Romaria de Santa Luzia enche Cucujães de fé e devoção Procissão da Romaria de Santa Luzia - Cucujães - Oliveira de Azemeís, 13 dezembro 2023 Ondas da Serra
quarta, 20 dezembro 2023 00:58

Romaria de Santa Luzia enche Cucujães de fé e devoção Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Realiza-se anualmente na Vila de Cucujães, do concelho de Oliveira de Azeméis, no dia 13 de dezembro, a secular romaria da Santa Luzia. Esta celebração religiosa atrai à terra fervorosos crentes nos milagres da Santa que cura as maleitas dos olhos. A igreja acolhe centenas de fiéis para participarem na missa e pagarem as suas promessas através de olhinhos em cera que adquirem na Casa da Irmandade, ou outras partes do corpo conforme a enfermidade. Os pontos altos são a procissão e o leilão de produtos agrícolas e animais de capoeira. Duas tradições estão também associadas a efeméride, uma feira e venda de jeropiga, vinho licoroso que aquece as almas, nestas tardes frias do inverno. Para almoçar, o povo acorre em reboliço à Associação da Casa do Sagrado Coração de Jesus, onde podem provar a saborosa comida caseira de rojões, patanisca, arroz de feijão, broa de milho e vinho, um regalo. Uma festa do povo, que não quer perder as vistas, assim alguns homens da coisa pública tivessem a mesma vontade e não se deixassem cegar pelo brilho do vil metal.

Pode ler esta reportagem na totalidade ou clicar no título abaixo inserido para um assunto específico:

Final da Procissão da Romaria de Santa Luzia, interior da Capela de Santa Luzia em Cucujães - Oliveira de Azeméis, Padre Albino dos Anjos

  1. Romaria da Santa Luzia - Cucujães
  2. Capela de Santa Luzia em Cucujães
  3. Missa e procissão da Santa Luzia em Cucujães
  4. Irmandade da Santa Luzia de Cucujães
  5. Festa da jeropiga na Santa Luzia em Cucujães
  6. Casa da Associação do Sagrado Coração de Jesus
  7. Vila de Cucujães
  8. História e culto a Santa Luzia, protetora dos olhos
  9. Galeria de fotos da Romaria Santa Luzia de Cucujães 

Romaria da Santa Luzia - Cucujães

Romaria da Santa Luzia - Cucujães - Oliveira de Azemeís

A fé dos fieis da Santa Luzia de Cucujães

Já muitas pessoas tentaram responder à pergunta de como medir o grau de fé do povo. A resposta fica também ligada ao facto do perguntador professar ou não uma religião. No dia 13 de dezembro fomos até Cucujães, onde se celebra a Santa Luzia, padroeira desta vila. Ao contrário de outras romarias de Oliveira de Azeméis que já foram grandes e hoje são pequenas, esta ainda mantém o seu culto vivo.

Descrição da Romaria de Santa Luzia de Cucujães

Romaria da Santa Luzia - Cucujães - Oliveira de Azemeís

"Na Festa em honra de Santa Luzia um grande número de peregrinos e forasteiros desloca-se a Cucujães ao lugar e capela com o mesmo nome. Padroeira daqueles que têm problemas de visão, esta festa inicia-se com a procissão onde a Banda Filarmónica Cucujanense marca presença.

Uma das atrações desta festa é a típica jeropiga que se pode comprar numa pequena feira onde a gastronomia também está presente, com carnes fumadas, a regueifa doce e outros doces tradicionais."4

Ficha técnica da Romaria de Santa Luzia

Andor da Santa Luzia, na procissão em Cucujães - Oliveira de Azeméis

  1. Nome da Santa: Santa Luzia;
  2. Celebração: 13 de dezembro;
  3. Local da romaria: Vila de Cucujães - Oliveira de Azeméis;
  4. Coordenadas GPS: 40°52'21.6"N 8°30'45.9"W
  5. Origem da Santa: Santa Luzia nasceu em Siracusa, na Itália, no fim do século III;
  6. Proteção aos devotos da Santa: Santa Luzia, protetora dos olhos;
  7. Outras tradições: Tradicionalmente nesta romaria vende-se jeropiga e durante a tarde realiza-se um leilão junto à capela onde podem ser comprados legumes e animais oferecidos à Santa Luzia;
  8. Procissão:
    • 3 andores: Santa Luzia,  São João Batista e São Pedro;
    • 5 bandeiras: Santa Luzia, Senhora da Conceição, Senhora do Rosário, Santo António e Mártir São Sebastião;
    • 3 Irmandades: Senhora do RosárioSantíssimo Sacramento e Santa Luzia;
  9. Programa da Festa da Santa Luzia de Cucujães 2023
    • 7:00h - Eucaristia, celebrada pelo Padre Albino dos Anjos, da Sociedade Missionária de Cucujães;
    • 9:00h - Eucaristia, celebrada pelo Padre Albino dos Anjos, da Sociedade Missionária de Cucujães;
    • 11:00h - Eucaristia seguida de procissão. A eucaristia foi presidida/celebrada pelo Padre Artur Bastos, tendo a homilia/sermão sido efetuada pelo Padre Albino dos Anjos, ambos da da Sociedade Missionária Boa Nova de Cucujães;
    • 14:00h - Durante a tarde a partir das 14:00 é realizado o leilão de olhos vivos;
    • Durante a tarde: feira tradicional 
  10. Local: Santa Luzia - Cucujães;
  11. GPS: 40.873.103 -8.511.143;
  12. Contactos:
    • Junta de Freguesia de Cucujães, Telefone: 256 890 210Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Capela de Santa Luzia em Cucujães

Capela de Santa Luzia de Cucujães cheia de fiéis

Romaria da Santa Luzia - Cucujães - Oliveira de Azemeís

Ficamos agradavelmente surpreendidos pelas ruas cheias de romeiros e uma capela a abarrotar pelas costuras de gente que se aglomeravam para assistir à celebração. A romaria não tem grande cartaz, figurões da música ligeira, bandas filarmónicas, majorettes, fanfarras ou cavalos da guarda abrir a procissão. As ruas também não tinham grandes ornamentações, só umas fracas bandeiras esvoaçam tristonhas ao vento ou chuva que por vezes teimava em dar um ar da sua graça.

Por aqui se vê que o povo é grande devoto da Santa Luzia que cura males da vista, num Portugal onde muitos homens da coisa pública deveriam também vir a esta terra para curarem o seu olhar, que só pensa nos seus interesses e vil metal.

As ruas estavam apinhadas de vendedores de roscas doces, castanhas assadas, frutos secos, fumeiro regional de Lamego, farturas, ferramentas, roupas, comes e bebes.

História da Capela de Santa Luzia - Cucujães

"A construção da primitiva Capela de Santa Luzia remonta, provavelmente, a uma época próxima ao século XII. Foi reconstruída em 1921. Esta Capela é a mais abastada da freguesia e a que atrai maior número de peregrinos e forasteiros, especialmente no dia de Santa Luzia a 13 de Dezembro. Em bom estado de conservação, a Capela de Santa Luzia é regularmente alvo de obras de requalificação e restauro."1

Painéis de azulejos da Capela de Santa Luzia

Painel de azulejos, Martírio de Santa Luzia, na parede exterior da Capela de Santa Luzia - Cucujães

As fachadas da Capela de Cucujães estão cobertas por painéis de azulejos que retratam a vida da Santa Luzia, onde se destacam o "Martírio de Santa Luzia", "Defesa perante o Governador Grego". No edifício da Irmandade onde se vendem as oferendas para pagar as promessas também se pode encontrar um painel menor com a imagem da Santa Luzia.

Missa e procissão da Santa Luzia em Cucujães

Descrição da Missa da Santa Luzia em Cucujães

Padre Albino dos Anjos, encerra a missão e procissão da Romaria da Santa Luzia em Cucujães - Oliveira de Azeméis

A eucaristia das 11h00, foi presidida/celebrada pelo Padre Artur Bastos, da Paróquia de São Martinho de Cucujães, tendo a homilia/sermão sido efetuada pelo Padre Albino dos Anjos, ambos da da Sociedade Missionária Boa Nova de Cucujães. Nas três missas em honra desta Santa, realizadas pela manhã, às 07h00, 09h00 e às 11h00, comungaram cerca de duas mil pessoas. A capela permite que assistam à missa cerca de 600 pessoas.

Descrição da Procissão da Santa Luzia em Cucujães

Procissão da Santa Luzia em Cucujães. Padre Artur Bastos, em primeiro plano. Por debaixo do pálio o Padre Albino dos Anjos, transporta a relíquia

No final da missa foi realizada a procissão de Santa Luzia, com a presença dos padres acima referidos, irmãos das três irmandades, três andores, cinco bandeiras, entidades religiosas, políticas e policiais. No final da procissão centenas de pessoas acompanharam a mesma no maior silêncio. 

Relíquia e pálio da Procissão da Santa Luzia em Cucujães

Procissão da Santa Luzia em Cucujães. Por debaixo do pálio o Padre Albino dos Anjos, transporta a relíquia

O Padre Albino dos Anjos, transportado a relíquia debaixo do pálio, segurado por quatro homens. As três irmandades desta vila também participaram na procissão, Senhora do Rosário, Santíssimo Sacramento e Santa Luzia, com cerca de 50 irmãos. 

Andor do São Pedro transportado por Motards do Joker Grupo Motard de Cucujães

Procissão da Santa Luzia em Cucujães, andor do São Pedro transportado por motards do Joker Grupo Motard de Cucujães

A procissão era composta por três andores, Santa Luzia,  São João Batista e São Pedro. O andor do São Pedro foi pela primeira vez transportado por elementos da Joker Grupo Motard de Cucujães. 

A procissão teve cinco bandeiras: Santa Luzia, Senhora da Conceição, Senhora do Rosário, Santo António e Mártir São Sebastião. Esta cerimónia não teve o acompanhamento de uma banda filarmónica. No entanto, o silêncio e o respeito aumentaram o seu valor. Aconteceram porém alguns imprevistos, em virtude da ameaça da chuva, os comerciantes cobriram as ruas com os seus toldos, obrigando as pessoas que transportavam os andores e bandeiras a baixarem com dificuldade os seus Santos e Bandeiras, para passar.

Procissão da Santa Luzia em Cucujães

Os comerciantes ajudavam subindo com paus os tecidos impermeáveis, um destes cheio de água atingiu com toda a força uma senhora que mais molhada não podia ter ficado e se foi logo embora tristonha. Uma conclusão se pode tirar ou foi azar ou batismo forçado foi algo para ela se lembrar de melhorar ou penitência de algum pecado.

Galeria da procissão da Santa Luzia em Cucujães

Irmandade da Santa Luzia de Cucujães

Casa da Irmandade da Santa Luzia de Cucujães

Casa da Irmandade da Santa Luzia de Cucujães

Na Casa da Irmandade da Santa Luzia de Cucujães vende-se velas e partes do corpo em cera, onde se destacam os olhinhos, para os fiéis pagarem as suas promessas.

Casa da Irmandade da Santa Luzia de Cucujães, olhinhos em cera para os crentes pagarem as promessas

Um familiar nosso necessita de uma pequena intervenção aos olhos, que aparentemente não sendo nada de grave, levou-nos a pedir a proteção da Santa Luzia e ofertamo-lhe olhinhos de cera. Nós temos fé e o máximo respeito por todas as religiões e achamos que o ser humano que não acredita em nada tem menos ferramentas para o seu crescimento interior.

Nesta casa também se vendem outros artigos religiosos e guardam-se animais e vegetais que durante a tarde desse dia são vendidos num tradicional leilão.

Santuário da Santa Luzia em Cucujães

Santuário da Santa Luzia em Cucujães

Os crentes que se deslocaram à romaria da Santa Luzia em Cucujães, pagavam as suas promessas oferecendo à Santa várias objetos em cera, onde se destacam os olhinhos, depositados junto da mesma no interior da capela. As velas eram acesas e colocadas arder no exterior num local próprio para este efeito.

Festa da jeropiga na Santa Luzia em Cucujães

Descrição da Festa da jeropiga na Santa Luzia em Cucujães

Venda da jeropiga na Romaria da Santa Luzia em Cucujães

Esta romaria da Santa Luzia é também conhecida pela venda de jeropiga, que é um vinho doce licoroso, de fabrico caseiro ou industrial. Nós encontramos um vendedor já nosso conhecido e como não podia deixar de ser provamos esta bebida umas poucas vezes para ter a certeza que era boa.

Ficha técnica da jeropiga

  • "Descrição: Vinho doce com teor alcoólico elevado dada a adição da aguardente;
  • Delimitação da área geográfica industrial de produção: Trás-os-Montes;
  • Ingredientes utilizados: Duas partes de vinho mosto, uma parte de aguardente de bagaço e canela em pau;
  • Modo de preparação: Para uma talha de barro vidrado ou de barro preto deitam-se o mosto, a aguardente e uns pauzinhos de canela. Mexe-se e deixa-se ficar 4 a 5 dias, embora passadas 24 horas o líquido já se apresente “clarificado” (límpido). Conserva-se na talha ou transvaza-se para garrafas ou garrafões de vidro;
  • Disponibilidade do produto ao longo do ano: São Martinho;
  • Representatividade na alimentação local: É a bebida obrigatória nos magustos de castanhas e a companhia ideal para qualquer bolinho e para aquecer os frios e longos serões de inverno. Com as proporções indicadas, e que recriam a jeropiga que se faz em Trás-os-Montes, na versão de Valpaços, obtém-se uma jeropiga forte. Os Beirões, que também a fazem, reduzem a percentagem de aguardente.
  • Fonte: "Festas e Comeres do Povo Português – Volume I"; Maria de Lourdes Modesto, Afonso Praça e Nuno Calvet; Verbo; 1999"3 

Casa da Associação do Sagrado Coração de Jesus

Casa da Associação do Sagrado Coração de Jesus, Rosa Maria do Ondas da Serra e a Senhora Maria do Carmo

Apresentação da Associação da Casa do Sagrado Coração de Jesus

A Senhora Maria do Carmo, fundou em 2010, em conjunto com o marido José Neves, a Associação Casa do Sagrado Coração de Jesus, em Cucujães. Esta senhora que transparece bondade e luz no coração descreve-se como uma pessoa que sempre gostou de servir os outros. Por esta razão tiveram a ideia de abrirem esta casa para receberem pessoas que estão sozinhas, necessitadas e desamparadas. Durante os tempos difíceis quando Portugal pediu ajuda externa esta casa chegou a servir setenta sopas e igual número de pães. 

Casa da Associação do Sagrado Coração de Jesus, Senhora Maria do Carmo

A casa abre as portas às pessoas dois dias por semana, terça e quinta. Nestes encontros as pessoas conversam e partilham as tristezas e alegrias das suas vidas. Os homens por vezes jogam cartas e as senhoras fazem rendas. Nestes encontros também há lugar para a oração em conjunto. No final há um bom lanche que a associação oferece gratuitamente. Por vezes as pessoas vêm tristes e saem mais alegres. Pontualmente também fazem passeios.

Casa da Associação do Sagrado Coração de Jesus, almoços servidos no dia da Romaria da Santa Luzia - Cucujães

Desde a fundação desta associação que no dia da romaria da Santa Luzia que abrem as portas para darem almoços aos romeiros de modo a conseguirem algum dinheiro para a associação, que tem apenas três associados, “Embora tenha muitas despesas o Sagrado Coração de Jesus tudo província”.

A casa onde funciona esta associação pertence à junta de freguesia de Cucujães. Antigamente funcionaram aqui os correios e durante muitos anos esteve abandonada. Foi deste modo que ela e o marido, pai do escultor José Neves, tiveram a inspiração de criar esta casa.

Artesanato da Associação da Associação da Casa do Sagrado Coração de Jesus

Rosa Maria do Ondas da Serra e Dorinda Pereira de Sousa, durante o almoço na Casa da Associação do Sagrado Coração de Jesus - Cucujães

Uma das senhoras que estava a ajudar a servir os almoços era a Dorinda Pereira de Sousa, de Santiago de Riba Ul, que nos disse fazer de tudo um pouco para ajudar esta associação. A mesma faz também artesanato, que estava exposto numa pequena bancada, na rua junto à entrada desta casa, para vender e ajudar esta causa. O mesmo é feito com inspiração na padroeira local e onde se destacam tecidos bordados, e rendas aplicadas em panos, toalhas e almofadas.

Almoço na Associação da Casa do Sagrado Coração de Jesus

O nosso almoço foi feito na Associação Casa do Sagrado Coração de Jesus. O que falta em espaço sobeja em calor humano e vontade de bem serviço. O povo que tem boa vista para onde é bem acolhido e servido, fazia fila à espera por comer a deliciosa comida caseira. Num painel afixado na parede a oração do "Pai Nosso", relembra aquilo que deve ser um guia para a vida dos católicos. Nós comemos bem pertinho do "Menino Jesus" e outras figuras religiosas afixadas ou pousadas ao fundo da sala. Um ser humano sem fé terá porventura mais dificuldades em viver, porque quando estiver sozinho e ninguém lhe puder valer, não vai poder invocar o Senhor para vir em seu auxílio, conforme manda o "Salmo do Bom Pastor". 

Já fizemos um pouco pela nossa missão e tentamos nunca esperar nada em troca, no entanto temos que equilibrar as nossas puras intenções porque temos contas e despesas para pagar. Neste local sem ninguém nos conhecer recebemos muito sem já termos dado algo em troca, o que traduz realmente um dos ensinamentos de Jesus Cristo. É sempre bom encontrar pessoas que estão mais elevadas que nós e nos inspiram a melhorar.

Ementa da Associação Casa do Sagrado Coração de Jesus:

  • Almoço: Sopa de Legumes;
  • Pratos: Rojões c/Arroz de Feijão ou batata a murro;
  • Sandes: Rojões, bifanas e pataniscas em pada;
  • Bebidas: Vinho ao copo, sumos, águas e café;
  • Sobremesas: Fatias de Bolos e Rabanadas;

Localização: Rua da Misericórdia de Cucujães, n. 14 - Cucujães

Vila de Cucujães

História da Vila de Cucujães

"A vila de Cucujães é a segunda maior freguesia do Município de Oliveira de Azeméis, em termos de população.

Importante centro cultural e histórico, Cucujães, do latim "cucullianis", ou seja, elevação de terreno, montão, recorda o mosteiro beneditino ali fundado pelo guerreiro da reconquista, D. Egas Odoriz, nos finais do século XI, e coutado por D. Afonso Henriques, em 7 de Julho de 1139, na véspera da batalha de Ourique.

A história de Cucujães é uma autêntica jóia para os investigadores do passado.

Região fértil e de condições privilegiadas, esta freguesia atraiu desde cedo povos das mais remotas culturas, conforme testemunham diversos vestígios das épocas pré e proto-históricas, tais como, mós, uma ponta de lança de pedra polida, machados de pedra e de bronze, uma ponta de flecha de cobre, entre outros. Supõe-se que entre os habitantes primitivos estariam também os Turdulos ou Turdetanos que habitaram a região onde se poderá incluir Cucujães.

Mais tarde vieram os romanos e com eles o topónimo actual, que provém do canto do cuco (em latim “Cuculus”); e depois, os suevos, os visigodos e os árabes.

Em 7 de Julho de 1139, o couto de Cucujães, instituído por D. Afonso Henriques, foi doado ao Mosteiro Beneditino da mesma terra, nas vésperas da famosa Batalha de Campo de Ourique, nas pessoas de D. Martinho e de D. Egas Odoriz.

O autor de "Portugal Antigo e Moderno", Pinho Leal, refere que Cucujães era antigamente da comarca de Esgueira, termo da Feira, tendo passado para a Feira quando se criou esta comarca, e finalmente para Oliveira de Azeméis. Refere ainda que “(...) esta freguesia é no vasto território denominado, desde o tempo dos godos, Terras de Santa Maria ou Terra da Feira. Tinha os grandes privilégios dos outros moradores deste território, sendo um dos principais, nos tempos antigos, terem os cavaleiros para todos os efeitos, for de “infanções”; e os peões, foro de cavaleiros.”

Cucujães foi elevada a vila em 11 de Junho de 1927, sendo actualmente um importante pólo industrial e comercial.

Como monumentos e lugares dignos de visita oferece-nos, entre outros, o claustro do Mosteiro, com as suas colunas dóricas, do século XVII e campas epigrafadas de alguns frades ilustres; a sacristia da Igreja Matriz; a Ponte da Pica (Imóvel de Interesse Público), construída no século XIV, sobre o rio Ul, por onde passava a via romana que ligava Lisboa a Braga; as Capelas de Santa Luzia, Nossa Senhora da Conceição, Santo António; as Casas Solarengas do Buraco, da Gandarinha, do Visconde de Carregoso, Andersen, do Mato; as Quintas do Picoto, da D. Beatriz Brás, do Sol, do Barreiro, da Família Macedo, do Seminário, do Abade Arede; os Palacetes Alves dos Reis e Pinto Leite; o Miradouro do Alto de Rebordões, de onde se avista o mar; a Vila Brandão, o Asilo da Gandarinha e a Misericórdia, estruturas que albergam instituições e obras sociais importantes.

A nível do artesanato, são famosas as sacas de tiras da Vila de Cucujães. Estas são confeccionadas com tiras de feltro entrelaçadas numa forma de madeira, com a ajuda de um pica-pontas. São colocadas talas, ou seja, ripas de madeira com asas de arame, e remata-se com um apara de feltro. A matéria-prima é obtida numa fábrica de chapéus.

As ferramentas mais utilizadas são o pica-pontas, martelo, pregos, tesoura, agulhas e raspador para cortas as tiras."1 

História e culto a Santa Luzia, protetora dos olhos

Origens da Santa Luzia

Santa Luzia, painel de azulejos na Casa da Irmandade em Cucujães

"Santa Luzia nasceu em Siracusa, na Itália, no fim do século III. Conta-se que pertencia a uma família italiana rica, que lhe deu ótima formação cristã, a ponto de ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe, chamada Eutícia, a queria casada com um jovem de distinta família, porém, pagão."2

Romaria da Santa Luzia

"Ao pedir um tempo para o discernimento e tendo a mãe gravemente enferma, Santa Luzia inspiradamente propôs à mãe que fossem em romaria ao túmulo da mártir Santa Águeda, em Catânia. Pela cura da grave doença seria a confirmação do “não” para o casamento."2

Milagre de Santa Luzia

"Milagrosamente, foi o que ocorreu logo com a chegada das romeiras. Assim, Santa Luzia voltou para Siracusa com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimentos pelos quais passaria, assim como Santa Águeda. “Adoro a um só Deus verdadeiro, e a Ele prometi amor e fidelidade” (Santa Luzia)"2

Perseguição de Santa Luzia

Painel de azulejos, Defesa perante o Governador Grego, na parede exterior da Capela de Santa Luzia - Cucujães

"Santa Luzia vendeu tudo, deu aos pobres, e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Não querendo oferecer sacrifício aos falsos deuses nem quebrar o seu santo voto, ela teve que enfrentar as autoridades perseguidoras. Quis o prefeito da cidade, Pascásio, levar à desonra a virgem cristã, mas não houve força humana que a pudesse arrastar."2

Páscoa e Santa Luzia

"Firme como um monte de granito, várias juntas de bois não foram capazes de a levar (Santa Luzia é, muitas vezes, representada com os sobreditos bois). As chamas do fogo também se mostravam impotentes diante dela, até que, por fim, a espada acabou com vida tão preciosa. A decapitação de Santa Luzia se deu no dia 13 dezembro de 304."2

Olhos de Santa Luzia

"Conta-se que, antes de sua morte, teriam arrancado os seus olhos, fato ou não, Santa Luzia é reconhecida pela vida que levou até as últimas consequências, pois assim testemunhou diante dos acusadores: “Adoro a um só Deus verdadeiro, e a Ele prometi amor e fidelidade”.
Santa Luzia: a Portadora da Luz."2

Nome da Santa Luzia

"O nome de Santa Luzia deriva do latim e significa: Portadora da luz. Ela é invocada pelos fiéis como a protetora dos olhos, que são a “janela da alma”, canal de luz."2

Oração da Santa Luzia

"Ó, Santa Luzia, que preferistes deixar que, os vossos olhos fossem vazados e arrancados, antes de negar a fé e conspurcar vossa alma; e Deus, com um milagre extraordinário, vos devolveu outros dois olhos sãos e perfeitos, para recompensar vossa virtude e vossa fé, e vos constituiu protetora contra as doenças dos olhos, eu recorro a vós para que protejais minhas vistas e cureis a doença dos meus olhos.

Ó, Santa Luzia, conservai a luz dos meus olhos para que eu possa ver as belezas da criação. Conservai também os olhos de minha alma, a fé, pela qual posso conhecer o meu Deus, compreender os seus ensinamentos, reconhecer o seu amor para comigo e nunca errar o caminho que me conduzirá onde vós, Santa Luzia, vos encontrais, em companhia dos anjos e santuário. Santa Luzia, protegei meus olhos e conservai minha fé. Amém."2

Minha oração a Santa Luzia

Te pedimos a proteção dos nossos olhos contra todo mal e doença, assim como uma visão purificada para enxergar a Deus em tudo e todos. Que nossa visão vá além do material e alcance o espiritual, percebendo que é tão real e presente nas nossas vidas. Amém.2 

Galeria de fotos da Santa Luzia de Cucujães

Créditos e Fontes pesquisadas 

Texto: Ondas da Serra, com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.

Fotos: Ondas da Serra, com exceção das que estão referenciadas

1 - cm-oaz.pt
2 - santo.cancaonova.com/santo/santa-luzia-protetora-dos-olhos/
3 - tradicional.dgadr.gov.pt/pt/cat/bebidas-espirituosas/outras-categorias-de-bebidas-espirituosas/1032-jeropiga
4 - portoenorte.pt

Lida 674 vezes

Autor

Rosa Maria

Rosa Maria, é Diretora/Editora do Orgão de Comunicação Social, Jornal Online, Ondas da Serra, inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, registo nº 126907 de 16-FEV-2017, com o Cartão de Equiparada a Jornalista n. TE-734 A, cofundadora da marca Ondas da Serra, registada no INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial, processo nº 567314, publicado no Boletim de Propriedade Industrial nº 190/2016, de 30 de Setembro 2016.

Itens relacionados

Passadiços do Rio Caima com belas margens clamando atenção

O Rio Caima pula como uma criança pela Serra da Freita abaixo, brincando por montes e vales desde Albergaria da Serra em Arouca até à foz no Rio Vouga. Ao chegar à Frecha da Mizarela lança-se incauto no abismo, mas vai ganhando carácter com o crescimento ao passar por terras de Vale de Cambra e Oliveira de Azeméis. Em Ossela é já um confiante e belo jovem por cujas damas se enamoram. Para o agradar, Palmaz em 2011 ofereceu-lhe nas suas margens uns passadiços, muito aclamados pelo povo. Este é um local agradável para caminhar pelos recônditos trilhos, rodeados de frondosa vegetação, escutando a sinfonia dos pássaros, sussurro das águas e zumbidos das abelhas. Contudo passado mais de uma década desde a sua requalificação o espaço carece de atenção e de obras de manutenção, para relançar todas as suas potencialidades e recolocar o velho rio no seu usurpado trono.

Ul Aldeia de Portugal e Pão de UL em Oliveira de Azeméis

A aldeia de Ul em Oliveira de Azeméis, integra o projeto “Aldeias de Portugal”, ficando enclausurada num município com grande pujança industrial e que vai mantendo a sua ruralidade, mas resistindo com dificuldades ao progresso desmesurado. No vale por onde passam os Rios Ul e Antuã, ainda subsiste uma pequena mancha de florestal autóctone, rodeado por indústria. Nós vamos visitando o Parque Temático Molinológico, ao longo do tempo, provando o seu afamado Pão de UL e regueifa doce, passeando nas margens do Rio Ul, que continua poluído e a lançar cheiros pestilentos. Neste artigo vamos conhecer a sua história, pontos de interesse, património natural e arquitetónico, um vídeo da confeção do seu pão e uma associação de defesa destes valores.

Povo de Vilarinho de São Luís preserva as suas tradições

O Ondas da serra viajou até à aldeia de Vilarinho de São Luís – Palmaz – Oliveira de Azeméis, para percorrer o PR1, rota dos Espigueiros. Depois de termos viajado por umas estradas maltratadas, abriu-se à nossa frente um bonito vale, com a aldeia em cascata sobranceira à planície por onde sussurrava um rio. Desde logo constatamos que ali o som era diferente e o tempo alongava-se na eternidade dos momentos. O latir dos cães e o canto dos garnisés suavam mais límpidos e com outra sonoridade.