segunda, 28 agosto 2017 01:00

Ondas na Ria – Passeio de bicicleta e de bateira

Classifique este item
(2 votos)

Como tínhamos informado os nossos leitores, realizou-se na manhã de 26 de agosto o primeiro passeio de bicicleta promovido pelo ONDAS DA SERRA, o "Ondas na Ria", que deu a conhecer aos participantes alguns recantos bucólicos da Ria de Aveiro.

Ondas na Ria – Passeio de bicicleta e de bateira

Durante o percurso fomos "obrigados" a parar em Pardilhó para saborearmos as deliciosas amoras silvestres que estavam à nossa espera na berma da estrada. Algumas eram enormes (Ver GALERIA). De barriga cheia e cheios de pedalada fomos ouvindo algumas "estórias" pelo caminho, contadas pelos moradores. Uma senhora pedalou alguns metros ao nosso lado e, ao saber que tínhamos andado às amoras, contou-nos que o filho um dia estava aflito e, no meio de uma festa, foi ao mato tratar do seu problema fisiológico. Como não tinha papel à mão, pegou numa das meias e... "Olhem, desenrascou-se como pôde! Aqui tem muito milho, se, de repente, também ficarem aflitos", disse a senhora, de sorriso estampado no rosto. Soltaram-se algumas gargalhadas sonoras. Estava dado o mote para um passeio inolvidável.

O PASSEIO DE BATEIRA NO CAIS DA BOCA DA MARINHA

Fomos até ao cais da Boca da Marinha, onde os ciclistas mais temerários foram presenteados com um inesperado passeio de bateira, graças à gentileza do pescador João Oliveira (João Gato, como é conhecido no Bunheiro, Murtosa), que antes de ir ao robalo, com as suas três canas, aceitou satisfazer o desejo de alguns participantes.

O PASSEIO DE BATEIRA NO CAIS DA BOCA DA MARINHA

O simpático pescador, de 37 anos de idade, disse que trabalhava num matadouro de frangos e que só ao fim de semana é que pega na sua bateira para matar saudades da sua Ria: "É preciso ter força nos braços para impulsionar a bateira com a vara, como eu estou a fazer", adiantou João Gato ao ONDAS DA SERRA, à medida que se afastava da margem em direção à Ponte da Varela, onde costuma pescar. Já apanhou alguns sustos por lá, mas, como leva uma boia, está mais descansado.

Neste cais à moda antiga podemos ver os restos de uma bateira. Segundo nos informou João Gato, a embarcação submersa pertencia a um lavrador chamado Domingos, que a usava para andar ao junco, que depois servia para fazer as camas do gado no curral.

images/ovar/colecaoFotos/5-ondas_na_ria1/cais_boca_marinha_foto_fernando_pinto01.jpg

Depois de deixar os inesperados "passageiros" na segurança do cais, o pescador João Gato tirou a camisola (na foto) e saiu dali a "voar" para não perder a maré, demonstrando ser Mestre na arte de navegar com a vara."É um homem de bom coração, não tornou as coisas complicadas", disseram alguns ciclistas, depois de terem presenciado aquele momento digno de figurar numa cena de um filme italiano. Enquanto navegámos pela Veneza de Portugal, o nosso simpático "gondoleiro" foi desfiando alguns episódios da sua vida. Gente boa, a da nossa Ria, não nos cansamos de dizer.

O "LAVADOURO DA IGREJA", A MOTORIZADA E OS ANIMAIS NO CAMPO

O potro a mamar - Pardilhó

No Bunheiro visitámos também o "Lavadouro da Igreja" (ver GALERIA), que se encontra muito degradado e a necessitar de uma boa limpeza. Em relação à historia deste monumento, conforme se pode ler numa placa (também ela a precisar de trato), não se sabe o ano em que foi construída, mas as suas águas são provenientes da fonte de S. Gonçalo, o que poderá ser uma pista para a sua datação. Uma curiosidade: as mulheres que ali iam lavar a sua roupa, ou das freguesas, tinham que estar com os pés na água.

Para retemperarmos forças, achamos por bem fazer alguma despesa num café daquela localidade. Ali fomos encontrar um senhor montado numa antiga motorizada “EFS”, daquelas que, para trabalhar, temos de colocar a chave da ignição no farolim dianteiro. "Uma verdadeira peça de Museu!", disse a malta das bicicletas, soltando novas e sonoras gargalhadas. Até os locais que se encontravam na esplanada sorriram. Reinava a boa disposição em terras murtoseiras. Partimos, depois, na direção da Capela de São Simão, onde ficámos a par de alguns dos segredos deste templo.

Enquanto pedalávamos, sempre de bem com a vida, íamos avistando alguns animais do campo: um potro a mamar, vacas que nos olhavam com indiferença (talvez por já estarem habituadas à passagem dos ciclistas na ciclovia), dois burros lindíssimos, sem preconceitos (um branco, muito dócil e simpático, e um negro muito senhor de si, um pouco nervoso e agitado com a presença dos forasteiros).

Os restantes episódios vividos pelos ciclistas nessa manhã de agosto ficarão certamente guardados na memória daqueles que tiveram coragem de sair bem cedo de suas casas. Para aqueles que não puderam ir e quiserem viver experiências idênticas a esta, o ONDAS DA SERRA está a pensar organizar brevemente mais uma "viagem na nossa terra". Enquanto aguarda por esse dia, aprecie as fotos que lhe oferecemos. Não têm som, mas possuem o perfume inebriante desta nossa região ribeirinha.

Galeria de fotos

Lida 633 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Ecopista Póvoa do Varzim-Famalicão novo desafio aliciante

No dia 10 de julho de 2021, o ramal ferroviário que liga Póvoa do Varzim a Vila Nova de Famalicão voltou a expelir fuligem e a resfolgar de vapor, não das antigas locomotivas, mas da nova vida que ganhou. Encerrado ao tráfego em 1995, regressou da reforma para se ver transfigurado numa atrativa ecopista, por onde passam graúdos e miúdos, a caminhar ou a correr, montados em bicicleta de todos os tamanhos e feitios, empurrando carrinhos de bebé, uns mais lentos outros mais rápidos, mas todos cheios de vida e com vontade de ver as bonitas vistas sem comprarem bilhete.

Aprenda como se ensinava no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Vereda do pastor percurso pedestre oculto da Serra da Freita

Pelo percurso pedestre do PR3 – Vereda do Pastor - Arões - Vale de Cambra, o Ondas da Serra foi conhecer as aldeias mais icónicas da encosta sul da Serra da Freita, Covô, Agualva e Lomba. Nesta caminhada ainda passamos por duas povoações já abandonadas de Porqueiras e Berlengas. Este trilho é muito rico em termos arquitetónicos, naturais, fauna e flora, onde podemos apreciar um núcleo composto por 15 canastros ou espigueiros, duas bonitas cascatas, luxuriantes ribeiros e belíssimas paisagens de montanha. Do alto das suas serranias pode-se observar a linha costeira que é coberta ao raiar da aurora e crepúsculo por uma envolvente neblina que é suplantada pela altitude, escondendo as riquezas dos horizontes e fundos dos vales.