzi-lo aos verdes prados e águas refrescantes, porque nada lhe falta, por isso temos o dever de o proteger e enaltecer a sua natureza. Esta aventura vai desvendar algumas das riquezas da sua fauna, flora, geologia, história, rápidos e praias fluviais. Muito se tem escrito sobre este premiado ser, contudo neste artigo vamos dar-lhe uma visão prática da visita, para colmatar uma das suas lacunas, para você saber de antemão o que pode ver, ouvir, cheirar, provar e tocar.

A quem se destina este artigo e porque o escrevemos

Passadiços do Paiva - Arouca

Nós adoramos os galardoados internacionalmente Passadiços do Paiva. Já visitamos várias vezes a sua natureza por motivos pessoais e profissionais. A riqueza do local mantém sempre viva as descobertas e motivos de interesse, seja primavera, verão, outono ou inverno.

Contudo, desde a primeira visita que sentimos que um dos aspetos que deveriam melhorar era a informação disponibilizada ao longo do percurso. O visitante no local apenas tem acesso a marcas dos geossítios e cartazes dos biospots, se não fizer uma visita guiada.

Pelo percurso o mesmo passa por fauna, flora, sítios com valor histórico-arqueológico, rápidos e geologia, que pode não identificar. A forma de exibir esta informação poderia ser interativa através de estruturas criadas para o efeito integradas na paisagem. Hoje em dia há locais em que os visitantes podem ouvir gravações em várias línguas sobre o que estão a ver, onde poderiam usar auscultadores para não prejudicar o silêncio.

Poderiam também solicitar nas entradas gravadores onde iriam ouvindo a informação pretendida de acordo com o percurso e os seus interesses. Por outro lado, poderiam pontualmente em certos locais determinados terem guias fixos para fazerem algumas apresentações.

Passadiços do Paiva - Arouca

Neste artigo vamos tentar fornecer às pessoas que queiram visitar os Passadiços do Paiva, uma forma de melhor programarem o seu passeio de modo a que possam saber o que podem ver em cada troço. Para o fazer usamos informação oficial e a nossa experiência pessoal.

A nossa intenção não é esgotar o tema, mas dar uma ajuda aos visitantes, para não se sentirem como nós perdidos na primeira visita e posteriormente ficarem com pena de não terem visto algo.

Claro que os Passadiços são para fazer de forma descansada, usando todos os sentidos, olhando para ver, escutando para ouvir, provando os seus sabores, acariciando as rochas e dando carinho às flores e por vezes fechando os olhos para escutar o marulhar das águas e piar das aves.

Se for daquelas pessoas que gostam de ser especialistas no tema e preparar exaustivamente a visita, compre o Guia da Natureza Passadiços do Paiva, que a AGA - Associação Geopark de Arouca, publicou em 2019, que pode ser adquirido nesta associação ou Posto de Turismo de Arouca.  

Pode ler esta reportagem na totalidade ou clicar no título abaixo inserido para um assunto específico:

    1. Passadiços do Paiva
      1. Descrição dos Passadiços do Paiva
      2. Localização dos Passadiços do Paiva
      3. Onde iniciar o percurso dos Passadiços do Paiva
      4. Onde comprar os bilhetes para os Passadiços do Paiva
      5. Estacionamento dos Passadiços do Paiva
      6. Biodiversidade e a geodiversidade nos Passadiços do Paiva
      7. Prémios dos Passadiços do Paiva
      8. Mapa dos Passadiços do Paiva
      9. O projeto dos Passadiços do Paiva
      10. Código de conduta e boas práticas dos Passadiços do Paiva
      11. Ficha Técnica dos Passadiços do Paiva
    2. Sugestões para percorrer os Passadiços do Paiva
      1. Sugestão para percorrer os Passadiços do Paiva
      2. Qual a melhor entrada para percorrer os Passadiços do Paiva
      3. Onde estacionar para percorrer os Passadiços do Paiva
    3. Troços dos Passadiços do Paiva
      1. Marcas de sinalização dos Passadiços do Paiva
      2. Troço Espiunca - Vau
        1. Descrição do Troço Espiunca - Vau
        2. Ficha técnica do Troço Espiunca - Vau
        3. Geossítios do Troço Espiunca - Vau
        4. Biospots do Troço Espiunca - Vau
        5. Fauna em destaque do Troço Espiunca - Vau
        6. Flora em destaque do Troço Espiunca - Vau
        7. Geologia em destaque no Troço Espiunca - Vau
        8. Sítios Histórico-Arqueológicos do Troço Espiunca - Vau
        9. Rápidos do Rio Paiva do Troço Espiunca - Vau
        10. Praias fluviais do Troço Espiunca - Vau
      3. Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        1. Descrição do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        2. Ficha técnica do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        3. Geossítios do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        4. Biospots do Troço Vau - Cascata das Aguieiras 
        5. Fauna em destaque do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        6. Flora em destaque do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        7. Geologia em destaque no Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        8. Sítios Histórico-Arqueológicos do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        9. Pontes suspensas no Troço Vau - Cascata das Aguieiras
          1. Ponte Suspensa do Vau
          2. Galeria da Ponte Suspensa do Vau
          3. Ponte 516 Suspensa de Arouca
        10. Rápidos do Rio Paiva do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
        11. Praias fluviais do Troço Vau - Cascata das Aguieiras
      4. Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
        1. Descrição do Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
        2. Ficha técnica do Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
        3. Geossítios do Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
        4. Biospots do Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
        5. Sítios Histórico-Arqueológicos do Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
        6. Rápidos do Rio Paiva do Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
        7. Flora em destaque do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho
        8. Fauna em destaque no Troço Cascata das Aguieiras - Areinho
        9. Praias fluviais do Troço Cascata das Aguieiras – Areinho
    4. Ameaças à Fauna e Flora dos Passadiços do Paiva
    5. Informação útil dos Passadiços do Paiva
      1. Observações e recomendações dos Passadiços do Paiva
      2. Normas de conduta dos Passadiços do Paiva
      3. Onde começar a visita dos Passadiços do Paiva
      4. Preços dos Passadiços do Paiva
      5. Bilhetes para os Passadiços do Paiva
      6. Quantos quilómetros têm os Passadiços do Paiva
    6. Perguntas mais frequentes dos Passadiços do Paiva
      1. Reservas e bilhetes para os Passadiços do Paiva
      2. Tarifas e preços dos bilhetes para os Passadiços do Paiva
      3. Horários dos Passadiços do Paiva
      4. Acessibilidade dos Passadiços do Paiva
      5. Serviços de apoio dos Passadiços do Paiva
      6. Recomendações para os Passadiços do Paiva
      7. Acessos e como chegar aos Passadiços do Paiva
    7. Comer dormir divertir e alertar na visita aos Passadiços do Paiva
      1. Onde comer quando visitar os Passadiços do Paiva
      2. Onde dormir perto dos Passadiços do Paiva 
      3. Alojamento local perto dos Passadiços do Paiva
      4. Animação turística perto dos Passadiços do Paiva
      5. Contactos telefónicos de emergência dos Passadiços do Paiva
    8. Outros pontos de interesse perto dos Passadiços do Paiva
      1. Aldeias perto dos Passadiços do Paiva
      2. Vale do Paiva
      3. Arouca Geopark
      4. Percursos Pedestres
    9. Avaliação dos Passadiços do Paiva
    10. Galeria de fotos dos Passadiços do Paiva

Passadiços do Paiva

Descrição dos Passadiços do Paiva

Passadiços do Paiva - Arouca

"Os Passadiços do Paiva são umas estruturas pedonais, em madeira, ao longo da margem esquerda do rio Paiva, numa extensão de 8.7 quilómetros. Todavia, os passadiços também incluem alguns troços em terra firme e em escadarias. Acima de tudo, todo o visitante pode usufruir de paisagens únicas, especiais e inesquecíveis."1

Localização dos Passadiços do Paiva

Estes Passadiços estão localizados em Arouca, na margem esquerda do rio Paiva, na bacia hidrográfica do rio Douro, entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, apenas a uma hora de distância do Porto.

"Os Passadiços do Paiva localizam-se na margem esquerda do Rio Paiva, no concelho de Arouca, distrito de Aveiro. São 8 km que proporcionam um passeio "intocado", rodeado de paisagens de beleza ímpar, num autêntico santuário natural, junto a descidas de águas bravas, cristais de quartzo e espécies em extinção na Europa. O percurso estende-se entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, encontrando-se, entre as duas, a praia do Vau. Uma viagem pela biologia, geologia e arqueologia que ficará, com certeza, no coração, na alma e na mente de qualquer apaixonado pela natureza."1

Onde iniciar o percurso dos Passadiços do Paiva

Para iniciar o percurso pode optar por uma das duas entradas disponíveis (Areinho ou Espiunca), mas o sentido Areinho – Espiunca é o menos exigente, a nível físico. Contudo, se pretender fazer o percurso de ida e volta, aconselhamos fazer Espiunca – Areinho, já que, por ser um trajeto ascendente é mais difícil neste sentido, mas mais suave no regresso. Todavia, pode contar sempre com o serviço de transfer, de uma extremidade para a outra, caso pretenda fazer num só sentido.

Onde comprar os bilhetes para os Passadiços do Paiva

Deve adquirir os bilhetes no website oficial da atração, uma vez que as entradas estão condicionadas a uma lotação e a períodos de tempo determinados. Ao longo do percurso, encontra desníveis acentuados e a sua duração  de caminhada (só ida) ronda, em média, as 2 horas e 30 minutos, pelo que o grau de dificuldade é alto.

Estacionamento dos Passadiços do Paiva

Quanto ao estacionamento, existem dois parques, um em cada extremidade. Nestas duas extremidades também existem locais onde pode efetuar refeições rápidas e comprar água que deverá ser indispensável para fazer o percurso.

A meio do trajeto, na Praia do Vau, existe um bar onde poderá recarregar energias com um café, bebidas e snacks e também aproveitar o espaço para se refrescar nas águas límpidas do Rio Paiva. Para além desta praia fluvial, existem mais duas, uma em cada extremidade dos Passadiços do Paiva (Areinho e Espiunca) onde poderá mergulhar e relaxar.

Biodiversidade e a geodiversidade nos Passadiços do Paiva

A biodiversidade e a geodiversidade estão bem presentes ao longo dos passadiços. Assim, podem observar-se, entre outras espécies, os amieiros, os salgueiros, os freixos, os carvalhos. Também se podem encontrar mamíferos como a raposa, o ouriço-cacheiro, o javali e o coelho-bravo. Mas o rio Paiva também exibe uma fauna muito rica e variada, principalmente a toupeira-de-água, a lontra, o lagarto-de-água, a salamandra-lusitânica, a rã-ibérica e o tritão-marmorado, bem como a boga e o mexilhão-do-rio. A nível de geodiversidade, deslumbre-se com alguns geossítios, como a Cascata das Aguieiras, a Garganta do Paiva, a Gola do Salto, a Praia Fluvial do Vau e a Falha da Espiunca.

Prémios dos Passadiços do Paiva

Pelas suas características únicas, os Passadiços do Paiva já arrecadaram vários prémios, em anos sucessivos, na edição dos World Travel Awards.

Ponte 516 Suspensa de Arouca

Motivado pelo sucesso dos Passadiços, o município adjudicou a construção de uma ponte pedonal, sobre o rio Paiva. Por isso, já que está aqui, não deixe de visitar a maior ponte pedonal suspensa do mundo, a Ponte 516 Suspensa de Arouca, que deve o seu nome à sua própria extensão, 516 m, e que vai deixá-lo surpreendido."2

Mapa dos Passadiços do Paiva1

Mapa dos Passadiços do Paiva

O projeto dos Passadiços do Paiva

"O património do Arouca Geopark é o elemento diferenciador mais expressivo que o território tem à sua disposição. A valorização e qualificação deste legado contribuem para a sua diferenciação, aumentam a sua atratividade e reforçam a sua autenticidade. O vale do Paiva apresenta um elevado valor natural, comprovado pela sua dupla classificação como Geoparque Mundial da UNESCO e Sítio de Importância Comunitária da Rede da Natura 2000.

As diversas aldeias, encaixadas neste vale e construídas nas proximidades do Rio Paiva, são habitadas e as suas gentes, cultura e tradições ainda estão vivas, Acresce, a estas potencialidades, que esta área é privilegiada para a prática de Turismo de Natureza, tanto na vertente soft, de que as caminhadas são um exemplo, como na vertente hard, através da prática nas águas bravas deste rio de montanha de diversos desportos de aventura, nomeadamente rafting e kayaking.

Reconhecidas as singularidades da área, é importante estabelecer premissas para que todas as especificidades sejam cuidadosamente respeitadas e a Natureza se mantenha no seu estado mais selvagem. Foi neste contexto que surgiu a intenção de construção de uns passadiços na área envolvente ao Rio Paiva, particularmente entre a aldeia da Espiunca e o Areinho.

O projeto de arquitetura da estrutura de madeira começou a ser esboçado e os materiais, que lhe darão corpo, foram selecionados para estarem em harmonia com a realidade natural do local. A implantação discreta dos Passadiços do Paiva implicou o respeito pela topografia do terreno e pelo património natural existente, nomeadamente pelos blocos rochosos cujo contorno foi privilegiado.

Passadiços do Paiva - Arouca

O projeto foi finalizado e, em finais de abril de 2014, a ideia passou à prática. As obras de construção iniciaram-se a partir da aldeia da Espiunca, na margem esquerda do Rio Paiva, e para a construção dos 8,75 km de Passadiços, foram necessários mais de 1 300 m3 de madeira de pinho tratado. Decorrido cerca de um ano, a infraestrutura Passadiços do Paiva tomou-se uma realidade.

No dia 20 de junho de 2015 foi feita a sua inauguração e, desde então, residentes e visitantes demonstraram um enorme interesse e curiosidade pelo conhecimento dos valores naturais do Rio Paiva, através do percurso pelos famosos Passadiços do Paiva, Volvidos quatro anos da sua abertura, esta infraestrutura já acolheu mais de 1 milhão de visitantes, oriundos de 113 países.

Neste período de tempo, surgiram serviços e equipamentos complementares aos Passadiços do Paiva, nomeadamente visitas interpretadas e educativas ao património da área envolvente, parques de estacionamento para viaturas automóveis, bares e casas de banho, sistemas de bilhética e apoios à manutenção e conservação.

A dinâmica turística verificada, desde a sua abertura ao público, justificou a mudança da gestão inicial da infraestrutura, Para salvaguardar a conservação do património natural desta área classificada e gerir a procura pelos visitantes, desde fevereiro de 2016, a entrada nos Passadiços do Paiva passou a ter uma tarifa associada, bem como um limite máximo de visitantes diários.

Atualmente, os Passadiços do Paiva são exemplo de um projeto inovador de Turismo de Natureza, onde as especificidades locais e a singularidade regional são oportunidades que são potenciadas em prol da conservação da Natureza e da melhoria da qualidade de vida dos habitantes. Os Passadiços do Paiva constituíram um investimento total de 1,9 milhões de euros, apoiado a 85% pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), no âmbito do Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos (PROVERE)."20 

Código de conduta e boas práticas dos Passadiços do Paiva20

Preserve a sua segurança e a dos outros visitantes

  • Prepare-se devida e antecipadamente para as atividades ao ar livre;
  • Respeite a sinalização existente;
  • Pratique desportos de aventura somente nos locais sinalizados;
  • Não fume nem faça fogo;
  • Estacione os seus veículos nos parques apropriados;
  • Em caso de emergência utilize os telefones SOS existentes ao longo do percurso;
  • Não é permitida a circulação de qualquer veículo, incluindo carrinhos de bebé;
  • É proibida a circulação de animais de estimação;
  • Circule com precaução na infraestrutura;
  • Se encontrar obstáculos não os contorne. Volte para trás pelo mesmo percurso;
  • Respeite os habitantes locais e as suas propriedades;
  • Percorra os Passadiços do Paiva nos horários definidos;

Respeite e preserve o património natural

  • Respeite o silêncio;
  • Não colha plantas nem pise a vegetação;
  • Não alimente qualquer animal silvestre e mantenha uma distância de segurança aos mesmos;
  • Preserve a integridade dos geossítios;
  • Não recolha amostras de rochas ou minerais;
  • Não pinte ou escreva nas rochas ou em qualquer substrato, incluindo árvores;
  • Recolha o lixo que produzir;
  • Recorde a beleza deste património e leve apenas fotografias;
  • Registe-se na plataforma www.biodiversity4all.org e participe na inventariação da biodiversidade;

Preserve a infraestrutura dos Passadiços do Paiva

  • Não pinte, nem danifique a infraestrutura;
  • Preserve a integridade dos painéis informativos encontrados ao longo do percurso;
  • Siga apenas pelo percurso sinalizado;
  • Na ponte pedonal suspensa do Vau respeite as normas de acesso e passagem;

Promova os produtos e serviços locais

  • Usufrua dos serviços e atividades de animação do território (visitas interpretadas e/ou educativas, desportos de aventura, entre outros);
  • Visite os museus e unidades interpretativas;
  • Desfrute dos serviços de alojamento e restauração locais;
  • Adquira produtos tradicionais;
  • Aproveite os eventos que o território oferece;

Recomendações e interdições

  • É permitido fotografar;
  • É permitido usar binóculos;
  • É proibido recolher plantas da flora;
  • É proibido recolher amostras minerais;

Ficha Técnica dos Passadiços do Paiva1

Passadiços do Paiva - Arouca

  • Localização dos Passadiços do Paiva:
    • "Estes Passadiços estão localizados em Arouca, na margem esquerda do rio Paiva, na bacia hidrográfica do rio Douro, entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, apenas a uma hora de distância do Porto."2
    • Coordenadas GPS Espiunca 40°59'34.67"N 8°12'41.19"W;
    • Coordenadas GPS Areinho 40°57'9.68"N 8°10'33.05"W;
  • Inauguração dos Passadiços do Paiva: 20 de junho de 2015;
  • Entradas dos Passadiços do Paiva: 02;
  • Por onde começar os Passadiços do Paiva:
    • Areinho > Espiunca, 8.7 km: Caso pretenda só fazer um trajeto;
    • Espiunca > Areinho > Espiunca, 17.4 km: "Para iniciar o percurso pode optar por uma das duas entradas disponíveis (Areinho ou Espiunca), mas o sentido Areinho – Espiunca é o menos exigente, a nível físico. Contudo, se pretender fazer o percurso de ida e volta, aconselhamos fazer Espiunca – Areinho, já que, por ser um trajeto ascendente é mais difícil neste sentido, mas mais suave no regresso. Todavia, pode contar sempre com o serviço de transfer, de uma extremidade para a outra, caso pretenda fazer num só sentido."2
  • Tipo de piso:
    • "A infraestrutura não é contínua em toda a sua extensão. Ela está interligada por pequenos troços de terra batida, já existentes e devidamente sinalizados com postes em madeira É por esta razão que a designação correta desta infraestrutura é «Passadiços do Paiva»."20
    • Passadiços e escadas em madeira e troços em terra batida, que se desenvolvem junto ao Rio Paiva;
    • Nos passadiços foram utilizados 1 300 m3 de madeira de pinho tratado;
  • Tamanho das escadaria em madeira: 

    Passadiços do Paiva - Arouca

    • Sentido Espiunca - Areinho: 450 degraus;
    • Sentido Areinho - Espiunca: 310 degraus. Em virtude do sentido Areinho - Espiunca, ter menos degraus é mais utilizado pelas pessoas. Por outro lado, a maioria dos utilizadores também visitam a Ponte 516 Suspensa de Arouca, que fica perto do Areinho, ainda no troço do percurso livre sem pagamento. Depois desta ponte as entradas para os Passadiços do Paiva são controladas por vigilantes.  
  • Distância a Percorrer: 8700m (linear). Os Passadiços do Paiva podem ser percorridos de forma linear, tendo uma distância de 8 700 km, 17.400 km se o fizer nos dois sentidos;
  • Duração Média: 2h e 30m;
  • Nível de Dificuldade: Alto;
  • Desníveis: Acentuados;
  • Tipo de Percurso: Pequena Rota;
  • Âmbito: Desportivo, Cultural, Ambiental e Paisagístico;
  • Época aconselhada: Todo o Ano;
  • Sinalização:

    Sinalização de um geossítio, G30 - Vau, Arouca Geopark, Passadiços do Paiva - Arouca

    • Painéis Biospots: Ao longo do percurso são exibidos oito paíneis com informação estática relevante dos passadiços;
    • Geossítios: "Na bandeirola de identificação dos geossítios encontra um QR Code. Faça a leitura com o seu telemóvel e aceda às informações adicionais."20
  • Equipamentos complementares aos Passadiços do Paiva:
    • Visitas interpretadas e educativas ao património da área envolvente;
    • Parques de estacionamento para viaturas automóveis;
    • Bares e casas de banho;
    • Sistemas de bilhética;
    • Apoios à manutenção e conservação; 
  • Acesso aos Passadiços do Paiva:
    • Tarifa associada, que pode ser comprada online, só para os passadiços ou em conjunto com a visita à ponte Ponte 516 Suspensa de Arouca;
    • Limite máximo de visitantes diários;
  • Estacionamento: "Quanto ao estacionamento, existem dois parques, um em cada extremidade. Nestas duas extremidades também existem locais onde pode efetuar refeições rápidas e comprar água que deverá ser indispensável para fazer o percurso."2
  • Interesses dos Passadiços do Paiva;
    • Natureza: Desfrute de uma natureza em estado puro. Refresque-se nas águas límpidas do Rio Paiva;
    • Biologia: Observe a biodiversidade do local, com espécies em vias de extinção na Europa;
    • Geologia: Deslumbre-se com cinco geossítios do Arouca Geopark, durante o percurso;
    • Arqueologia: Faça uma viagem ao passado, com mais de mil anos de história;
  • Biospots: 08;
    • "Ao longo dos Passadiços irá encontrar mais 8 Biospots onde poderá conhecer melhor a diversidade de espécies comuns, especialmente insetos e plantas, como também referências à geologia e geossítios"20;
    • "Os Biospots dos Passadiços do Paiva integram a rede de Estações da Biodiversidade nacional sendo possível efetuar um registo pessoal no website www.biodiversity4all.org e conhecer alguns dos seres vivos observados por outros utilizadores, assim como partilhar registos de novas espécies."20
  • Geossítios no percurso dos Passadiços do Paiva: 05;
  • Praias fluviais nos Passadiços do Paiva: 03;
  • Pontos de interesse nos Passadiços do Paiva: 06;
  • Sítios Histórico-Arqueológicos: (A) 4;
    • A7 - Castelo de Carvalhais;
    • A9 - Ruínas de um moinho; 
    • A10 - Barqueiros;
    • A11 - Ponte de Alvarenga;
  • Rápidos: 07:
    • Rápido dos 3 Saltinhos;
    • Rápido das Escadinhas;
    • Gola do Salto;
    • Rápido da Parede;
    • 05 Rápidos das Marmitas;
    • 06 Rápido Intermédio;
    • 07 Rápido Grande;
  • Proteção ambiental do Vale do Paiva: 02;
    • Geoparque Mundial da UNESCO;
    • Sítio de Importância Comunitária da Rede da Natura 2000;
      • Elevado valor natural;
  • Prémios dos Passadiços do Paiva:3 
    • Prémios Mundiais do Turismo (World Travel Awards), na categoria “Melhor Projeto de Desenvolvimento Turístico da Europa” (Europe’s Leading Tourism Development Project): 2016, 2017, 2018, 2019 e 2021;
    • Prémios Mundiais do Turismo (World Travel Awards), na categoria “Melhor Atração de Turismo de Aventura da Europa” (Europe’s Leading Adventure Tourist Attraction): 2018, 2019, 2020, 2021 e 2022;
    • Prémios Mundiais do Turismo (World Travel Awards), na categoria “Melhor Atração de Turismo de Aventura do Mundo” (World’s Leading Adventure Tourist Attraction): 2018, 2019, 2020 e 2021;
    • Prémios Mundiais do Turismo (World Travel Awards), na categoria “Melhor Atração Turística da Europa” (Europe’s Leading Tourist Attraction): 2022;
  • Gestão e Manutenção: Município de Arouca;
  • Animais silvestres feridos ou doentes: Se encontrar um vertebrado ferido ou doente, não lhe toque e tente manter silêncio em seu redor. Ligue para o SEPNA ou para a linha SOS Ambiente e forneça as informações necessárias para a sua recolha e encaminhamento para um Centro de Recuperação de Animais Selvagens;
  • Ferramentas de ajuda à observação:
    • Binóculos, para observação das encostas distantes;
    • Lupa de bolso, para observação das plantas pequenas, como musgos;
  • Acessos e como chegar aos Passadiços do Paiva
    • Vindo do Norte
      • (Via A1): Saída: Santa Maria da Feira > São João da Madeira > Vale de Cambra > Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 60 minutos;
      • (Via A32):  Saída: Carregosa > Chão de Ave> Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 50 minutos
    • Vindo do Sul
      • (Via A1): Saída: Estarreja > Oliveira de Azeméis > Vale de Cambra> Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 65 minutos;
    • Vindo do Interior
      • (Via A25): Saída: Porto A1 > Estarreja > Oliveira de Azeméis > Vale de Cambra> Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 65 minutos;

Sugestões para percorrer os Passadiços do Paiva

Passadiços do Paiva - Arouca

Sugestão para percorrer os Passadiços do Paiva

Em virtude do sentido Areinho - Espiunca, ter menos degraus 310, é o mais utilizado pelas pessoas. Por outro lado, a maioria dos utilizadores também visitam a Ponte 516 Suspensa de Arouca, que fica perto do Areinho, ainda no troço do percurso livre sem pagamento. Depois desta ponte as entradas para os Passadiços do Paiva são controladas por vigilantes.   

Qual a melhor entrada para percorrer os Passadiços do Paiva

Para as pessoas que queiram percorrer em simultâneo os Passadiços do Paiva e visitar a ponte suspensa nós vamos dar-lhes três opções para escolherem o melhor pórtico de entrada, consoante os objetivos da visita e capacidade física.

  • O visitante que só pretenda conhecer a Ponte Suspensa, deverá entrar pelo Pórtico do Areinho. Neste caso poderá estacionar num dos parques de estacionamento do Areinho acima referidos;
  • O visitante que pretende conhecer a Ponte Suspensa e fazer o percurso dos Passadiços do Paiva, deve entrar pelo Pórtico do Areinho. No entanto, é aconselhável ir mais cedo, cerca de 1h – 1h30, em relação à hora da visita agendada à ponte. Deve estacionar num dos parques de estacionamento do Areinho acima referidos. De seguida deve dirigir-se para a Praia Fluvial do Areinho, acompanhar o rio Paiva para jusante, onde existe um percurso gratuito dos Passadiços, passar pela Ponte de Alvarenga, subir 500 degraus e aproveitar para apreciar a Garganta do Paiva. No final da subida já vislumbra ao fundo a ponte e o pórtico de entrada. Neste local deverá aguardar pela hora da visita, para depois entrar e validar o bilhete junto dos vigilantes. No final pode continuar a visita aos passadiços sem voltar para trás;
  • Para os casos das pessoas que tenham mobilidade reduzida, podem optar pelo pórtico de Alvarenga, na margem direita do Rio Paiva. Este local é normalmente mais tranquilo e há mais estacionamento. Desta forma evitam o percurso de dificuldade alta, pelo percurso dos passadiços, subindo as difíceis escadarias;

Onde estacionar para percorrer os Passadiços do Paiva

O parque de estacionamento melhor localizado para visitar os Passadiços do Paiva e Ponte 516 Suspensa de Arouca, fica perto da Praia Fluvial do Areinho.

Para os visitantes que queiram visitar a ponte e os passadiços aconselhamos o seguinte: Dependendo da hora da visita à ponte, vá mais cedo pelo menos uma hora, estacione o seu automóvel, num dos três parques a seguir referidos:

Parque da Praia fluvial do Areinho (cerca de 30 lugares). Se o mesmo estiver cheio um vigilante colocado no acesso superior irá informá-lo desse facto ou até impedir o acesso. Este parque fica situado a 1200 metros da ponte.

Pequeno parque de terra batida na Estrada Municipal R326-1. Este parque fica situado em frente à descida da Estrada do Areinho, que dá acesso à praia com o mesmo nome.

Grande parque de estacionamento do Areinho. O maior parque de estacionamento em terra batida tem acesso pela Estrada Municipal R326-1.

Garganta do Paiva - Passadiços do Paiva - Arouca

Depois de estacionar pode fazer o percurso até à Ponte Suspensa, já pelos passadiços do Paiva, direção Areinho – Vau – Espiunca. Neste percurso irá acompanhar o Rio Paiva, passando pela Ponte de Alvarenga e apreciar a Garganta do Paiva. Aqui começam as tormentas ao ter que enfrentar uma subida difícil de 310 degraus. Este esforço supremo vai levá-lo em direção aos céus, deixá-lo arrebatado, estonteado e assoberbado com a paisagem envolvente.

No final da subida estará junto do Pórtico do Areinho, onde vigilantes fazem simultaneamente o controlo de acessos à ponte e passadiços. Aqui aguarde pela visita à ponte, quando ela terminar basta seguir caminho em direção à Praia fluvial da Zona de recreio e lazer do Vau - Canelas - Arouca. Neste ponto, já esqueceu os grossos mares que enfrentou e satisfeito pela prova de fogo superada, pensado “Quero ir outra vez!”. Deve também percorrer os passadiços de forma descansada porque os dois quilômetros mais difíceis dos passadiços já foram vencidos.

Troços dos Passadiços do Paiva

Marcas sinalizadoras do percurso dos Passadiços do Paiva

  • Geossítio: Bandeirola de identificação de um geossítio;
  • Biospots: Cartazes com informação dos geossítios, fauna, flora, sítio Histórico-Arqueológico, rápidos e geologia;

Troço Espiunca - Vau

Passadiços do Paiva - Arouca

Descrição do Troço Espiunca - Vau

Se escolher percorrer os Passadiços do Paiva, caminhando para montante do Rio Paiva, começará no pórtico da Espiunca. Se tiver tempo antes de começar visite a aldeia ali próximo, com os seguintes pontos de interesse:

  • Casas em xisto e telhado em lousa;
  • Moinhos Tradicionais de milho e linho da Espiunca;
  • Forno comunitário da Espiunca;
  • Plataforma em madeira com uma vista soberba do Rio Paiva;
  • Praia fluvial de Espiunca;
  • Início/fim do PR10 - Rota dos Aromas;

Não faça o percurso sem visitar o geossítio G32 - Falha da Espiunca, que fica localizado do outro lado da ponte sobre o Rio Paiva, perto do pórtico de entrada.

Este troço tem pouca inclinação, muito verdejante sombrio resultante da sua extensa galeria ripícola e com muitos rápidos no Rio Paiva para contemplar.

Praia fluvial da Zona de recreio e lazer do Vau - Canelas - Arouca

No final deste troço, no Vau pode passear e passar o rio por uma radical pequena ponte suspensa. Aqui fica localizada a Praia Fluvial do Vau e um café onde pode retemperar as forças para as grandes tormentas que vai passar.

O percurso neste sentido é o mais exigente em termos físicos e onde terá que subir o maior número de escadas, 450. No sentido contrário são 310 escadas. No entanto, o trajeto oferece-lhe uma visão soberba da Ponte 516 Suspensa de Arouca, Garganta do Paiva e Cascata das Aguieiras.

Por outro lado, tenha em atenção que se for visitar também a Ponte 516 Suspensa de Arouca, terá que controlar de modo a chegar à mesma no final do percurso algum tempo antes da visita. O bilhete pode ser comprado online só para os passadiços ou em conjunto com a visita à Ponte 516 Suspensa de Arouca. Apesar da visita à ponte ser um pouco dispendiosa, vale a pena e nunca mais vai esquecer a experiência radical na vida, se tiver medo de alturas arrisque-se porque é uma forma de se colocar à prova e evoluir.

Ficha técnica do Troço Espiunca - Vau

Passadiços do Paiva - Arouca

  • Ponto de Partida: Espiunca (E);
  • Ponto de Chegada: Vau (V);
  • Distância: 3.75 km;
  • Altitude máxima: 300 m;
  • Escadarias: 450 degraus;
  • Grau de Dificuldade: Baixo;
  • Geossítio: 02;
    • G32 - Falha da Espiunca;
      • "Falha geológica normal: Uma falha geológica é uma fratura nas rochas, ao longo da qual estas deslizam e mudam de posição. Numa falha geológica normal, o bloco que se encontra em posição inferior (A) deslocou-se para baixo ao longo do plano de falha (B), por ação da gravidade, estando este tipo de estrutura associado a forças distensivas."20
    • G31 - Gola do Salto;
  • Biospot: 5 placas com informação;
    • Biospots B9; B8, B7, B6, B5;
  • Sítio Histórico-Arqueológico: 01;
    • A9 - Ruínas de um moinho;
  • Praias Fluviais: 02;
  • Rápidos: 04;
    • Rápido dos 3 Saltinhos;
    • Rápido das Escadinhas;
    • Gola do Salto;
    • Rápido da Parede;
  • Flora em destaque:
    • Passadiços do Paiva - Arouca

      Galeria ripícola: Estas espécies relíquias da vegetação primitiva dos bosques subtropicais que já existiram nesta região: Sanguinho-de-água, o folhado, o medronheiro, a murta), o loureiro e a gilbardeira (protegida pela Diretiva Habitats);
    • Árvores: Amieiro, Freixo, Salgueiro e Pilriteiro;
    • Líquenes: Nas árvores cresce a barba-de-velho, sobre as rochas observam-se, mais frequentemente, as cladonias, como a cladonia humilis;
    • Endemismos ibéricos: Saxifraga lepismigena e hipericão-do-Gerês, eupatório
    • Comunidades de líquenes saxícolas: Acarospora hilaris;
    • Musgos: Esfagno;
  • Fauna em destaque:
    • Insetos: Borboletas Antiopa, Quadripuntária, Reducta;
    • Aves: Guarda-rios, melro-d'água. "Durante o inverno, a sobrevoar o Rio Paiva é possível avistar algumas aves invernantes, como a garça-real e o corvo-marinho-de-faces-brancas. Contudo, a confluência com o habitat terrestre permite que, também, os gaios, os tentilhões-comuns ou os pombos-torcazes."20
    • Répteis:
      • Lagarto-de-água (endemismo ibérico protegido pela Diretiva Habitats), a lagartixa-do-mato-comum ou o sardão.
      • Cobra-de-água-de-colar e a cobra-de-água-viperina;
    • Mamíferos: Javalis;
    • Anfíbios:
      • Salamandra-lusitânica, Gonfus-comum e rã-ibérica, endemismos ibéricos;
      • Cágado-mediterránico;
  • Geologia em destaque:
    • Quartzitos: "A deposição de areias, há cerca de 600 Ma, em ambiente litoral (próximo da zona de praia) terá permitido a formação inicial de uma rocha sedimentar - arenito. Mais tarde, os cristais de quartzo que integravam a composição mineralógica desta rocha terão recristalizado, devido a diversos processos metamórficos, formando o quartzito."20
  • Margem direita ou esquerda do Rio Paiva: "Para identificar as margens direita e esquerda do Rio Paiva deverá posicionar-se no sentido da corrente da água."20

Geossítios do Troço Espiunca - Vau

G32 - Falha da Espiunca

"Os Passadiços do Paiva desvendam um património natural e cultural diversificado e singular. As rochas que ancoram a infraestrutura contam histórias longínquas da formação do nosso Planeta e sustentam a vida selvagem e humana que molda esta paisagem e a torna tão única. A partir desta entrada da Espiunca é possível visualizar uma bandeirola que identifica uma importante falha geológica - a Falha da Espiunca (G32).

Para reconhecer este fenómeno geológico, deve observar-se a margem direita do Rio Paiva, particularmente o talude junto ao cruzamento das estradas. Nesse local, as várias bancadas rochosas, formadas por quartzitos, apresentam espessuras distintas e estão interrompidas por uma falha geológica que provocou a sua deslocação. Este movimento está calculado em 1,70 metros e foi, no passado, provocado por forças distensivas (falha normal). A Falha da Espiunca é uma prova da imensa dinâmica do planeta Terra, cujas forças são tão intensas que permitiram mover blocos rochosos desta dimensão.

As bancadas de quartzitos ocorrem em grande parte deste troço. A sua relevância pode ser admirada bem de perto, patente nas curvas acentuadas que a estrutura de madeira foi obrigada a circundar. Os quartzitos são rochas metamórficas que tiveram uma origem sedimentar, há cerca de 600 Ma. Como são constituídas, essencialmente, por quartzo apresentam uma dureza elevada.

Mas, apesar da sua grande resistência à ação dos agentes de meteorização e erosão, estas rochas estão hoje expostas a condições muito distintas daquelas que presidiram à sua formação e, por isso, suscetíveis à ação de diversos agentes, nomeadamente da chuva, do calor e dos seres vivos que, lenta e progressivamente, as vão fragilizando. As fraturas existentes nesta rocha acumulam algum solo que é, facilmente, ocupado por diversas sementes para germinarem. O crescimento das plantas e o desenvolvimento das suas raízes vão contribuindo para o processo de meteorização deste quartzito."20

G31 - Gola do Salto

"Um novo elemento surge no percurso. Encontrou a bandeirola sinalizadora do geossítio 31 - Gola do Salto. Ao seu lado, uma escadaria descendente conduz a uma plataforma que permite sentir de perto a força das águas do Rio Paiva. Aqui, observa-se um desnível com cerca de 4 metros, graças à conjugação de duas falhas geológicas com orientações distintas.

Enquanto que uma tem direção N-Se é responsável pelo alinhamento retilíneo do rio, nesta região, a outra tem direção NE-SW e determina a orientação do desnível. Esta conjugação sobre-elevou o bloco a montante da falha NE-SW, permitindo a formação desta pujante queda de água. A Gola do Salto é a prova da elevada influência que as falhas geológicas têm no curso de água, contribuindo para a definição do seu percurso."20

Marmitas gigantes de Paiva

"A jusante da queda de água são exibidas autênticas esculturas naturais - marmitas de gigante, cuidadosamente esculpidas pela forte ação erosiva das águas bravas do Rio Paiva que, neste «salto», se tornam ainda mais revoltas e enérgicas. As marmitas de gigante correspondem a depressões arredondadas no fundo rochoso do Rio Paiva, provocadas pelo movimento das águas e pelos sedimentos nela transportados.

A acumulação de sedimentos vai causar um movimento de redemoinho da água, cuja energia cinética proporciona um movimento circular. Pouco a pouco, devido ao atrito, os sedimentos cavam uma depressão mais ou menos circular no leito do Rio Paiva, sendo que alguns são mantidos dentro delas. Ao longo do tempo, as depressões aumentam e os sedimentos que estão dentro tornam-se cada vez mais arredondados.

As marmitas de gigante estão sempre voltadas para cima e ocorrem de forma isolada ou em grupo. Com o tempo, as depressões tornam-se mais profundas e maiores e, às vezes, coalescem umas com as outras formando canais - canais de escoamento de água."20

Biospots do Troço Espiunca - Vau

Biospot B9

"Este mundo selvagem encontra-se repleto de curiosidades e pormenores que devem ser conhecidos, partilhados e, sobretudo, valorizados e respeitados. Cada visitante pode assumir, durante o seu percurso, o papel de investigador e contribuir para a inventariação dos seres vivos existentes. Os Biospots apoiam no conhecimento de algumas das espécies, com particular destaque para os insetos e plantas com eles relacionados.

Este mundo selvagem encontra-se repleto de curiosidades e pormenores que devem ser conhecidos, partilhados e, sobretudo, valorizados e respeitados. Cada visitante pode assumir, durante o seu percurso, o papel de investigador e contribuir para a inventariação dos seres vivos existentes. Os Biospots apoiam no conhecimento de algumas das espécies, com particular destaque para os insetos e plantas com eles relacionados.

O Biosopt 9 (B9) informa sobre algumas espécies de borboletas, cujas lagartas se alimentam das folhas de salgueiro (Salix spp.).

A sombra e a humidade conferidas pelo coberto arbóreo e pelas diversas linhas de água que escorrem pelas vertentes são vitais para a ocorrência e manutenção de verdadeiros tapetes de musgos. Estas plantas, bastante pequenas, passam muitas vezes despercebidas aos nossos olhos. Para admirar a sua beleza e simplicidade é necessário descer à sua escala e complementar a observação com uma lupa de bolso.

Os musgos são pioneiros na colonização de troncos de árvores, de solo ou de superfícies rochosas, fixando solo e acumulando húmus. Embora sejam plantas essencialmente terrestes, também existem espécies de musgos sobre as rochas do leito do rio. Estas últimas, mais exigentes em água, apresentam resistência à força das correntes. Apesar da sua simplicidade biológica, os musgos são utilizados pelo Homem desde a Antiguidade.

As suas propriedades antisséticas e a elevada capacidade de absorção que algumas espécies apresentam justificou o seu uso na manufatura das primeiras fraldas, na América do Norte, ou na produção de emplastros para curar os ferimentos dos soldados durante a I Guerra Mundial. Atualmente, são objeto de investigação em várias áreas, nomeadamente na do Ambiente, dado que constituem um grupo de plantas indicadoras da condição de qualidade ambiental.

Musgos

Musgos é o nome pelo qual, vulgarmente, são conhecidos os briófitos, plantas que se distinguem das demais por não possuírem estruturas internas para o transporte de água e nutrientes. Os briófitos não produzem flores nem sementes, não desenvolvem raízes e a maioria tem tecidos pouco diferenciados."20

Líquenes

"«Uma vida às escondidas» poderia ser uma boa descrição para referir outros seres vivos peculiares - os líquenes. Nas árvores crescem comunidades de líquenes (designados epifíticos), alguns deles semelhantes a pequenos arbustos, como a barba-de-velho (Usnea spp.). Já sobre as rochas observam-se, mais frequentemente, as cladonias, como a Cladonia humilis. Esta cresce a partir de pequenas escamas na base (talo primário) e desenvolve um talo secundário ereto designado de podécio. Descubra outros líquenes com o auxílio do Biospot 8 (B8).

Os líquenes resultam de uma parceria entre um fungo e uma alga verde ou uma cianobactéria. O fungo forma grande parte do corpo do líquen, envolvendo e protegendo a alga do excesso de radiação solar e da desidratação, mas depende do fornecimento de nutrientes produzidos pela alga no processo de fotossíntese."

Biospot B8

Biospot B8 - Passadiços do Paiva - Arouca

Biospot  B7

"Com maior ou menor expressividade, a vegetação ripícola do Rio Paiva desenvolve-se, naturalmente, no sentido longitudinal do rio. Funciona como uma fronteira dinâmica entre o meio aquático e o meio terrestre e é uma zona de elevada biodiversidade onde, para além das espécies peculiares, se verifica a ocorrência simultânea de espécies características dos ecossistemas terrestres confluentes.

A análise do Biospot 7 (B7) permite conhecer alguns dos arbustos que constituem os matos mediterrânicos desta área. Para além destes habitats, nesta área classificada do Rio Paiva, é possível observar bosquetes constituídos por arbustos de folhas planas, pequenas, rijas e persistentes, característicos de clima mediterrânico.

Entre elas destacam-se o sanguinho-de-água (Frangula alnus), o folhado (Viburnum tinus), o medronheiro (Arbutus unedo), a murta (Myrtus comunis), o loureiro (Laurus nobilis) e a gilbardeira (Ruscus aculeatus, protegida pela Diretiva Habitats). Estas espécies são também relíquias da vegetação primitiva e, por isso, testemunho dos bosques subtropicais que, em outros tempos, terão ocupado esta região do Paiva.

As bagas e os frutos das árvores e dos arbustos, assim como os insetos e os peixes existentes garantem o alimento para um vasto conjunto de animais, nomeadamente para as aves."20

Biospot B6

"As flores das plantas que por aqui crescem são visitadas, ativamente, por diversos insetos. Por um lado, o seu pólen e o seu néctar são essenciais para a sobrevivência destes animais e, por outro, o processo de polinização contribui para a multiplicação das plantas com flor e respetiva variabilidade genética. Entre os diversos insetos polinizadores, salientam-se as borboletas.

No Biospot 6 é possível reconhecer a interligação entre algumas espécies de borboletas e determinadas plantas. No estado adulto, as borboletas são facilmente observadas a voar. Contudo, o seu ciclo de vida inclui modificações morfológicas profundas que englobam quatro estádios de desenvolvimento: ovo, lagarta, crisálida e inseto adulto. Desafie o seu sentido de visão e tente descobrir algumas lagartas e crisálidas nas plantas desta área classificada!"20

Biospot B5

"A vida no meio aquático é imensa! Numa simples gota de água do Rio Paiva é possível encontrar inúmeros seres vivos, cuja vida,
à partida, parece oculta.

Algas e protozoários são seres tão pequeninos que a sua observação requer equipamentos óticos de elevada resolução, como microscópios. Já a identificação de macroinvertebrados (seres sem coluna vertebral e visíveis à vista desarmada), como os caracóis-aquáticos (Physella sp.) ou as larvas de libélulas e de libelinhas é possível, apenas, com um olhar persistente e curioso.

O ciclo de vida das libélulas e das libelinhas é bastante peculiar, uma vez que o seu desenvolvimento abarca três estádios: ovo, larva e adulto. As larvas são aquáticas e possuem dentes, o que lhes permite ter uma dieta centrada em girinos, insetos aquáticos e pequenos peixes.

Quando o desenvolvimento larvar está completo, a larva nada para a margem e sobe por um caule ou raminho até chegar a um local onde o adulto possa emergir (a pele rompe-se e sai o adulto). Durante o estádio adulto, estes insetos acasalam e a fêmea deposita os seus ovos na vegetação aquática. Conheça, com a ajuda do Biospot 5, como pode distinguir as três espécies de libelinhas do género Calopterix que ocorrem em Portugal e que, aqui, coexistem."20

Fauna em destaque do Troço Espiunca - Vau

Aves no troço Espiunca - Vau

"O guarda-rios (Alchedo atthis), protegido pela Diretiva Aves, ou o melro-d'água (Cinclus cinclus) são aves passíveis de serem observadas durante todo o ano, sendo assim consideradas espécies residentes. O colorido guarda-rios apresenta um bico longo que lhe permite "pescar" diversos animais aquáticos, como pequenos peixes, anfibios e insetos. Já o pequeno e rechonchudo melro-d'água dedica-se, exclusivamente, à captura de macroinvertebrados aquáticos, como larvas de insetos e caracóis.

Durante o inverno, a sobrevoar o Rio Paiva é possível avistar algumas aves invernantes, como a garça-real (Ardea cinerea) e o corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo). Ambas as espécies alimentam-se, essencialmente, de peixe cuja captura obriga a um mergulho. Todas estas espécies são características deste ecossistema ribeirinho. Contudo, a confluência com o habitat terrestre permite que, também, os gaios (Garrulus glandarius), os tentilhões-comuns (Fringilla coelebs) ou os pombos-torcazes (Columba palumbus) sejam identificados e tenham uma presença constante nesta área."20

Répteis no troço Espiunca - Vau

Osga Comum - Passadiços do Paiva - Arouca

"A área que irá atravessar é relativamente seca e exposta ao sol e, por isso, propícia para observar várias espécies de répteis como o lagarto-de-água (Lacerta schreiberi, endemismo ibérico protegido pela Diretiva Habitats), a lagartixa-do-mato-comum (Psammodromus algirus) ou o sardão (Timon lepidus).

O lagarto-de-água e a lagartixa-do-mato-comum têm algumas estratégias de defesa comuns, dado que ambos têm a capacidade de libertar a cauda voluntariamente quando se sentem ameaçados, distraindo desta forma, os seus possíveis predadores. Já o sardão, se encurralado, opta pela adoção de uma posição defensiva que consiste em elevar a cabeça e abrir muito a boca, podendo mesmo chegar a morder.

Contudo, não são somente os répteis que por aqui habitam. A observação de indícios de presença, nomeadamente pegadas ou solo remexido permitem verificar que também o javali (Sus scrofa) é uma espécie passível de se observar na área envolvente aos Passadiços do Paiva. Este mamífero procura, no solo, bolbos de algumas plantas que por aqui crescem, como os das campainhas-amarelas (Narcissus bulbocodium, protegida pela Diretiva Habitats), dos narcisos-triandros (Narcissus triandrus, endemismo ibérico protegido pela Diretiva Habitats) ou dos aromáticos alhos-bravos (Allium sphaerocephalon)."20

Anfíbios no Troço Espiunca - Vau

"Estes locais húmidos são refúgio para diversos anfíbios, nomeadamente para a salamandra-lusitânica (Chioglossa lusitanica) e para a rã-ibérica (Rana ibérica). Estas espécies são endemismos ibéricos e estão protegidas pela Diretiva Habitats.

As salamandras apresentam cauda comprida, enquanto as rãs são desprovidas de cauda, na forma adulta, e possuem membros adaptados ao salto, sendo por isso mais rápidas que as anteriores. Os anfíbios integram a dieta alimentar de vários predadores, entre os quais o cágado-mediterrânico (Mauremys leprosa), uma espécie protegida pela Diretiva Habitats."20

Flora em destaque no Troço Espiunca - Vau

"Sobre os xistos, pequenas escorrências de água criam as condições ideais para o crescimento e sobrevivência de diversos seres vivos. Estes sítios húmidos são ideais para o crescimento dos endemismos ibéricos Saxifraga lepismigena e hipericão-do-Gerês (Hypericum androsaemum), este último facilmente identificado pelas suas largas folhas.

O hipericão-do-Gerês é reconhecido pelas suas propriedades medicinais, sendo comumente usado para doenças do fígado, cólicas e queimaduras. Neste local, encontramos outras espécies comuns como o eupatório (Eupatorium cannabinum), muito rico em pólen e néctar e, por isso, ativamente visitado por insetos."20

Geologia em destaque no Troço Espiunca - Vau

Metaconglomerados do Troço Espiunca - Vau

"As extensas bancadas quartzíticas exibem níveis de metaconglomerados revelando que, no passado, foram percorridas por torrentes de águas selvagens que transportaram e depositaram clastos.

Apesar de serem rochas de origem sedimentar, os conglomerados estiveram sujeitos a um metamorfismo de baixo grau e, por isso, designam-se metaconglomerados. Na margem do rio crescem plantas do género Carex e na água, ou em terra, a cobra-de-água-de-colar (Natrix astreptophora) e a cobra-de-água-viperina (Natrix maura) encontram as suas presas.

Os metaconglomerados são constituídos por diversos clastos, com predomínio dos de quartzo. O grau de arredondamento e a dimensão variável dos clastos revelam que foram transportados por águas com grande energia e que sofreram um longo transporte e desgaste."20

Xistos do Troço Espiunca - Vau

"Xistos são rochas metamórficas que tiveram uma origem sedimentar, há cerca de 600 Ma. São facilmente distinguíveis pois apresentam uma propriedade estrutural - a xistosidade que, visualmente, nos permite distinguir um conjunto de planos, resultantes da orientação dos seus minerais, maioritariamente, micas."20

Sítios Histórico-Arqueológicos do Troço Espiunca - Vau

A9 - Ruínas de um moinho

"A Ribeira de Canelas, que agora atravessa, deságua no Rio Paiva. Junto à sua foz, as ruínas de um moinho* (A9) denotam a atividade humana que, há algumas décadas, aqui existiu. Para além deste moinho, vários outros existem ao longo desta ribeira.

As levadas, isto é, os regos talhados nas rochas ou escavados na terra, direcionam as águas da ribeira para os moinhos fazendo, com a sua força, girar a mó de pedra e transformar o grão do cereal em farinha.

A farinha era utilizada como complemento na alimentação do gado doméstico, bem como ingrediente na broa de milho, a qual constituía a base da alimentação de muitas famílias. Os moinhos de água, construídos com as rochas da região (granito e xisto), são um dos testemunhos da diversidade do património cultural e geológico do vale do Paiva.

Mas, durante a época estival, a força das águas da Ribeira de Canelas seria menor e, por isso, os agricultores construíram, na margem esquerda do Rio Paiva, outro moinho para que lhes fosse possível fazer a moagem dos cereais, também durante o verão. Este "moinho de verão" pode ser observado, sensivelmente, no lado oposto ao Rápido da Parede, em pleno leito de cheia.

A travessia da Ribeira de Canelas assinala, por si, uma mudança de rochas. A partir deste curso de água, as rochas que afloram são designadas de xistos. Atente às suas características para identificar algumas diferenças relativamente às que conheceu até ao momento."20

Rápidos do Rio Paiva do Troço Espiunca - Vau

Rápido dos Três Saltinhos

Rápido dos Três Saltinhos - Passadiços do Paiva - Arouca

Esta foto do Rápido dos Três Saltinho foi tirada do miradouro, existente no cimo da encosta em frente aos Passadiços do Paiva, num acesso da estrada nacional 225, que faz a ligação de Castelo de Paiva para Alvarenga, quando fizemos este percurso de bicicleta.

"O conhecimento da riqueza natural desta área não se esgota no percurso desta construção humana. O Rio Paiva é, também ele, capaz de proporcionar outra perspetiva sobre o património deste vale ou, simplesmente, garantir-lhe outras experiências radicais e de aventura. Este rio é considerado a pista ideal para os aficionados de modalidades como o rafting, kayaking e canoa-rafting.

O desafio para os praticantes destes desportos de aventura torna-se ainda maior com a necessidade de transpor alguns rápidos, como o dos «Três Saltinhos», que é passível de ser observado a partir  da primeira plataforma que encontrará neste percurso.

A formação deste rápido está intimamente relacionada com as rochas que aqui afloram. Nesta zona, as bancadas de quartzito encontram-se inclinadas e atravessam, diagonalmente, o Rio Paiva. Três destas bancadas, de maior proeminência, provocam os três saltinhos à passagem dos barcos pneumáticos (raft).

No verão, como o caudal é menor, quase que se observa toda a extensão destas bancadas. Por sua vez, no inverno, as bancadas ficam praticamente escondidas pelas águas bravas, sendo este um dos rápidos mais divertidos para os praticantes de rafting.

O rápido dos 3 Saltinhos está classificado como um rápido de classe III/IV (escala de I a VI) e integra o troço de águas bravas Vau-Espiunca. Entre os meses de novembro e maio, é possível aventurar-se na descida deste rio, em equipa, dentro de um barco pneumático coordenado por um guia especialista de rafting. É neste rápido que, normalmente, se "batizam" os principiantes da referida modalidade."20

Rápido das Escadinhas

"Uma nova plataforma de observação surge neste troço. Chegou ao Rápido das Escadinhas! A sua formação é, à semelhança do Rápido dos 3 Saltinhos, resultado da existência de sucessivas bancadas de quartzito que se encontram inclinadas e intersetam, diagonalmente, o curso do rio. Os sucessivos degraus lembram uma escadaria e justificam o nome deste rápido. Nas rochas das margens crescem comunidades de liquenes, identificáveis pelas suas cores e formas distintas. Destacam-se o esverdeado Rhizocarpon sp. e o verde-limão Acarospora hilaris, indicador de clima mediterrânico.

Neste rápido, os aventureiros de rafting terão de direcionar o barco pneumático para o lado esquerdo do rio, passando por um local semelhante a um canal com degraus. Este rápido está classificado como um rápido de classe IV (escala de I a VI)."

Rápido Gola do Salto

"Este rápido de índice elevado para a prática de desportos de aventura, está classificado como sendo de classe IV/V (escala de I a VI) e integra o troço de águas bravas Vau-Espiunca. Neste rápido, os aventureiros de rafting terão de sair do barco pneumático e caminhar pela margem direita do rio, reentrando novamente no barco após a transposição do obstáculo. Os mais corajosos poderão saltar para o rio, a partir da rocha exposta na margem direita."20

Rápido da Parede

"Na margem direita do Rio Paiva ressalta, pela sua verticalidade, uma resistente parede quartzítica talhada pela erosão fluvial. É o Rápido da Parede! A plataforma de observação que vai encontrar auxilia na identificação deste rápido que se situa, praticamente, à sua frente. Estas escarpas quartzíticas são aproveitadas pelas andorinhas-das-rochas (Ptyonoprogne rupestris) como locais de nidificação ou dormitórios. Estas aves vivem, nesta área, durante todo o ano e alimentam-se, essencialmente, de insetos que capturam em pleno voo.

O Rápido da Parede está classificado como um rápido de classe III/IV (escala de la VI) e integra o troço de águas bravas Vau-Espiunca. A existência desta parede exige perspicácia aos aventureiros de rafting, para afastar o raft da parede."20

Troço de Águas Bravas

"Os praticantes de desportos aventura iniciam, nesta área de recreio e lazer, o troço de águas bravas «Vau-Espiunca» ou finalizam o troço <<Areinho-Vau». Para agilizar o transporte dos equipamentos necessários, os praticantes de desporto aventura recorrem à rampa de madeira que, aqui, é possível encontrar."20

Praias fluviais do Troço Espiunca - Vau

Praia fluvial da Zona de recreio e lazer de Espiunca - Arouca

A Zona de recreio e lazer da Espiunca fica localizada na margem do Rio Paiva, na freguesia de Espiunca. Junto a esta zona fica localizada a aldeia com o mesmo nome, Espiunca, aldeia que dá o nome à freguesia, que ainda preserva características da sua ruralidade. Junto da mesma é possível praticar desportos de aventura, como canyoning ou canoagem. Este é também o ponto de partida para outros desportos de inverno, como rafting, kayak, rafting e hidrospeed.

Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Passadiços do Paiva - Arouca

Descrição do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Começo da subida para o céu

A partir do Vau o percurso começa aumentar de dificuldade e espetacularidade. Se as escadarias o vão colher de assalto a visão da sua ascensão para o firmamento vai deixá-lo temeroso e ansioso da visão que vai abarcar. No fundo do vale, abre-se a Garganta do Paiva, que parece querer gritar para você se temer e não invadir o seu domínio.

Aqui o granito de Alvarenga começa a tomar conta da paisagem e a substituir o xisto. Nas suas frestas podem ser encontrados alguns répteis e plantas resistentes no pouco solo disponível. Nós gostamos de sentir e absorver o seu calor e vibração por isso colocamos por vezes as palmas das mãos sobre a sua pele rochosa.

Sempre pensamos que estes minerais têm vida e energia e nós não a sabemos aproveitar, no entanto se calhar no passado alguns dos nossos ancestrais sabiam estes segredos.

À medida que sobe as escadaria vai-se aproximando da Cascata das Agueiras do outro lado da encosta. Pontualmente abrem-se miradouros para descansar, apreciada a paisagem ou ver os rápidos.

Mudança da paisagem de xisto para granito

"A paisagem também denuncia esta mudança de rochas (litologias). Um percurso pela ponte suspensa e um olhar atento sobre o vale do Paiva permitem observar que, a montante desta ponte pedonal, o vale é mais estreito do que aquele que verificamos a jusante dela. A montante, encontramos o granito, uma rocha bastante resistente à erosão fluvial, que entalha o Rio Paiva e gera vertentes abruptas e declivosas, tal como poderá conhecer aquando da exploração deste troço dos Passadiços do Paiva.

A jusante, o Paiva é acolhido pelas suaves vertentes xistentas, menos resistentes e, por isso, mais facilmente erodidas pelas águas deste curso de água. Esta discrepância na morfologia do rio tem um impacto direto, também, na velocidade a que as águas correm. No vale mais apertado, as águas correm agitadas, enquanto no vale mais alargado, seguem mais calmamente, o que favorece a deposição de sedimentos nas margens, bem como o pujante desenvolvimento da galeria ripícola. Esta descrição caracteriza o geossítio Vau, nesta zona identificado com a respetiva bandeirola."20

Escadaria com 500 degraus apoiada no granito de Alvarenga

"À medida que a descoberta progride, a vegetação torna-se mais esparsa, até que permite deslumbrar uma paisagem, verdadeiramente, avassaladora! Uma escadaria imensa escala o granito de Alvarenga e eleva o visitante para uma altitude próxima dos 300 metros, acima do nível médio da água do mar. Esta obra de arquitetura e engenharia que calcorreia encontra-se em perfeita harmonia com a natureza deste local. A cuidadosa conceção dos Passadiços do Paiva garantiu-lhe a atribuição de diversas distinções nacionais e internacionais.

São cerca de 500 degraus que compõem esta escadaria suportada pelo granito de Alvarenga. À medida que nela se avança, uma nova perspetiva da paisagem vai sendo exibida. Se a uma curta distância, as plantas como o arroz-dos-telhados (Sedum album) ou o umbigo-de-vénus (Umbilicus rupestris) colonizam as fraturas do granito, nos solos mais profundos, a carqueja (Pterospartum tridentatum) e
a urze-branca (Erica arborea) crescem vigorosamente.

Nas rochas ou nas plantas surgem, por vezes, teias construídas pelas aranhas para apanharem as suas presas que, depois de envenenadas, lhes servirão de alimento. Contudo, a construção da teia não é uma estratégia de captura comum a todas as aranhas, como é o caso da aranha-de-napoleão (Synema globosum) que faz emboscadas nas flores."20

Ficha técnica do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

  • Ponto de Partida: Vau (V);
  • Ponto de Chegada: Cascata das Aguieiras (AG);
  • Distância: 3 km;
  • Altitude máxima: 300 m;
  • Grau de Dificuldade: Elevado;
  • Geossítio (G): 02 geossítios;
  • Biospot (B): 03 Biospots;
  • Flora em destaque:
    • Árvores: Carvalhos, freixos, amieiros, os lódãos-bastardos, castanheiros;
    • Cogumelos silvestres: Clatro-vermelho, manita-mata-moscas, frade;
    • Ervas: Erva-besteira e o endemismo ibérico Hyacinthoides paivae;
  • Geologia em destaque: 02;
    • Granito de Alvarenga;
    • Corneana;
  • Sítio Histórico-Arqueológico (A): 02;
    • A10 - Barqueiro;
    • A7 - Castelo de Carvalhais;
  • Pontes suspensas em destaque: 02;
  • Praias Fluviais: 01;
  • Rápidos: 03;
    • 05 Rápidos das Marmitas;
    • 06 Rápido Intermédio;
    • 07 Rápido Grande;
  • Flora em destaque:

    Arroz dos Telhados - Passadiços do Paiva - Arouca

    • Plantas: Arroz-dos-telhados, madressilva, umbigo-de-vénus, carqueja, urze-branca;
    • Árvores: Carvalho-alvarinho;
    • Fetos: feto-real, feto-pente, avencão, feto-fêmea;
    • Fetos: "Estas plantas não produzem flores, frutos ou sementes, sendo a sua reprodução assegurada pelos esporos ou pela multiplicação vegetativa do seu "caule" (rizoma)."20
    • Ervas: Campânula (Campanula lusitanica), erva-dos-três-passarinhos (endemismo ibérico), erva-pombinha, Myosotis sp., carex pendula;
    • Líquenes: Nephroma laevigatum;
  • Fauna em destaque:
    • Mamíferos: Esquilo-vermelho, lontras, raposas;
    • Aves: Morcegos;
    • Insetos: Vaca-loura, borboleta aurinia (duas espécies protegidas pela Diretiva Habitats), grilo-áptero, gafanhoto-ocre, abelhas. Aranhas: aranha-de-napoleão, Funileira-dos-celeiros;
  • Percursos pedestres: O o percurso pedestre de grande rota, GR 28, "Por Montes e Vales de Arouca", passa neste local sobre a Ponte Suspensa do Vau;

Geossítios do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

G30 - Ribeiro de Fontão

"A direita, o Ribeiro do Fontão cai em cascata e as suas águas descem até ao Rio Paiva. Este curso de água nasce no lugar da Estreitinha, na União de freguesias de Canelas e Espiunca, e percorre escassos quilómetros até este local. No que respeita à geologia inicia-se, a partir deste sítio, uma nova história assinalada com a bandeirola indicadora do geossítio Vau (G30).

O aparecimento de duas novas rochas - corneana e granito, contam um episódio geológico mais recente (com, aproximadamente, 300 milhões de anos). Quando o granito, ainda em formação e, por isso, a temperaturas elevadíssimas, se instalou nos xistos aqui existentes, levou a uma "cozedura" dos minerais que o constituem e, por conseguinte, à formação da corneana, que marca a transição entre o xisto e o granito. A espessura da corneana demonstra o "poder de cozedura que a instalação do granito teve sobre o xisto."20

G35 - Cascata das Aguieiras

"A chegada ao topo desta longa escadaria permite alcançar uma vista privilegiada sobre a Cascata das Aguieiras (G35), um dos geossítios mais icónicos e imperdíveis para quem percorre os Passadiços do Paiva. Formado a cerca de sete quilómetros de profundidade, o granito que aqui aflora já suportou toda a pressão das rochas que estiveram sobre ele.

Contudo, devido a diversos fenómenos, nomeadamente à ação dos diversos agentes de meteorização e erosão, este corpo granítico foi progressivamente exumado e, como tal, sofreu uma descompressão que terá sido responsável pela criação da sua extensa rede de diáclases/fraturas.

A Ribeira da Chieira, que percorre e drena a região de Alvarenga, aproveitou uma dessas linhas de fragilidade do granito de Alvarenga para desaguar no Rio Paiva, caindo sob a forma de cascata (Cascata das Aguieiras). Tal como todos os restantes geossítios este também exibe a respetiva bandeirola de identificação.

O granito, pela sua maior resistência aos elementos de erosão, acaba por se destacar na paisagem, fazendo com que esta área seja a mais alta (295 metros) e, por isso, a de maior grau de dificuldade para quem realiza os Passadiços do Paiva."20

Biospots do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Biospot B4

"O bom estado de conservação desta área garante toda esta diversidade de vida. Consulte o Biospot 4 e descubra outros seres vivos que, nesta área ensombrada, encontram o habitat ideal. Entre eles, salientam-se o feto-real (Osmunda regalis), o feto-pente (Blechnum spicant), o avencão (Asplenium trichomanes) ou o feto-fêmea (Athyrium filix-femina).

Um aproximar das frondes (<folhas») permite descobrir, em geral, na sua página inferior, os soros (pequenos <pontos>> acastanhados). O amadurecimento dos soros culmina na libertação dos esporos.

Uma área mais aberta expõe o granito de Alvarenga. Quartzo, feldspato, biotite e moscovite são os quatro minerais essenciais que podem ser observados nas poucas áreas da rocha onde a vida ainda não prolifera. Com cores e dimensões heterogéneas, os líquenes saxícolas (líquenes que colonizam as rochas) contribuem para o processo de meteorização do granito.

Nas imediações deste corpo granítico, a vida já se desenvolve a uma escala diferente. Na primavera, plantas herbáceas como a campânula (Campanula lusitanica) ou a erva-dos-três-passarinhos (Linaria triornithophora, endemismo ibérico), renascem e dão uma beleza especial à vertente."20

Biospot B3

 "O Biospot 3 anuncia, entre outras singularidades, um conjunto de insetos passíveis de serem encontrados. Os insetos constituem o grupo de animais com maior sucesso ecológico, tanto em termos de espécies como em diversidade e número de indivíduos. Para além dos curiosos escaravelhos identificados, nesta área classificada é possível observar o maior escaravelho da Europa, a vaca-loura (Lucanus cervus), uma espécie protegida pela Diretiva Habitats que depende da existência de carvalhos e castanheiros antigos para completar
o seu ciclo de vida. Para além dela, o grilo-áptero (Peloptila sp.) e o gafanhoto-ocre (Calliptamus sp.) são insetos que pode encontrar."20

Biospot B2

"Na encosta, os pequenos socalcos construídos com granito de pequena e média dimensão são testemunho da agricultura que outrora terá aqui sido praticada. Madressilvas (Lonicera spp.) e silvas (Rubus spp.) são plantas passíveis de observar durante a caminhada.

O Biospot 2, entre outras informações, identifica a importância das folhas da madressilva na alimentação da borboleta aurinia (Euphydryas aurinia), uma espécie protegida pela Diretiva Habitats. Já as silvas, com as suas flores e as suas amoras, fornecem um excelente complemento na dieta alimentar de vários insetos, como as abelhas, ou de diversos mamíferos como as raposas.

Sobre os Passadiços do Paiva, por vezes, é possível encontrar excrementos de diversos animais, nomeadamente de raposas (Vulpes vulpes). A observação deste indício de presença permite constatar que a dieta alimentar deste animal matreiro inclui, para além de coelhos, ratos ou insetos, frutos silvestres, de que as amoras são exemplo."20

Fauna em destaque no Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Carvalhos

"Os carvalhos continuam a impressionar. O seu porte, a sua copa, o seu tronco revestido a verde prendem a atenção. À medida que as árvores vão envelhecendo, a casca do tronco sofre alterações ao nível da textura, capacidade de retenção de água, deposição de nutrientes e propriedades químicas.

Estas modificações tornam possível a instalação de diferentes comunidades de líquenes, musgos e fetos, as quais geram condições para que muitos organismos de pequenas dimensões possam viver. Durante o dia, nas copas destas árvores frondosas saltitam pequenos mamíferos muito ágeis - os esquilos (Sciurus vulgaris). Estes animais têm uma dieta bastante vegetal, privilegiando bolotas maduras e pinhões, mas não menosprezando cogumelos, líquenes ou, até mesmo, caracóis, ovos ou crias de aves. À noite, escondem- -se em tocas, nos troncos das árvores, ou refugiam-se nos seus ninhos esféricos, construídos nas copas das árvores.

Se durante o dia os esquilos podem surpreender com a sua presença, ao anoitecer há um nadador que o pode espantar! Com adaptações morfológicas ao modo de vida aquático, a lontra (Lutra lutra) é um mamífero que consegue nadar e mergulhar até cinco minutos. Caça, essencialmente, peixes, mas também pode complementar a sua dieta com outros animais que têm hábitos aquáticos ou semiaquáticos como insetos, pequenas aves, anfíbios, entre outros.

Se na água surgem estes mamíferos capazes de nadar, no ar, também ao anoitecer, surgem mamíferos capazes de voar! O vulto dos morcegos, como Pipistrellus sp., muitas vezes carregado de superstições, anuncia a sua presença. Não tenha receio nem medo, pois estes seres vivos não lhe farão mal algum. Alimentam-se, fundamentalmente, de insetos, evitando que estes se tornem pragas ou que transmitam doenças, principalmente ao ser humano."20

Líquenes

"As pequenas escorrências de água que vão surgindo sobre o granito conferem a humidade certa para que os tapetes de musgos se mantenham com um tom verde intenso. Próximo a eles, surgem diversas plantas que beneficiam da sua humidade e frescura, como a erva-pombinha (Aquilegia vulgaris), Myosotis sp. e Carex pendula.

Nos troncos dos carvalhos, o pulmão-dos-carvalhos (Lobaria pulmonaria), assim designado pela sua morfologia lembrar os alvéolos pulmonares, e o Nephroma laevigatum são alguns dos líquenes que assinalam o bom estado de conservação desta área ripícola, uma vez que apresentam uma elevada sensibilidade à perturbação ambiental."20

Flora em destaque no do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Cogumelos silvestres

"O clatro-vermelho (Clathrus ruber), o amanita-mata-moscas (Amanita muscaria) e o frade (Macrolepiota procera) são alguns dos cogumelos silvestres que por aqui crescem. Estes fungos desempenham um papel muito importante neste ecossistema, pois contribuem para a decomposição da matéria orgânica e asseguram a devolução dos nutrientes ao meio.

Alguns cogumelos são comestíveis, contudo outros são tóxicos ou mesmo mortais. A recolha de cogumelos silvestres, se feita de forma desadequada ou desconhecida, pode colocar em causa o sucesso reprodutivo do fungo ou ser prejudicial para a sua saúde."20

Geologia em destaque no Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Granito de Alvarenga

Granito de Alvarenga - Passadiços do Paiva - Arouca

"É uma rocha magmática que resulta do arrefecimento lento do magma a, pelo menos, 7 km de profundidade. O granito de Alvarenga, assim designado pela sua proximidade à referida freguesia, é uma rocha cuja origem remonta há cerca de 300 Ma."20

Corneana

"É uma rocha metamórfica que resulta do metamorfismo de contacto de uma rocha magmática muito quente e a rocha encaixante (xisto).
Granito."20

Sítios Histórico-Arqueológicos do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

A10 - Barqueiro

"Se hoje a ponte suspensa do Vau permite a continuidade do percurso pedestre de grande rota «Por montes e vales de Arouca», há algumas décadas, a travessia das pessoas e dos respetivos bens era assegurada por um barqueiro (A10) que, sabiamente, manejava a barca.

Esta apresentava uma estrutura simples, sendo construída em madeira com um fundo achatado e constituído por pranchões pregados de encosto. A travessia da barca no rio era facilitada por um cabo de aço, que se encontrava ancorado às duas margens, e que permitia a ligação entre as atuais freguesias de Alvarenga e União de freguesias de Canelas e Espiunca.

Apesar da segurança concedida pelo cabo de aço e da destreza e prevenção dos barqueiros, nem sempre a travessia era bem sucedida. Por vezes, os barqueiros não conseguiam impedir que a impetuosidade das águas arrastasse as barcas pelo rio abaixo. Este meio de ligação entre as duas margens do Rio Paiva e, consequentemente, esta profissão foram, progressivamente, se extinguindo com a construção de pontes rodoviárias."20

Barqueiros

"Meitriz, Paradinha, Vau e Espiunca eram locais onde os barqueiros permitiam a travessia do Rio Paiva, território arouquense. Manuel Barqueiro permitia a travessia do rio, no lugar da Espiunca. Era descrito como (..) "teimoso, valentão e influente. O barco, que manejava à vara, com a ajuda do filho, rendia-lhe mais que uma quinta. Gente, madeiras, pipos de vinho, gado, passava tudo de um lado para o outro, e a atividade rendia-lhe bastante. (..)" (Pignatelli, 1998)"20

A7 - Castelo de Carvalhais

"Uma plataforma intermédia permite uma pausa na subida desta imensa escadaria, bem como uma observação atenta da paisagem. A partir deste ponto, considere o topo do monte que observa à sua frente, na margem direita do Rio Paiva. Aqui, por volta do séc. IX foi construído o «Castelo de Carvalhais>> (A7).

Apesar do seu nome transpor o imaginário para algo megalómano, esta construção correspondia a um pequeno refúgio defensivo da época da reconquista cristã, construído com pedras e, eventualmente, paliçadas em madeira. Deste castelo restam materiais cerâmicos, encontrados durante as ações de prospeção realizadas por arqueólogos, bem como entalhes no afloramento e derrubes de estruturas.

A elevação natural do cabeço rochoso facilitava a defesa contra os inimigos e permitia o refúgio da população, em caso de ataque.

Este castelo terá permitido o refúgio das populações que viveriam nesta área, após 711, altura em que se iniciou o conflito entre cristãos e muçulmanos, depois das invasões da Península Ibérica pelos povos árabes."20

Pontes suspensas em destaque no Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Ponte Suspensa do Vau

Ponte Suspensa do Vau - Passadiços do Paiva - Arouca

"A ponte pedonal do Vau tem cerca de 43 metros de comprimento e está suspensa a cerca de 5 metros de altura das águas do Rio Paiva. Esta ponte permite a travessia dos pedestrianistas, que calcorreiam o percurso pedestre GR 28, e confere aos visitantes dos Passadiços do Paiva, um olhar distinto sobre a paisagem ribeirinha. Comparada, por alguns, à ponte Indiana Jones», a sua passagem não é obrigatória e, uma vez realizada, deve retornar à margem esquerda do rio."20

Ficha Técnica da Ponte Suspensa do Vau

  • Localização: Passadiços do Paiva, Vau - Canelas - Arouca;
  • Curso do Rio: Rio Paiva;
  • Materiais: Madeira e cabos metálicos;
  • Cumprimentos: 43 metros;
  • Altura: 5 metros de altura das águas do Rio Paiva;

Galeria da Ponte Suspensa do Vau

Ponte 516 Suspensa de Arouca

"É também neste local, que se ergue a maior ponte pedonal suspensa do Mundo, denominada <516 Arouca». Com 516 metros de comprimento e 1,20 metros de largura, esta ponte está suspensa a 175 metros de altura e permite a travessia sobre a «Garganta do Paiva».

Ponte 516 Arouca - Ponte Suspensa de Arouca

Construída com uma grelha metálica tipo «gradil»>, suportada por cabos de aço ancorados a pilares de betão armado, esta ponte permite uma observação singular de toda a paisagem, tornando memorável a experiência da sua travessia. A travessia permite o vislumbre de parte da freguesia de Alvarenga, com destaque para o seu vale fértil. No final deste troço encontra um pórtico de saída, onde deve apresentar o bilhete de entrada na infraestrutura."20

Rápidos do Rio Paiva do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Ribeiro do Fontão - Prática de Canyon

"O Ribeiro do Fontão encontra-se, devidamente, equipado para a prática de canyoning, uma modalidade de desporto de aventura que se caracteriza por uma progressão controlada no leito de um rio/ribeiro, através da transposição de obstáculos verticais recorrendo a diversas técnicas.

Ao percorrer este canyon, com 100 metros de extensão, o praticante terá de ultrapassar quatro desníveis em rapel, sendo que o maior apresenta um desnível de 14 metros. Este ribeiro está classificado com um canyon I/V2/A1 (Grau de compromisso: muito fácil (1); Verticalidade: fácil (V2) e Aquático: muito fácil (A1) )."20

Rápidos 05, 06 e 07 - Garganta do Paiva

"À medida que a subida pelos Passadiços do Paiva progride, o Rio Paiva vai-se distanciando e o seu entalhe no granito torna-se mais evidente. O Troço da «Garganta» é o nome atribuído a este estrangulamento do vale do rio, existente entre o Vau e a ponte de Alvarenga.
Com entrada no Areinho e término na área de recreio e lazer do Vau, este é o troço de águas bravas com maior dificuldade técnica no Rio Paiva, na área do território Arouca Geopark.

O kayaking é uma das modalidades de desporto de aventura que nele se pratica e cuja travessia inclui a passagem pelos «Rápido das Marmitas», «Rápido Intermédio» e «Rápido Grande».

Os dois primeiros rápidos são facilmente identificáveis a partir da plataforma que encontra, enquanto o Rápido Grande, pela sua localização, não é tão percetível quando se percorre os Passadiços do Paiva. Nos finais do mês de abril decorre o Paiva Fest, um evento anual de kayaking que reúne os aficionados pela modalidade nesta região do vale do Paiva."20

Garganta do Paiva com três rápidos

"No troço da «Garganta do Paiva» existem três rápidos de elevada dificuldade técnica. São eles: o «Rápido Grande» classificado como pertencente à classe IV/V; o «Rápido Intermédio» que, tal como nome indica, tem uma classificação intermédia, III/IV, e o <Rápido das Marmitas» que se apresenta como um rápido de classe IV/V, numa escala de I a VI."20

Cascata das Aguieiras

"A Cascata das Aguieiras está equipada para a prática de canyoning, ao longo de 400 metros de extensão, sendo classificada como III/V3/A2 (Grau de compromisso: pouco difícil (III); Verticalidade: pouco difícil (V3); Aquático: fácil (A2))."20

Praias fluviais do Troço Vau - Cascata das Aguieiras

Praia fluvial da Zona de recreio e lazer do Vau - Canelas - Arouca

"A Praia fluvial da Zona de recreio e lazer do Vau - Canelas - Arouca, que finaliza este primeiro troço de exploração dos Passadiços do Paiva, é apreciada pelos residentes locais para lazer, bem como pelos visitantes que aproveitam para recarregar energias, ao som do murmúrio tranquilizante das águas do Rio Paiva.

Equipamentos de apoio: A área de recreio e lazer do Vau corresponde, sensivelmente, à zona intermédia dos Passadiços do Paiva (aproximadamente, 4 km). Próximo deste local encontra alguns equipamentos de apoio, nomeadamente casas de banho."20

Cascata das Aguieiras - Areinho

Descrição do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

Troço Cascata das Aguieiras - Areinho - Passadiços do Paiva - Arouca

"Este troço inicia-se sobre o granito de Alvarenga que se encontra bastante alterado devido à ação de diversos agentes de meteorização física e química. No que respeita à meteorização química, assinala-se a transformação dos minerais de feldspato em minerais de argila, a qual confere um aspeto desagregado ao granito e contribui para a formação destes caos de blocos. Esta fragilidade é aproveitada pela água da chuva que acelera, assim, a erosão desta rocha. Nesta área, os sobreiros (Quercus suber) destacam-se na paisagem e acompanham a descida pela escadaria. A casca desta árvore, classificada como Árvore Nacional de Portugal, ainda guarda as marcas escuras provocadas pelo último incêndio, aqui ocorrido no ano de 2016.

A travessia do caminho florestal permite observar uma espécie exótica, que ocupa grandes extensões do vale do Paiva - o eucalipto (Eucaliptus globulus). A produção florestal é a principal razão pela qual a sua plantação ocorre Contudo, a proliferação e a falta de gestão destas monoculturas acarretam um conjunto de consequências ecológicas e ambientais que merecem preocupação. A descida progressiva da escadaria permite uma nova panorâmica sobre o geossítio Garganta do Paiva (G36). Desde o Vau até à ponte de Alvarenga, o rio corre num vale mais estreito, com vertentes declivosas e até verticalizadas, e caudal mais tumultuoso, realidade que justifica o facto deste troço ser comparado a uma garganta.

O percurso finaliza com o caminho florestal que conduz até à praia fluvial do Areinho. Aqui é possível sentir, literalmente, as águas do Rio Paiva, através de um mergulho ou recorrendo a passeios de canoa."20

Ficha técnica do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

Miradouro da Cascata das Aguieiras - Passadiços do Paiva - Arouca

  • Ponto de Partida:Miradouro da Cascata das Aguieiras (AG);
  • Ponto de Chegada: Areinho (AR);
  • Distância: 2 km;
  • Altitude máxima: 300 m;
  • Grau de Dificuldade: Médio;
  • Geossítio: G36 - Garganta do Paiva;
  • Biospot: B1;
  • Sítio Histórico-Arqueológico: A7 - Castelo de Carvalhais, A11 - Ponte de Alvarenga;
  • Praias Fluviais: Praia Fluvial do Areinho;
  • Flora em destaque: Maceróvia-pedunculada, Medronheiro, Samacalo, Samacalo-peludo, Sobreiro, Cila-de-uma-folha, Poejo, Rosmaninho;
  • Fauna em destaque:
    • Insetos: Libélula-esmeralda. Macrómia, a libélula-esmeralda e o gonfus de Graslin são três espécies europeias que se encontram em perigo de extinção e que estão protegidas protegidas pela Diretiva Habitats;
    • Peixes: Bogas, escalos, bordalos ou barbos;
  • Rota dos Geossítios do Arouca Geopark: Os Passadiços do Paiva encontram-se integrados no <Itinerário C: Paiva, o vale surpreendente» da Rota dos Geossitios. Um total de três itinerários de carro, com alguns troços a pé, estruturam esta Rota, que percorre 31 dos 41 geossítios do Arouca Geopark. Os restantes itinerários são o «A: Freita, a serra encantada> e o «B: Pelas minas e recantos desconhecidos do Paiva>;

Geossítios do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

G35 - Cascata das Aguieiras

G35 - Cascata das Aguieiras - Passadiços do Paiva - Arouca

"A cascata das Aguieiras é observável a partir de miradouro integrado nos Passadiços do Paiva encontrando-se inserida numa área designada pelos praticantes de desportos de águas bravas no rio Paiva por «Garganta do Paiva» (G36), que geologicamente define o troço em que o rio se encaixa em canhão no granito de Alvarenga.

Esta cascata é formada pela queda de água da ribeira das Aguieiras, resultando da confluência de diversos tributários que atravessam a freguesia de Alvarenga.

Após percorrerem parte considerável desta freguesia, as águas desta ribeira caem vertiginosamente pelas escarpas graníticas que ladeiam a margem direita do rio Paiva através de um conjunto de desníveis que totalizam cerca de 160 metros.

A origem desta queda de água é condicionada pela rede de fraturação ortogonal deste maciço granítico, desconhecendo-se a existência de outros elementos estruturais que condicionem a mesma. Neste sentido, a ribeira das Aguieiras terá aproveitado uma fratura no granito de Alvarenga, uma linha de fragilidade que permitiu o seu encaixe.

Sobre este miradouro é, também, possível observar o cabeço rochoso onde se encontra implantado o «Castelo de Carvalhais», um castelo roqueiro da época da Reconquista (Séc. IX-XII), reduto defensivo e estrategicamente posicionado, provavelmente destinado a controlar a travessia do rio Paiva, uma importante barreira morfológica entre as margens do Douro e o vale de Arouca."4

Informações úteis: Localidade: Canelas, União de Freguesias de Canelas e Espiunca ; Altitude: 266 m; Coordenadas:

G36 - Garganta do Paiva

"A Garganta do Paiva corresponde a um segmento do rio Paiva onde o leito se torna mais estreito e se prolonga desde a ponte de Alvarenga até ao Vau (G30). Esta ponte, datada do século XVIII, foi mandada construir por alvará de D.Maria I, no ano de 1971. É composta por dois arcos de volta inteira, possui 42 metros de comprimento e é em cantaria. Sobre a ponte é possível observar, para jusante, o vale do Paiva encaixado sobre paredes graníticas abruptas, que curiosamente, contrasta com o vale bem mais aberto, a montante desta ponte. este estrangulamento deve-se à maior resistência do granito de Alvarenga à meteorização e erosão quando comparada com as rochas metassedimentares a montante da ponte, num fenómeno de erosão diferencial. Integrado neste troço destaca-se ainda a ocorrência de marmitas de gigante e da Cascata das Aguieiras (G35).

A área correspondente a este geossítio é, também, um clássico das águas bravas em Portugal, constituído por desafiantes rápidos de classe IV+ e V, numa escala de I e VI. Merece particular relevo o <<Rápido Grande>>, um rápido longo e técnico, sendo o palco da espetacular da prova anual de Kayak Extremo do Paiva Fest. As íngremes paredes rochosas deste geossítio são, ainda, ricas em biodiversidade saltando à vista manchas coloridas de verde-limão que correspondem ao líquen Acospora hilaris (indicador de clima mediterrâneo). As fissuras naturais na rocha granítica são, ainda, refúgio para inúmeras aves de rapina que sobrevoam o vale do Paiva."4

Informações úteis: Localidade:Ponte de Alvarenga, Alvarenga e União de Freguesias de Canelas e Espiunca; Altitude: 181 m; Coordenadas: 40,957675 | -8,174149

Biospots do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

Biospots B1

Destaques do Património natural e arquitetónico: Cascata das Aguieiras, Garganta do Paiva, Ponte de Alvarenga e Ponte 516 Suspensa de Arouca;

Destaques flora: As espécies europeias em perigo de extinção estão listadas no Anexo II da Diretiva Habitats | European.

  • MACRÓMIA: A macrómia é uma das libélulas mais emblemáticas da Europa. É um endemismo ibérico que tem no Paiva abundantes populações;
  • LIBÉLULA ESMERALDA: Apesar de se encontrar em muitos países europeus, esta espécie tem também o centro de distribuição na Península Ibérica. Em voo parece uma libélula muito escura com olhos claros. Esta espécie pode ser confundida com outras libélulas do mesmo género muito parecidas. Observe atentamente o tórax dos animais para perceber o que as diferencia;
  • GONFUS DE GRASLINI: Espécie do anexo II da Diretiva Habitats;
  • GONFUS MEDITERR NICO: As duas linhas negras do tórax estão mais afastadas uma da outra do que em gonfus de Graslin;
  • GONFUS COMUMI: As linhas negras do tórax são mais finas que nas outras duas espécies. Repare que só este gonfus tem a linha negra de um lado ao outro do tórax;

Sítios Histórico-Arqueológicos do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

A7 - Castelo de Carvalhais

"G36: Garganta do Paiva, é uma plataforma intermédia que permite uma pausa na subida desta imensa escadaria, bem como uma observação atenta da paisagem. A partir deste ponto, considere o topo do monte que observa à sua frente, na margem direita do Rio Paiva. Aqui, por volta do séc. IX foi construído o «Castelo de Carvalhais> (A7).

Apesar do seu nome transpor o imaginário para algo megalómano, esta construção correspondia a um pequeno refúgio defensivo da época da reconquista cristã, construído com pedras e, eventualmente, paliçadas em madeira. Deste castelo restam materiais cerâmicos, encontrados durante as ações de prospeção realizadas por arqueólogos, bem como entalhes no afloramento e derrubes de estruturas. A elevação natural do cabeço rochoso facilitava a defesa contra os inimigos e permitia o refúgio da população, em caso de ataque.

O Castelo de Carvalhais terá permitido o refúgio das populações que viveriam nesta área, após 711, altura em que se iniciou o conflito entre cristãos e muçulmanos, depois das invasões da Península Ibérica pelos povos árabes."20

As ruínas deste castelo são constituídas por um amontoado de pedras graníticas que outrora formavam as suas muralhas. As mesmas estão localizadas na margem direita do Rio Paiva. Uma das melhores formas de as ver é quando visita a Ponte 516 Suspensa de Arouca. Elas ficam localizadas a jusante desta estrutura, na encosta do lado direito. No nosso caso como levamos uns binóculos podemos facilmente identificar o seu local quando estávamos a meio do seu trajeto. 

Passadiços do Paiva - Arouca

Pelos passadiços a melhor forma de as ver é se fizer o percurso no sentido Areinho - Espiunca, depois de subir as escadarias junto à Garganta do Paiva e Ponte de Alvarenga e começar a descer, existe uma plataforma em madeira para apreciar do outro lado da encosta a Cascata das Aguieiras. Os vestígios do Castelo de Carvalhais ficam do seu lado esquerdo, no topo da encosta.

A11 - Ponte de Alvarenga

Ponte de Alvarenga - Arouca

"A ponte de Alvarenga (A11) encontra-se construída num dos extremos do corpo granítico, onde ocorre o estreitamento do vale. A escolha deste local para a construção desta infraestrutura rodoviária é de fácil compreensão pois, dada a proximidade entre margens, a extensão de ponte necessária seria menor.

Datada do século XVIII, a ponte de Alvarenga apresenta 42 metros de comprimento e cerca de 22 metros de altura, sendo composta por dois arcos de volta inteira. O arco principal tem cerca de 7 metros de vão e é destinado à passagem das águas do rio, enquanto o arco inferior, apresenta um vão de, aproximadamente, 1 metro e é reservado à passagem dos pescadores. A travessia da estrada permite a passagem para uma nova litologia - o xisto. Esta rocha impõe uma mudança na morfologia da paisagem, tornando o vale mais aberto e as vertentes mais suaves.

A obra foi projetada por Francisco Gonçalves, a pedido do Bispo de Lamego, D. Manuel de Vasconcelos Pereira, que por aqui atravessou de barca e correu o risco de morrer afogado. Por essa razão, este local também é conhecido como «Poço do Bispo». A sua construção iniciou-se em 1770 e terminou, já a mando da rainha D. Maria I, em 1791."20

Rápidos do Rio Paiva do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

Troços de Águas Bravas do Rio Paiva

"Este local é ponto de partida para os aventureiros que praticam desportos de aventura no troço Areinho-Vau e local de chegada para aque les que iniciaram o troço Meitriz-Areinho."20

Flora em destaque no Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

Flora das vertentes dos Passadiços do Paiva

"Nas vertentes, os solos são consolidados pelas diversas espécies de plantas que neles crescem. Os arbustos como o aderno (Phillyrea latifolia) e o medronheiro (Arbutus unedo) pontuam nas margens e fornecem frutos que integram a alimentação de aves e insetos."20

Maceróvia-pedunculada: Endemismo lusitano protegido

A partir da primavera, observa-se a planta maceróvia-pedunculada (Anarrhinum longipedicellatum), um endemismo lusitano protegido pela Diretiva Habitats, cuja distribuição está limitada às bacias hidrográficas do Paiva e do Vouga. Esta planta é facilmente identificada pelo longo pedicelo que liga a flor azul-violácea ao caule. Outras duas espécies do género Anarrhinum ocorrem na área envolvente aos Passadiços do Paiva. O samacalo (Anarrhinum bellidifolium) que se distingue da maceróvia- pedunculada por possuir um pedicelo curto e o samacalo-peludo (Anarrhinum duriminium) cuja flor branca o identifica."20

Sobreiro nos Passadiços do Paiva

"O tronco do sobreiro possui uma casca espessa denominada súber à qual, vulgarmente, chamamos cortiça. A espessura  e as características da cortiça diminuem a probabilidade da morte dos sobreiros, quando atingidos pelo fogo, dado que a mesma funciona como um «escudo protetor»."20

Fauna em destaque no Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

Libélula-esmeralda

"É também na primavera que as libélulas identificadas no Biospot 1 podem ser avistadas. A macrómia (Macromia splendens), a libélula-esmeralda (Oxygastra curtisii) e o gonfus de Graslin (Gomphus graslinii) são três espécies europeias que se encontram em perigo de extinção e que estão protegidas pela Diretiva Habitats.

Estas espécies de libélulas são tidas como bioindicadoras da qualidade da água doce. Outras plantas surgem na paisagem. No final do inverno, a cila-de-uma folha (Scilla monophyllos) exibe a sua inflorescência de cor azul-violácea, enquanto na primavera as flores do aromático rosmaninho (Lavandula stoechas) ou do medicinal poejo (Mentha pulegium), este mais junto ao curso de água, proliferam e os insetos, nomeadamente os abelhões (Bombus spp.) procuram o pólen e o néctar para fazer o mel com o qual irão alimentar as suas larvas. Por vezes, é possível observar, nas patas posteriores dos abelhões, os designados <cestos-do-pólen» carregados de pólen, como o nome indica. Já nas patas traseiras, podem observar-se umas «bolas» de cor laranja que correspondem ao pólen misturado com néctar regurgitado."20

Peixes no Rio Paiva

"Dentro de água ou a partir da margem é possível observar os peixes, em cardumes ou solitários. Bogas (Pseudochondrostoma duriense), escalos (Squalius carolitertii), bordalos (complexo de Squalis alburnoides) ou barbos (Luciobarbus bocagei) são alguns dos peixes que o Rio Paiva acolhe.

As algas, as plantas aquáticas, os moluscos, os crustáceos ou as larvas aquáticas de insetos integram a dieta alimentar destas espécies piscícolas autóctones. Todas as espécies identificadas são endemismos ibéricos, estando as bogas, os bordalos e os escalos protegidos pela Diretiva Habitats. O reduzido número de infraestruturas no Rio Paiva, como barragens, permite a conetividade longitudinal do rio e, em conjunto com a qualidade da água e os ecossistemas circundantes (galeria ripícola e floresta), são cruciais para a manutenção destas populações de peixes."20

Praias fluviais do Troço Cascata das Aguieiras - Areinho

Praia Fluvial do Areinho

A bonita e aprazível Praia Fluvial do Areinho é banhada pelo Rio Paiva, ficando localizada na União de Freguesias de Canelas e Espiunca, Arouca, sendo a maior praia fluvial deste concelho, que pertence ao distrito de Aveiro. Junto a esta praia tem início/fim os Passadiços do Paiva e não se vai arrepender se no verão se banhar nas suas temperadas águas.

"Praia Fluvial do Areinho é vigiada por nadadores salvadores, durante a época balnear. Nas suas imediações encontra alguns equipamentos de apoio, nomeadamente casas de banho."20

Ameaças à Fauna e Flora dos Passadiços do Paiva

"Os incêndios e as espécies exóticas invasoras são duas das ameaças que atentam ao equilibrio deste ecossistema ribeirinho. As mimosas (Acacia dealbata) são uma das plantas exóticas com comportamento invasor, produzindo uma grande quantidade de sementes que permanecem viáveis no solo durante muitos anos.

A germinação destas sementes é estimulada pelo fogo e o seu crescimento conduz, entre outras alterações, à formação de povoamentos que impedem o crescimento da vegetação autóctone alterando, assim, o ecossistema que ocupam. No ano de 2015 a área, sensivelmente compreendida entre o Biospot (B7) e a área de recreio e lazer do Vau, foi afetada por um incêndio florestal.

Desde então, verifica-se que a referida área se encontra num processo de regeneração pós-incêndio, ou seja, num processo de colonização ecológica secundário. Para além desta regeneração natural e espontânea, nesta área foram já plantadas diversas espécies vegetais autóctones, particularmente freixos, salgueiros, carvalhos e medronheiros, com o objetivo de adensar a vegetação ripícola existente e, desta forma, contribuir para a conservação deste ecossistema."20

Informação útil dos Passadiços do Paiva

Observações e recomendações dos Passadiços do Paiva1 

  • O percurso no sentido Areinho - Espiunca é o menos exigente, a nível físico;
  • No caso de ida e volta, recomenda-se começar o percurso pela Espiunca;
  • O passadiço permite o acesso a três praias fluviais, onde se poderá refrescar;
  • Leve sempre água consigo e uma mochila para trazer o lixo;
  • Não utilize chinelos ou calçado de praia;
  • Neste momento, o serviço de transfer de uma extremidade para a outra pode ser efetuado por táxi;
  • Para sua segurança, ao longo do percurso, existem telefones SOS;
  • Em períodos de sol intenso, recomenda-se o uso de protetor solar;
  • Existem muitas zonas com sombra, ao longo do percurso;
  • Não tem que atravessar, obrigatoriamente, a ponte suspensa, para efetuar o percurso;
  • Para visitas interpretadas, com guia, deve contactar empresas da especialidade ou o Geoparque Arouca;
  • Nas extremidades dos passadiços, existem cafés que servem refeições rápidas;
  • Existem parques de estacionamento nas duas extremidades dos passadiços (Espiunca e Areinho);

Normas de conduta dos Passadiços do Paiva1 

  • Ande em grupo;
  • Percorra o passadiço entre o nascer e o pôr do sol;
  • Siga sempre pelo passadiço;
  • Use vestuário e calçado apropriado
  • A entrada a animais de estimação apenas é permitida com uso de trela ao longo de todo o percurso ou transporte em mochila própria;
  • Observe a fauna à distância e não danifique a flora;
  • Não abandone o lixo na natureza;
  • Respeite a propriedade privada;
  • É proibida a entrada de aparelhos de música;
  • É proibida a entrada de carrinhos de bebé;
  • Evite barulhos e atitudes que perturbem a paz local;
  • Não colha amostras de plantas ou rochas;
  • As crianças devem andar sempre acompanhadas por adultos;
  • Se encontrar obstáculos ou derrocadas, não os contorne. Volte para trás pelo mesmo percurso;
  • É proibido fumar, fazer fogueiras, acampar ou fazer desportos radicais;
  • É proibido circular de bicicleta, de motociclo ou outros veículos motorizados;
  • Respeite e obedeça às orientações e informações oficiais;

Onde começar a visita dos Passadiços do Paiva

Preço dos Passadiços do Paiva

Preços gerais, online e no local;

  • Bilhete Adulto (18 - 65) € 1.00 e € 2.00;
  • Bilhete Jovem (10 - 17) € 1.00 e € 2.00;
  • Bilhete Sénior (65+) € 1.00 e € 2.00;
  • Bilhete Criança (< 10) € 0.00 € 0.00;

Bilhetes para os Passadiços do Paiva

Pode adquirir o bilhete:

  • Loja Interativa de Turismo de Arouca (para o próprio dia e os 2 subsequentes);
  • Entradas da Espiunca, (somente para o próprio dia e caso os bilhetes já não estejam esgotados);
  • Entrada da Cascata das Aguieiras (somente para o próprio dia e caso os bilhetes já não estejam esgotados);
    • De notar que a aquisição dos bilhetes nestes locais, no próprio dia, implica um acréscimo no valor da taxa

Quantos quilómetros têm os Passadiços do Paiva

  • Distância a Percorrer: 8700m (linear). Os Passadiços do Paiva podem ser percorridos de forma linear, tendo uma distância de 8 700 km, 17.400 km se o fizer nos dois sentidos;

Perguntas mais frequentes dos Passadiços do Paiva20

Reservas e bilhetes para os Passadiços do Paiva

G35 - Cascata das Aguieiras - Passadiços do Paiva - Arouca

P. Como devo efetuar a minha reserva?

R. Preferencialmente, através do website www.passadicosdopaiva.pt.

P. Não consigo aceder à Internet e desejo adquirir o bilhete de entrada. Como posso proceder?

R. Pode adquirir o bilhete na Loja Interativa de Turismo de Arouca (para o próprio dia e os 2 subsequentes) ou nas entradas da
Espiunca e da Cascata das Aguieiras (somente para o próprio dia e caso os bilhetes já não estejam esgotados). De notar que a aquisição dos bilhetes nestes locais, no próprio dia, implica um acréscimo no valor da taxa.

P. Se possuo cartão residente Passadiços do Paiva tenho de efetuar reserva antecipada?

R. Não. O cartão, por si só, confere o direito de entrada nos Passadiços do Paiva, em qualquer dia.

P. A quem se destina o cartão residente Passadiços do Paiva?

R. A todos os residentes em Arouca e respetivos familiares ascendentes e descendentes diretos. O cartão deverá ser solicitado na Loja Interativa de Turismo de Arouca, mediante apresentação do cartão de cidadão e do comprovativo de morada.

P. Caso surja um imprevisto, posso alterar a minha reserva?

R. Sim. Consultar mais informações em www.passadicosdopaiva.pt, no menu <<Remarcar uma reserva».

P. Posso solicitar devolução do valor do meu bilhete?

R. Não.

P. Se os Passadiços do Paiva encerrarem devido a algum imprevisto fico impossibilitado de utilizar o bilhete?

R. Não. Deve solicitar alteração do dia de visita, através do endereço de email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

P. Qual o documento que devo apresentar nos pórticos de entrada e saída dos Passadiços do Paiva?

R. O cartão de residente ou o bilhete, em formato digital ou em papel.

P. Quanto tempo demoro a percorrer os Passadiços do Paiva?

R. O percurso unidirecional tem uma duração média de, aproximadamente, 2h30min.

Tarifas e preços dos bilhetes para os Passadiços do Paiva

P. Que tarifa é necessário pagar para percorrer os Passadiços do Paiva?

R. A tarifa é variável, consoante a época do ano e o local onde a adquire (website, Loja Interativa de Turismo de Arouca ou nos pórticos de entrada). Consulte o preçário em www.passadicosdopaiva.pt.

P. Existem descontos para grupos?

R. Não.

P. Algum troço dos Passadiços do Paiva é gratuito?

R. Sim. O troço compreendido entre o Areinho e o pórtico próximo ao miradouro da Cascata das Aguieiras.

Horários dos Passadiços do Paiva

P. Qual é o horário de abertura ao público?

R. O horário é variável, conforme a época do ano. Consulte o horário em www.passadicosdopaiva.pt.

P. Há limite de tempo diário para permanecer nos Passadiços do Paiva?

R. Sim. Somente pode permanecer durante o período de abertura ao público, do dia em questão.

P. Quais são os dias em que a infraestrutura encerra ao público?

R. Somente no dia 25 de dezembro, salvo situações especiais (condições meteorológicas adversas, trabalhos de manutenção ou outras). Consulte mais informação no website www.passadicosdopaiva.pt.

Acessibilidade dos Passadiços do Paiva

P. Os Passadiços do Paiva são acessíveis a pessoas com mobilidade condicionada?

R. Não.

Serviços de apoio dos Passadiços do Paiva

P. É possível requerer o serviço de visita interpretada aos «Passadiços do Paiva»?

R. Sim. Deve consultar o website www.passadicosdopaiva.pt e explorar o menu <Reservas».

P. Existem transferes disponíveis nas duas entradas dos «Passadiços do Paiva»?

R. Sim.

P. O serviço de transferes está incluído no bilhete de entrada?

R. Não.

P. Existem infraestruturas e equipamentos de apoio ao longo do percurso?

R. Sim. Nas duas entradas (Espiunca e Areinho) e no Vau, existem bares (cujos horários são definidos pelos proprietários), caixotes de lixo e casas de banho.

P. É permitido realizar piqueniques na área dos «Passadiços do Paiva»?

R. Não.

P. Os Passadiços do Paiva dispõem de parques de estacionamento junto às entradas?

R. Sim.

P. Há estacionamento para autocarros nas duas entradas?

R. Não. O parque de estacionamento para autocarros localiza-se junto à entrada do Areinho.

P. A área dos Passadiços do Paiva dispõe de cobertura de rede móvel ou wi-fi?

R. Não existe wi-fi disponível e, atualmente, a cobertura de rede móvel não é eficaz em toda a extensão dos Passadiços do Paiva.

Recomendações para os Passadiços do Paiva

P. O que devo fazer em caso de emergência?

R. Pode recorrer a: Emergência Nacional (112); Bombeiros Voluntários de Arouca (256 944 122); Controlador/segurança dos Passadiços do Paiva (968 566 024); Telefones SOS disponíveis ao longo da infraestrutura.

P. Posso utilizar veículos aéreos não tripulados (drones)?

R. Sim, mediante as autorizações legais obrigatórias e autorização prévia por parte do Município de Arouca, entidade gestora da infraestrutura Passadiços do Paiva.

P. Posso levar carrinho de bebé?

R. Não.

P. Posso levar o meu animal de estimação?

R. Não.

Acessos e como chegar aos Passadiços do Paiva

P. Como chego aos Passadiços do Paiva?

  • Vindo do Norte
    • (Via A1): Saída: Santa Maria da Feira > São João da Madeira > Vale de Cambra > Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 60 minutos;
    • (Via A32):  Saída: Carregosa > Chão de Ave> Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 50 minutos
  • Vindo do Sul
    • (Via A1): Saída: Estarreja > Oliveira de Azeméis > Vale de Cambra> Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 65 minutos;
  • Vindo do Interior
    • (Via A25): Saída: Porto A1 > Estarreja > Oliveira de Azeméis > Vale de Cambra> Arouca > Passadiços do Paiva Tempo estimado de viagem: 65 minutos;

 

Comer dormir divertir e alertar na visita aos Passadiços do Paiva

Onde comer quando visitar os Passadiços do Paiva

A Varandinha

Av. Reinaldo Noronha, N°39, 4540-181 Arouca | Telf: 256 941 865 | 910 505 858 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Día de encerramento: segunda-feira;

Abrigo da Paiva

Miudal, 4540-037 Alvarenga Telf: 256 951 682 | 917 690 368 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: não encerra;

Alto da Estrada

Av. 25 de Abril, 4540-202 Burgo | Telf: 256 944 796 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: não encerra;

Assembleia Wine Bar & Restaurant

Travessa da Ribeira, N°5, 4540-148 Arouca | Telf: 256 944 392 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: quinta-feira;

Avistada

Sequeiros, 4540-491 Rossas | Telf: 256 947 213 | 912 008 760 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira;

BarBelho

Areeiro, 4540-615 Santa Eulália | Telf: 256 941 781 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira;

Casa Caetano

Albisqueiros, 4540-021 Alvarenga | Telf: 256 955 150 | 965 070 232 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa Valete

Rua Dr. Coelho da Rocha, 4540-121 Arouca | Telf: 256 949 591 | Dia de encerramento: não encerra;

Casa dos Bifes Silva

Lugar do Paço, 4540-046 Alvarenga | Telf: 256 955 443 | 964 016 987 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: não encerra;

Casa no Campo

Espinheiro, 4540-431 Moldes | Telf: 256 941 900 | 914 252 284 | 918 528 946 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: terça-feira;

Central de Cabeçais

Cabeçais, 4540-367 Fermedo | Telf: 256 922 492 | 919 244 659 | Dia de encerramento: segunda-feira;

Central de Mansores

Vila, 4540-423 Mansores | Telf: 256 922 403 | Dia de encerramento: não encerra; 

Casa Testinha

Rua 10 de Maio, N°4, 4540-113 Arouca | Telf:256 944 281 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: domingo;

Chão D'Ave

Chão de Ave, 4540-263 Chave | Telf:256 465 864 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: não encerra;

Churrascaria Central

Av. 25 de abril, 4540-102 Arouca | Telf: 256 943 342 | Dia de encerramento: não encerra;

Churrascaria Romana

Rua Dr. Coelho da Rocha, 4540-121 Arouca | Telf: 256 946 001 | Dia de encerramento: não encerra;

Churrascaria S. João

Provisende, 4540-486 Rossas | Telf: 256 947 357 | Dia de encerramento: segunda-feira a sexta-feira;

Lareira

Cimo do Burgo, 4540-204 Burgo | Telf: 913 560 701 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: quarta-feira ao jantar;

Manjar das Oliveiras

Farrapa, 4540-267 Chave | Telf: 916 870 822 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira;

Manjar de Arouca

Av. das Escolas, 4540-103 Arouca | Telf: 256 940 070 965 477 714 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: não encerra;

O Brasileiro

Farrapa, 4540-267 Chave | Telf: 256 422 024 | 963 474 863;

Parlamento

Travessa da Ribeira, N°2 4540-148 Arouca | Telf: 256 949 604 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: terça-feira e domingo ao jantar, com exceção do mês de agosto;

Pedestre 142

Rua Dr. Angelo Miranda, N°142, 4540-140 Arouca | Telf: 256 948 253 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira;

O Décio

Trancoso, 4540-048 Alvarenga | Telf: 256 951 666962 801 903 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira;

O Júlio

Abelheira, 4540-291 Escariz | Telf:256 921 099 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: terça-feira (tarde)

O Mineiro

Regoufe, 4540-284 Covelo de Paivó | Telf: 960 110 195 | Dia de encerramento: só funciona por marcação;

O Mota

Ribeira, 4540-045 Alvarenga | Telf:256 955 250 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: terça-feira;

O Relvas

Gestosa, 4540-304 Escariz | Telf: 256 922 151 | Dia de encerramento: terça-feira;

Paiva à Vista

Vilarinho, 4540-257 Canelas | Telf: 256 958 087 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: não encerra;

Pedrogão

Pedrogão, 4540-445 Moldes | Telf: 256 941 733917 287 634 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: só funciona por marcação;

Ponto Alto

Mizarela, 4540-013 Albergaria da Serra | Telf: 256 947 702918 295 782 | Dia de encerramento: segunda a sexta (setembro-junho) | não encerra (julho-agosto);

Pousadinhos

Rua dos Pousadinhos, 4540-413 Mansores | Telf: 256 926 927 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira (jantar);

Quinta D'Além da Ponte

Lugar do Carvalhal, 4540-606 Tropeço | Telf: 256 026 977 | 917 017 119 | 929 044 783 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira;

Quinta de Novais

Novais, 4540-540 Santa Eulália | Telf: 256 940 100 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: só funciona por marcação;

Refúgio da Freita

Merujal, 4540-659 Urrô | Telf: 256 947 723 | 914 847 311 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: só funciona por marcação;

São Pedro

Av. Reinaldo Noronha, N°24, 4540-105 Arouca | Telf :256 944 580 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: terça-feira;

Semblano

Lugar de Cima, 4540-252 Canelas | Telf: 917 230 137 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: não encerra;

Souto

Vila, 4540-423 Mansores | Telf: 256 291 221 | 917 510 169 | 914 306 123 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira (tarde);

Tasquinha da Quinta

Rua 10 de Maio, 4540-113 Arouca | Telf: 256 944 080 | 962 633 211 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Dia de encerramento: segunda-feira;

Onde dormir perto dos Passadiços do Paiva

Casa de Cela - Turismo de Habitação

Cela, 4540-645 Urró | Telf: 256 944 226 | 919 445 818 | 919 443 427 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Lagar - Casa de Campo

Lugar da Boavista, 4540-022 Alvarenga | Telf: 917 855 591 | 966 274 683 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.casaemalvarenga.com;

Casa do Passadiço - Casa de Campo

Trancoso, 4540-048 Alvarenga | Telf: 915 499 171 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Paúl - Casa de Campo

Espiunca, 4540-344 Espiunca | Telf: 938 336 017 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.casapaul.wordpress.com;

Alo Casa do Pinto - Casa de Campo

Lugar, 4540-252 Canelas de Cima | Telf: 256 949 455 | 962 060 730 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.casadopinto.com;

Casa do Soutinho - Casa de Campo

Carvalhais, 4540-028 Alvarenga | Telf: 962 501 270 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.casadosoutinho.pt;

Casa do Toutuço - Casa de Campo

Lourosa de Campos, 4540-211 Burgo | Telf: 969 906 362 | 927 322 542 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.casadotoutuco.wordpress.com;

Hotel Rural da Freita ***

Mizarela, 4540-013 Albergaria da Serra | Telf: 256 130 993 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.hotelruraldafreita.pt;

Hotel Rural Quinta de Novais ***

Novais, 4540-540 Santa Eulália | Telf: 256 940 100 | 962 515 911 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.quintadenovais.com;

Hotel S. Pedro ***

Av. Reinaldo Noronha, N°24, 4540-105 Arouca | Telf: 256 944 580 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.hotelspedro.com;

Passadiço Art and River House - Casa de Campo

Lugar da Paradinha, 4540-040 Alvarenga | Telf: 967 227 188 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Quinta da Vila - Casa de Campo

Lugar da Vila, 4540-053 Alvarenga | Telf: 918 528 478 | 914 597 826 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.quintadavila.pt;

Quinta de Anterronde - Agroturismo

Anterronde, 4540-718 Santa Eulália | Telf: 963 063 929 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.quintadeanterronde.pt;

Quinta do Pomar Maior - Agroturismo

Lugar dos Barreiros, 4540-516 Santa Eulália | Telf: 963 162 137 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.quintadopomarmaior.com;

Quinta do Pomarinho - Casa de Campo

Lugar de Romariz, 4540-222 Burgo | Telf: 256 948 198 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.quintadopomarinho.com;

Quinta do Rossado - Casa de Campo

Lugar do Rossado, 4540-661 Urrò | Telf: 965 848 487 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Refúgio da Freita - Parque de Campismo do Merujal

Merujal, 4540-659 Urrò | Telf: 256 947 723 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.naturveredas.com;

Vila Guiomar - Casa de Campo

Lugar de Santo, 4540-046 Alvarenga | Telf: 256 951 246 | 256 955 504 | 919 505 750 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.vilaguiomar.pt;

Alojamento local perto dos Passadiços do Paiva

A Avozinha - AL

Rua 1° de Maio, N°6, 4540-113 Arouca | Telf: 256 943 416 | 967 163 385 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.aavozinha.com;

Aconchego-AL

Av. dos Descobrimentos, Alto da Estrada 4540-202 Arouca | Telf: 910 911 323 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Afonso's Apartment2 Arouca - AL

Rua Doutora Salomé Martingo, 28 R/C, fração G, 4540-149 Arouca | Telf: 919 017 545 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Alojamento do Reguengo - AL

Aldeia, 4540-449 Moldes | Telf: 223 325 499919 036 620 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Amor-AL

Av. dos Descobrimentos, Alto da Estrada 4540-202 Arouca | Telf: 910 911 323 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Apartamento Alegria - AL

Rua Abel Botelho, N° 7, 2° Dto. 4540-114 Arouca | Telf: 918 881 500 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Apartamento Milénio - AL

Rua D. Manuel I, 4540-129 Arouca | Telf: 919 511 079 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Arouca à Varanda - AL

Rua Nuno Álvares Pereira, 4540-181  Pernouzela | Telf: 936 829 747 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.arouca-a-varanda.negocio.site;

Arouca Guest House - AL

Av. dos Descobrimentos, N° 4, 4540-104 Arouca | Telf: 256 946 087 | 917 985 880 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Bellavista - AL

Rua Mafalda Valente, N° 102 4540-197 Arouca | Telf: 256 941 178 | 913 544 881 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa Amarela - AL

Lugar de Cabreiros, 4540-241 Cabreiros | Telf: 916 882 039 | 914 990 552 | 912 262 182 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.casasdaeira.pt;

Casa D'Alvite - AL

Largo de Alvite de Cima, 4540-295 Escariz | Telf: 936 256 476 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa da Árvore - AL

Lugar da Paradinha, 4540-063 Alvarenga | Telf: 914 264 431 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa da Granja - AL

Rua Egas Moniz, N° 9, 4540-138 Arouca | Telf: 919 316 129 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa da Pedra - AL

Lugar da Carrola, 4540-203 Burgo | Telf: 964 479 331 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa de Vilarinho - AL

Lugar de Vilarinho, 4540-257 Canelas | Telf: 913 309 247 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Casa de Vilarinho - AL

Rua D. Manuel 1, 4540-129 Arouca | Telf: 919 511 079 | Lugar de Vilarinho, 4540-257 Canelas | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Arieiro - AL

Areeiro, 4540-515 Santa Eulália | Telf: 912 373 642 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Castelo - AL

Rua Nossa Senhora da Saúde, N° 908, 4540-371 Fermedo | Telf: 917 532 912 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Centro - AL

Av. 25 de Abril, N°13, 4540-102 Arouca | Telf: 964 414 832 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Casa do Lonho - AL

Fundo de Vila, 4540-444 Moldes | Telf: 918 455 937 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Olival - AL

Lugar do Olival, 4540-652 Urrô | Telf: 966 828 832 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Olival da Granja - AL

Rua Doutor Simões Júnior, N°36, 4540-136 Arouca | Telf: 910 308 131 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Vidoeiro - AL

Cabreiros, 4540-241 Cabreiros | Telf: 256 201 010 | 926 478 130 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa do Volframio - AL

Rio de Frades, 4540-243 Cabreiros | Telf: 256 946 175 | 918 100 159 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa dos Sonhos - AL

Rua Boavista, N°17, R/C, 4540-121 Arouca | Telf: 915 031 748 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa Rústica - AL

Cavada, 4540-477 Rossas | Telf: 966 491 412 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casa Sr. Chico - AL

Trancoso, 4540-048 Alvarenga | Telf: 926 656 542 963 133 641 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Casinha à Porta - AL

Nogueiró, 4540-651 Urrô | Telf: 962 308 729 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Chieira Casa de Campo - AL

Chieira, 4540-031 Alvarenga | Telf: 936 267 462 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

NaPureza Nature House - AL

Serabigões, 4540-347 Alvarenga | Telf: 910 649 660 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Praça Guest House - AL

Praça Brandão de Vasconcelos, N° 1,1° Esq. 4540-110 Arouca | Telf: 934 011 718 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Quinta da Laranjeira - AL

Rua de Santo André, 4540-305 Escariz | Telf: 914 239 832 | 914 639 040 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Quinta das Ameixas - Country and Nature

Nogueiró, 4540-651 Urrò | Telf: 962 308 729 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Quinta da Regadas - AL

Quinta das Regadas, 4540-559 Santa Eulália | Telf: 917 465 165 | 912 730 331 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Quinta do Ouriçal - AL

Canelas de Baixo, 4540-251 Canelas | Telf: 938 399 333 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.quintadoourical.com;

Quintas Farm House - AL

Rua dos Bombeiros Voluntários de Arouca, N°3 4540-202 Arouca | Telf: 910 296 327 | 914 468 759 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.quintas-farmhouses.pt;

S. Miguel - AL

Rua Cidade Poligny, N°6, 4540-202 Burgo | Telf: 933 404 552 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Animação turística perto dos Passadiços do Paiva

Abadessa

Praça Brandão Vasconcelos, Lj C | 4540-110 Arouca | Telf: 256 109 346 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Aroucatours

Nogueiró, 4540-651 Urró | Telf: 924 469 360 |  917 576 622 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Charretes - Quinta da Vista Alegre

Rua da Boavista, N°1, 4540-122 Arouca | Telf: 256 098 013 | 935 564 643 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.charretes.pt;

Clube do Paiva

Lugar de Quintela, 4540-044 Alvarenga | Telf: 965 424 146 | 964 018 656 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.clubedopaiva.com;

Geração Dourada

Farrapa, 4540-267 Chave | Telf: 967 343 508 | 916 078 666 | 912 400 067 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.geracaodourada.com;

Just Come

Rua Dr. Simões Júnior, 4540-136 Arouca | Telf: 918 460 295 | 916 965 147 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.justcome.pt;

NaTour Way - Jeep & Walking Tours

Lugar de Além do Ribeiro, 4540-251 Canelas, Arouca | Telf: 913 158 062 | 913600851 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.natourway.com;

Rotas no Paiva

Vila Cova, 4540-348 Espiunca | Telf:912 019 093 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Vertente Norte

Figueiredo, 4540-209 Burgo | Telf: 966 570 168 | 966 263 027 | mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.vertentenorte.pt;

Contactos telefónicos de emergência dos Passadiços do Paiva 

Loja Interativa de Turismo de Arouca

Rua Abel Botelho, N° 4, 4540-114 Arouca | Telf: 256 940 258 |  Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.aroucageopark.pt

Câmara Municipal de Arouca

Praça do Município, 4544-001 Arouca | Telf: 256 940 220 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. Horários: segunda-feira a sexta-feira: 9:00-12:30 14:00-17:30 / sábado, domingo e feriados: 9:30- 13:00 14:00-17:30 | Website: www.cm-arouca.pt;

AGA - Associação Geoparque Arouca

Rua Alfredo Vaz Pinto, 4540-118 Arouca | Telf: 256 940 254 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.aroucageopark.pt | Horário: segunda-feira a sexta-feira: 9:00-12:30 14:00-17:30;

Associação S.O.S. Rio Paiva

Telf: 919 077 772;

Contacto de Emergência dos Passadiços do Paiva

Telf: 968 566 024;

GNR-Posto Territorial de Arouca

Romariz, 4540-222 Burgo | Telf: 256 940 150 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

Proteção Civil de Arouca

Telf: 926 691 874;

SEPNA - Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente

Destacamento Territorial de Oliveira de Azeméis | Rua Francisco Abreu e Sousa, 3720-146 Oliveira de Azeméis | Telf: 256 600 746 | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.;

SOS Ambiente

Telf: 808 200 520;

Bombeiros Voluntários de Arouca

Horário: segunda-feira a sexta-feira: 9:00-12:30 14:00-17:30 | Rua dos Bombeiros Voluntários de Arouca, 4540-130 Arouca | Telf: 256 944 800 (geral) | 256 944 122 (urgências) | Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | Website: www.abvarouca.com;

Centro de Saúde Arouca

Telf: 256 940 330;

Linha Saúde 24 (SNS)

Telf: 808 24 24 24;

Emergência Nacional

Telf: 112;

Centro Coordenador de Transportes de Arouca

Rua D. João 1, 4540-202 Arouca | Telf: 256 944 129;

Praça de Táxis de Arouca

Rua do Mercado, 4540-127 Arouca | Telf: 256 944 424

Outros pontos de interesse perto dos Passadiços do Paiva

Aldeias perto dos Passadiços do Paiva

Aldeia da Espiunca 

"O lugar da Espiunca preserva algumas casas com arquitetura vernacular, onde o xisto e a ardósia são as rochas selecionadas para a sua construção. Um percurso pela aldeia permite observar um edifício, situado junto a uma linha de água, que reúne alguns elementos do moinho de milho e do engenho de linho outrora bastante utilizados pelos habitantes para moagem dos cereais e preparação do linho para fiação, respetivamente.

Este lugar conta com cerca de 30 habitantes, sendo que alguns deles praticam uma agricultura de subsistência que contribui para a manutenção dos campos agrícolas cultivados. Esta localidade dispõe, na margem esquerda do Rio Paiva, de uma área de recreio e lazer, que importa conhecer e usufruir."20

  • Localização: GPS: 40°59'32.38′′N 8°12'55.50"W;
  • Lugar/freguesia: Espiunca, União de Freguesias de Canelas e Espiunca;
  • Distância aos Passadiços do Paiva: 
    • Espiunca - 450 m;
    • Areinho 11,5 km;

Aldeia de Canelas

"Neste lugar, as construções tradicionais e o património edificado, nomeadamente os canastros, palheiros e as eiras reforçam a ligação dos habitantes à agricultura. O espírito de união destas gentes originou a fundação, no ano de 1985, do Rancho Folclórico «As Lavradeiras de Canelas»>, o qual interpreta, desde então, danças e cantares que atestam a sua vivência em comunidade e profunda ligação às práticas agrícolas.

O espírito comunitário está, também, patente nos 2 lavadouros públicos existentes na aldeia e que outrora eram mais, frequentemente, utilizados para lavar as roupas. A Igreja de S. Miguel de Canelas e a Capela de Nossa Senhora dos Anjos são dois lugares destinados ao culto religioso, cujos edifícios pode contemplar."20

  • Localização: GPS: 40°58'23.77′′N 8°12'2.31"W;
  • Lugar/freguesia: Canelas, União de Freguesias de Canelas e Espiunca;
  • Distância aos Passadiços do Paiva:
    • Espiunca - 4,4 km;
    • Areinho - 7,1 km

Aldeia da Paradinha: Paraíso rural com refúgio na natureza  

A Aldeia da Paradinha nasceu em Alvarenga, Arouca, no distrito de Aveiro, entre as serras da Freita e Montemuro. A sua construção vernacular de traça tradicional em xisto e ardósia valeu-lhe a distinção de Aldeia de Portugal. O seu casario em cascata numa encosta montanhosa estende-se até ao Rio Paiva onde nasceu uma aprazível praia fluvial e parque de merendas.

A beleza desta aldeia e seu enquadramento natural podem ser abraçados do miradouro “Mira Paiva”, que lança vistas para o rio serpenteante no fundo do vale, que desemboca nos Passadiços do Paiva a jusante. Esta região há milhões de anos foi um mar pouco profundo e onde subsistem fósseis e vestígios geológicos, para quem souber procurar. Existem muitos pontos de interesse arquitetónicos, geológicos, naturais e gastronómicos, que podem ser apreendidos e que vamos partilhar.

"Classificada como Aldeia de Portugal®, a Paradinha preserva as marcas do quotidiano rural e de antigas tradições agrícolas, formando um quadro rústico peculiar. As casas construídas em xisto e ardósia apresentam-se, cuidadosamente, preservadas pelos seus proprietários. Os trilhos, ladeados por sobreiros (Quercus suber), carvalhos-alvarinhos (Quercus robur) ou amieiros (Alnus glutinosa) que atravessam a aldeia da Paradinha, permitem descer à beira rio e desfrutar da área ribeirinha.

A escassos metros, no sentido jusante, é possível observar a foz do Rio Paivo. Há cerca de 8 décadas haveria, nestas proximidades, uma tasca onde as pessoas, entre elas trabalhadores das minas de Regoufe e de Rio de Frades, paravam para comer e beber."20

  • Localização: GPS: 40°56'8.99"N 8°10'22.60"W;
  • Lugar/freguesia: Paradinha, Alvarenga;
  • Distância aos Passadiços do Paiva:
    • Espiunca - 16,3 km;
    • Areinho-6 km;

Janarde bela vista do Rio Paiva e Icnofósseis de Mourinha

A Aldeia de Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas.

O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado.

"Aldeia de Janarde é circundada por verdes campos agrícolas, onde o Rio Paiva corre na sua base. A partir dela é possível iniciar o percurso pedestre de pequena rota - PR5 e conhecer os geossítios Meandros e Conheiros do Paiva (G19 e G20) onde, na época romana, terá existido uma exploração de ouro aluvionar, ou partir à descoberta dos Icnofósseis de Mourinha (G17) e da Livraria do Paiva (G18).

Nesta área do vale do Paiva pode observar várias espécies animais e vegetais, nomeadamente a águia-de-asa-redonda (Buteo buteo), o lagarto-d'água (Lacerta schreiberi) ou a orvalhinha (Drosera intermedia)."20

  • Localização: 40°55'32.65′′N 8° 8'59.24"W;
  • Lugar/freguesia:  Janarde, União de Freguesias de Covelo de Paivó e Janarde;
  • Distância aos Passadiços do Paiva: Espiunca - 20,5 km Areinho - 20 km;

Meitriz aldeia de xisto com bela praia fluvial no Rio Paiva

A Aldeia de Meitriz em Arouca é uma terra profundamente longínqua, que brotou do fundo do Vale do Rio Paiva e que conserva ainda a sua traça tradicional, recebendo a distinção de Aldeia de Portugal. O rio por ela se enamorou, fazendo-lhe uma vénia ao chegar e oferecendo-lhe uma praia fluvial para se perfumar.

Ela deu-lhe volta à cabeça, ele deu-lhe voltas ao rio, tão recortadas de pasmar, não podendo ficar partiu, dando lágrimas ao lugar. Por estas terras se reconquistou e perdeu território para o Sarraceno, Almançor por aqui atemorizou, mas este povo sempre lutou e como em Moldes igrejas sempre edificou.

"Encaixada no vale do Paiva, a Aldeia de Meitriz, aldeia de Portugal enquadra-se na paisagem de maneira harmoniosa. O xisto e a ardósia são as rochas típicas utilizadas na construção das casas, dos canastros ou dos socalcos agrícolas. A ruralidade está patente não apenas nas construções, mas também nas tradições gastronómicas como a confeção da tradicional broa de milho e dos enchidos de porco.

O Rio Paiva separa esta aldeia, sendo que o lugar situado na margem esquerda é designado de Meitriz e o existente na margem direita como Meitriz d'Além. Se hoje a passagem entre estes dois lugares é facilitada por uma ponte, há cerca de duas décadas a travessia era bem mais morosa, pois era efetuada com recurso a uma barca. A utilização desta embarcação servia para transportar pessoas, bens e animais e implicava um pagamento em géneros ou monetário pelos utilitários."20

  • Localização: GPS: 40°55'22.49′′N 8° 7'43.35"W; 
  • Lugar/freguesia: Meitriz, União de Freguesias de Covelo de Paivó e Janarde;
  • Distância aos Passadiços do Paiva:
    • Espiunca-17,8 km;
    • Areinho-16,3 km;

Vale do Paiva 

Rio Paiva: Desbrave as águas bravas mais limpas da Europa

O Rio Paiva brota da Serra da Nave em Moimenta da Beira e deságua no Rio Douro em Castelo de Paiva, junto à Ilha dos Amores e Praia do Castelo. O seu curso tem uma extensão de 110 km e uma área hidrográfica de 77 km2 com 14 562 ha. O mesmo é considerado dos menos poluídos da Europa, sendo por isso muito importante para preservação da fauna e flora e protegido por legislação europeia. O seu curso de água é ainda um dos poucos locais para a desova da truta. O mesmo tem onze afluentes, sendo os principais os rios Frades e Paivô.

Pelo seu caminho visita dez concelhos, duas Aldeias de Portugal, nove praias fluviais, várias áreas de lazer, poços e cascatas de arrebatar. A sua beleza deu vida aos Passadiços do Paiva e pavor a quem o enfrentar do cimo da vertiginosa Ponte 516 Suspensa de Arouca.

Felizmente que as barragens não o subjugaram e permitem manter o seu caráter bravio usado na prática de desportos de aventura. No entanto, há ameaças que o podem matar pela expansão do cultivo de eucaliptos, agricultura, zonas industriais, habitacionais, açudes e proliferação de espécies invasoras, que lançam alertas e fazem temer pelo seu futuro.

G25: Centro de Interpretação Geológica de Canelas e Trilobites

O Centro de Interpretação Geológica de Canelas, fica localizado em Arouca, sendo popularmente conhecida como a "Pedreira do Valério", que é explorada comercialmente e de onde são extraídas ardósias, desde meados do século XX. Neste local que outrora foi um leito marinho com pouca profundidade viveram muitos seres vivos, como as trilobites, que morreram e fossilizaram nos sedimentos do leito arenoso.

Os trabalhos neste local puseram à vista estes fósseis e a visão do seu explorador Manuel Valério, depressa identificou a sua importância, riqueza e lutou pela sua preservação, que culminou com a construção deste museu. Neste artigo conhecemos este homem que nos contou a história deste projeto e lembramos com saudade em virtude de ter partido prematuramente.

"No Centro de Interpretação Geológica de Canelas, Museu das Trilobites pode conhecer um diversificado acervo paleontológico resgatado, ao longo de duas décadas de trabalhos industriais, nas ardósias da Pedreira do Valério, que ocorre nas proximidades. A coleção de fósseis exposta reúne uma fauna de invertebrados fósseis, formados há cerca de 465 milhões de anos, com destaque para algumas espécies de trilobites que, pelo seu gigantismo, são consideradas as maiores do Mundo.

Merece igual destaque a presença de aglomerados invulgares de fósseis não frequentes noutros sítios do Planeta.
A coleção de fósseis patente nesta unidade interpretativa é um dos geossítios de relevância internacional do Arouca Geopark. O Museu das Trilobites é de gestão privada, pelo que se recomenda o agendamento prévio da sua visita."20

  • Localização: GPS: 40°57'45.07′′N 8°12'56.96"W;
  • Lugar/Freguesia: Canelas de Cima, União de Freguesias de Canelas e Espiunca;
  • Distância aos Passadiços do Paiva:
    • Espiunca - 8,6 km;
    • Areinho - 5,5 km;

Geossítio G37 - Icnofósseis de Cabanas Longas

Quem olha para as serras de Arouca está longe de imaginar que há muitos milhares de anos esta zona estava submersa por um mar pouco profundo e há riquezas ocultas por detrás dos penedos. Neste ambiente marinho viveram pequenos seres, como as trilobites, que deixaram o seus rastos sulcados no leito arenoso.

Estas provas do passado foram preservadas no Geossítio G37 - Iconfósseis de Cabanas Longas, localizado perto da Aldeia de Portugal da Paradinha - Alvarenga - Arouca. A abundância destes antigos registos geológicos fez nascer o Arouca Geopark e colocou este concelho como referência internacional para o estudo da evolução da fauna, flora e geologia da terra. Neste artigo vamos descrever as suas características, aspetos técnicos, biodiversidade em redor, pontos de interesse e apresentar as suas fotos mais representativas.

"As pistas muito bem preservadas de Cruziana, que pode observar na superfície rochosa do quartzito, são resultado da atividade de artrópodes, provavelmente de trilobites, que viveram num mar pouco profundo há cerca de 475 milhões de anos. O excelente estado de preservação e a diversidade das pistas existentes conferem a este geossítio relevância internacional.

Na área envolvente ao geossítio é possível observar algumas espécies de fauna e flora características da bacia hidrográfica do Paiva, nomeadamente a maceróvia-pedunculada (Anarrhinum longipedicellatum) e a salamandra- lusitânica (Chioglossa lusitanica)."20

  • Localização: GPS: 40°59'33.00′′N 8°10'24.30"W;
  • Lugar/Freguesia: Cabanas Longas, Alvarenga;
  • Distância aos Passadiços do Paiva:
    • Espiunca - 14,3 km;
    • Areinho - 3 km;

Arouca Geopark

O Arouca Geopark, fica localizado no concelho de Arouca, sendo reconhecido pelo seu excecional património geológico. A sua importância ganhou relevância internacional e projeção com a atribuição da categoria de geoparque pela UNESCO. Neste rico patrimônio destaca-se em particular as trilobites gigantes de Canelas, pedras parideiras da aldeia da Castanheira e icnofósseis do Vale do Paiva. No entanto há no total 41 geossítios com interesse geológico, que podem ser visitados através de três itinerários.

Há 600 milhões de anos existia nesta região um mar pouco profundo onde as estas criaturas viviam. Contudo, há cerca de 1 milhão de anos o mar desceu cerca de 200 metros matando muitas destas espécies, cujos corpos se depositaram no fundo ou à beira mar. Muitos destes fundos marinhos subiram gradualmente e passaram a fazer parte de cadeias montanhosas como as serras atuais de Arouca, deixando muitas provas da sua existência embutidas na paisagem.

Percursos Pedestres

Rota dos Geossítios

"A Rota dos Geossítios é um produto turístico que permite o conhecimento do território a partir de três itinerários: A «Freita, a Serra Encantada»; B «Pelas Minas e recantos desconhecidos do Paiva» e C «Paiva: o Vale Surpreendente». O Itinerário C, localizado no vale do Paiva, permite o conhecimento de 12 geossítios.

A exploração da Rota pode ser realizada autonomamente, com o apoio da publicação «Rota dos Geossítios do Arouca Geopark» e das placas rodoviárias, sinalética direcional e bandeirolas de identificação dos geossítios que a integram. Contudo, se desejar, pode complementar a interpretação desta Rota com o recrutamento de um Guia-Intérprete do Arouca Geopark."20

Itinerário C - Paiva o Vale Surpreendente20

  • Localização: Vale do Paiva;
  • Distância: 26 km;
  • Duração: 1 dia;
  • Modo de deslocação:
    • Viatura (15 km);
    • A pé (11 km);

GR28 - Por Montes e Vales de Arouca

"O percurso pedestre de grande rota (GR28) permite conhecer as entranhas do Arouca Geopark. Granito e xisto são as rochas que irá calcorrear. Se nas áreas montanhosas estão expostas, nas zonas de vale são a base dos solos férteis, onde a população se concentrou em maior número. Este percurso reserva paisagens de rara beleza, geossítios singulares, aldeias tradicionais e uma biodiversidade única. Como complemento, conheça as histórias e os saberes das gentes do território Arouca Geopark."20

Ficha Técnica do GR28 - Por Montes e Vales de Arouca20

  • Localização: GPS: 40°55'39.01"N 8°14'54.34"W;
  • Lugar/freguesia: Arouca, União de Freguesias de Arouca e Burgo;
  • Distância aos Passadiços do Paiva: Espiunca - 17,9 km, Areinho - 18,2 km;
  • Ponto de Partida/Chegada: Museu Municipal de Arouca;
  • Distância: 85 km (circular);
  • Grau de Dificuldade: Médio;
  • Duração: 4 dias; 

PR5 - Livraria do Paiva 

"Este curto percurso pedestre de pequena rota (PR5) permite conhecer a aldeia de Janarde e os seus encantos naturais. Neste lugar recondito, poderá contemplar um vasto património natural, com destaque para os geossítios Icnofósseis de Mourinha (G17), Livraria do Paiva (G18) e Conheiros e Meandros do Paiva (G19 e G20) e para a biodiversidade existente, nomeadamente o medronheiro (Arbutus unedo), o feto-real (Osmunda regalis), o eupatório (Eupatorium cannabium) ou as borboletas cecilia (Pyronia cecilia) e laranja-grande (Argynis paphia)."20

Ficha técnica do PR5 - Livraria do Paiva

  • Localização: GPS: 40°55'32.65′′N 8° 8'59.24"W;
  • Lugar/Freguesia: Janarde, União de Freguesias de Covelo de Paivó e Janarde;
  • Distância aos Passadiços do Paiva:
    • Espiunca - 20,5 km;
    • Areinho - 20 km;
  • Ponto de Partida/Chegada: Janarde (junto à capela) - Mourinha;
  • Distância: 1,5 km (linear);
  • Grau de Dificuldade: Baixo Duração
  • Duração: 30 minutos;

PR10 - Rota dos Aromas

"Durante este percurso pedestre de pequena rota dos Aromas (PR10) é possível conhecer diferentes habitats (campos agrícolas e lameiros, galerias ripícolas, florestas e monoculturas de eucalipto) e inúmeras espécies animais e vegetais características de cada um deles, nomeadamente o pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula), o sanguinho-de-água (Frangula alnus) ou a coruja-do-mato (Strix aluco). Ao passar nas aldeias de Vila Cova, Serabigões, Espiunca e Melres terá oportunidade de conhecer o modo de vida dos habitantes destas aldeias e a sua relação com o meio natural."20

Ficha técnica do PR10 - Rota dos Aromas

  • Localização: PS: 40°58'51.31′′N 8°13'48.10"W;
  • Lugar/Freguesia: Vila Cova, União de Freguesias Canelas e Espiunca;
  • Distância aos Passadiços do Paiva:
    • Espiunca - 4,2 km;
    • Areinho - 14,3 km;
  • Ponto de Partida/Chegada: Vila Cova (Espiunca);
  • Distância: 11 km (circular);
  • Grau de Dificuldade: Médio/Alto;
  • Duração: 4 horas;

Avaliação dos Passadiços do Paiva

Rosa Maria do Ondas da Serra nos Passadiços do Paiva - Arouca

Avaliação positiva dos Passadiços do Paiva

  • Boa integração dos Passadiços do Paiva na natureza;
  • Possibilidade de admirar uma natureza em estado selvagem, bem protegida;
  • Riqueza da fauna e flora;
  • Rio Paiva, um dos últimos rios portugueses de águas bravas com muitos rápidos onde se pratica vários desportos náuticos de aventura;
  • Os Passadiços do Paiva estão Integrados na área do Arouca Geopark;
  • História geológica da terra, com importantes geossítios;
  • Boa gestão dos acessos, para os Passadiços do Paiva não terem excesso de lotação;
  • Boa gestão do espaço envolvente das entradas, com a colocação nas horas de maior afluência, de funcionários camarários para ajudar na organização do trânsito e prestarem informações;
  • Ponte suspensa do Vau;
  • Ponte 516 Suspensa de Arouca;
  • Parques de estacionamento;
  • Boa oferta de alojamento e restauração;

Aspetos a melhorar nos Passadiços do Paiva

  • Pouca informação sobre a natureza, fauna, flora, história gelógica e portuguesa, no percurso;
  • Falta de utilização de meios de multimédia para transmitir a informação referida no ponto anterior durante o percurso, com utilização de som e imagem;
  • Poderia ser criada uma aplicação para telemóvel, para o utilizador ir sendo informado ao longo do percurso o que pode ver e identificar;
  • Falta de guias no percurso;
  • Falta de mais fiscalização, porque já vimos pessoas a cometer ações contrárias às normas de conduta;
  • Rede de telemóvel deficiente;
  • Falta de rede wi-fi;
  • Maus acessos rodoviários ao concelho de Arouca e Passadiços do Paiva;

Galeria de fotos dos Passadiços do Paiva

Caminhe no distrito de Aveiro e pedale de bicicleta pelo norte de Portugal

O distrito de Aveiro tem dezenas de caminhadas e percursos pedestres muito bonitos, na serra, junto do mar, ria e rios, que pode aproveitar para os conhecer. No norte de Portugal há muitas ciclovias, ecovias e ecopistas que se pode percorrer, a caminhar ou de bicicleta, muitas delas por antigas linhas ferroviárias, agora convertidas em pista para as pessoas passearem. 

Créditos e Fontes pesquisadas 

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.

Fotos: Ondas da Serra

1 - passadicosdopaiva.pt
2 - visitarouca.pt/atracoes/passadicos-do-paiva/
3 - cm-arouca.pt/passadicos-do-paiva-eleitos-pela-primeira-vez-melhor-atracao-turistica-da-europa-nos-world-travel-awards/
4 - Arouca Geopark, aroucageopark.pt/

Pesquisas bibliográficas

20 - AGA - Associação Geopark de Arouca. (2019). Guia da Natureza Passadiços do Paiva 

Lida 3106 vezes

Autor

Rosa Maria

Rosa Maria, é Diretora/Editora do Orgão de Comunicação Social, Jornal Online, Ondas da Serra, inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, registo nº 126907 de 16-FEV-2017, com o Cartão de Equiparada a Jornalista n. TE-734 A, cofundadora da marca Ondas da Serra, registada no INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial, processo nº 567314, publicado no Boletim de Propriedade Industrial nº 190/2016, de 30 de Setembro 2016.

Itens relacionados

Conheça a Cascata das Aguieiras das mais belas de Portugal

A Cascata das Aguieiras fica localizada na freguesia de Alvarenga, concelho de Arouca, distrito de Aveiro. Esta queda de água é o geossítio de interesse com a identificação G35 do Arouca Geopark. Esta maravilha geológica destaca-se pelos sucessivos desníveis por onde a água, proveniente da ribeira com o mesmo nome, se precipita e que no conjunto totalizam cerca de 160 metros. A torrente em queda é descarregada na Garganta do Rio Paiva, onde este curso de água adquire um carácter violento e feroz para vencer as encostas estreitas. A sua importância é reforçada pela forma como pode ser observada pelo miradouro integrado nos Passadiços do Paiva ou Ponte Suspensa 516 Arouca. 

Icnofósseis de Cabanas Longas revelam rastos de trilobites

Quem olha para as serras de Arouca está longe de imaginar que há muitos milhares de anos esta zona estava submersa por um mar pouco profundo e há riquezas ocultas por detrás dos penedos. Neste ambiente marinho viveram pequenos seres, como as trilobites, que deixaram o seus rastos sulcados no leito arenoso. Estas provas do passado foram preservadas no Geossítio G37 - Iconfósseis de Cabanas Longas, localizado perto da Aldeia de Portugal da Paradinha - Alvarenga - Arouca. A abundância destes antigos registos geológicos fez nascer o Arouca Geopark e colocou este concelho como referência internacional para o estudo da evolução da fauna, flora e geologia da terra. Neste artigo vamos descrever as suas características, aspetos técnicos, biodiversidade em redor, pontos de interesse e apresentar as suas fotos mais representativas.

Praia Fluvial do Castelo a melhor do Douro e Ilha dos Amores

A Praia Fluvial do Castelo, fica localizada na freguesia de Fornos em Castelo de Paiva, sendo banhada pelas amenas águas do Rio Douro. O Rio Paiva aqui desagua em frente à sua amada Ilha dos Amores, que outrora fortificada defendia cristãos de ataques de muçulmanas gentes e ajudou a fundar a Lusitânia Pátria. O seu enquadramento natural, desportos náuticos e infraestruturas oferecidas fazem dela uma das melhores da região. Este é também um lugar para gente jovem, que atravessa a nado até à ilha e do cimo de temerosos penedos se precipitam como loucos, em saltos vertiginosos, para as tranquilas águas do rio. Durante o verão, aos fins-de-semana há uma grande azáfama de embarcações a motor, por vezes fazendo perigar a segurança dos banhistas. As ondas arremetem para a praia, à passagem dos grandes cruzeiros, com turistas a ver as vistas das arribas do Douro, que acenam alegremente, mas lançando invejosos olhares ao povo que se refresca na praia.