Fernando Pinto – Artista Ovarense Pescador de Cortegaça | OVAR
quinta, 07 setembro 2017 03:35

Fernando Pinto – Artista Ovarense

Classifique este item
(6 votos)

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu em Ovar no dia 28 de junho de 1970. Jornalista profissional (licenciado em Jornalismo pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), ama as ARTES e as LETRAS. "Vareiro de gema" (como costuma afirmar), é fotógrafo e realizador de curtas-metragens de ficção (expõe regularmente o seu trabalho fotográfico e participa em festivais de Cinema e Vídeo), escreve poesia, contos e argumentos; a pintura a óleo e a acrílico é outra das suas paixões. Vejam, na GALERIA, algumas fotografias de Fernando Pinto, colaborador do "ONDAS DA SERRA".

Fernando Manuel Oliveira Pinto | jornalista e artista

 

FRUTOS DO OLHAR Texto sobre Fernando Pinto, da autoria do poeta e antropólogo Luís Filipe Maçarico

«Qual semeador, pacientemente, Fernando Manuel Oliveira Pinto vai guardando o efémero instante da vaporosa transmutação das paisagens, no território onde nasceu… O barco sobre a ria entardece, frente à margem pintada pelas tonalidades da hora mágica.
Fotógrafo magistral, Fernando Pinto perscruta o êxtase, onde a Natureza mergulha, enquanto o crepúsculo tinge de oiro o chão. A nostalgia inspirada pela memória, as telas vivas com a Arte Xávega dos pescadores do Furadouro, a silhueta das embarcações, a celebração dos gestos ancestrais das gentes vareiras, mourejando entre os canais e o oceano, em todos os momentos da vida identitária, Fernando inscreve a poesia do silêncio, a sintonia dos rumores, a claridade dos rostos, o elixir da cor, a pegada do voo mais criativo. 
O olhar do fotógrafo-poeta vai colhendo formosos frutos que a sensibilidade propicia. Património único de terra, gentes e bichos. Ao longo dos anos, Fernando Pinto tem exposto a sua Arte, com o deslumbre de quem abriga no coração, uma ave livre e nos dedos, a frágil flor da existência.
Fernando Pinto alia à busca da perfeição técnica, a emoção envolvente, que não permite a indiferença, de quem redescobre o quotidiano, através destes ditosos tesouros, sublimes FRUTOS DO OLHAR. Nascem da peregrinação humana, estas dádivas, perseguindo a Música dos lugares e das almas.

Bem Hajas, Fernando Pinto, por esta luminosa partilha!»

TEXTO: Luís Filipe Maçarico / Lisboa - FOTOS: Fernando Manuel Oliveira Pinto | E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Galeria de fotos

 

 

Visite estes sítios de Fernando Manuel Oliveira Pinto

POEMAS DO AUTOR https://poemasfernandopinto.blogspot.pt/ | INSTAGRAM https://www.instagram.com/fernandomanueloliveirapinto/

OLHAR OVARENSE https://olharovarense.blogspot.pt/ | FOTOBLOGUE https://fernandopintofotografia.blogspot.pt/

Lida 1140 vezes Modificado em quinta, 28 janeiro 2021 17:19

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Aprenda como se ensinava no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Vida de inseto | Rota dos três rios

Muitas vezes na vida andamos e não caminhamos, vemos e não observamos e ouvimos sem escutar. Gostamos das caminhadas na natureza porque elas nos oferecem a possibilidade se estivermos atentos de observar as pequenas vidas dos insetos, conhecer novas plantas ou ver pegadas de animais.

Construção de moliceiros-Tudo o que você sempre quis saber

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares, onde o machado com arte devastava o pinho para fazer nascer moliceiros, sendo estes artífices conhecidos por "Mestres do Machado".