quarta, 18 janeiro 2017 20:22

Cinquentenário da revista “REIS”

Classifique este item
(0 votos)

Em 29 de dezembro de 2016, o "À PALAVRA", no Museu de Ovar, ofereceu ao público as 51 capas da revista “Reis”, as letras e melodias da JOC/LOC e os testemunhos dos membros da equipa responsável por esta publicação anual ligada a esta trupe reiseira. Este encontro cultural contou com a presença do vice-presidente da Câmara Municipal, Domingos Silva, do presidente da União de Freguesias, Bruno Oliveira, e de Jorge Castro Ribeiro, da Universidade de Aveiro, coordenador da candidatura do “Cantar os Reis” a Património Imaterial de Portugal.

"É um prazer para o Museu de Ovar receber os membros da revista REIS, as pessoas que iniciaram este percurso que já vai em 50 anos”, disse Manuel Cleto, Diretor do Museu de Ovar, no "À PALAVRA", evento moderado pelo escritor vareiro Carlos Nuno Granja, que deu a conhecer em dezembro último algumas das muitas histórias saídas das páginas desta publicação que veio a lume em 1967 “e que, infelizmente, ainda é pouco conhecida pelos vareiros”, como fez questão de sublinhar o pároco de Ovar, padre Manuel Pires Bastos, autor das letras da JOC/LOC.

João Costa, um dos fundadores da "REIS", explicou como tudo começou: “A Trupe apareceu em 1959, já lá vão quase 60 anos, e a revista oito anos depois. Tivemos a ajuda preciosa de uma senhora que se chamava Maria Amélia Dias Simões, que estava ligada às trupes da terra. A revista surge como uma homenagem que quisemos prestar a essa senhora”, disse o reiseiro.

Capa da revista Reis 2017"É muito interes­sante que as capas do Emerenciano [na foto] sempre nos surpreendem e nos provocam reflexão. Quando vi esta capa tive uma reação que não foi muito agradável, mas, depois, ajudada pela Cristina Reis, que faz parte da equipa coordenadora, comecei realmente a aprofundar", revelou Maria Luísa Resende. Para a antiga professora, autora de muitas letras cantadas pelas tru­pes reiseiras, a capa do cinquente­nário, “com figuras que nos parecem grotescas, têm uma leitura muito sugestiva. Devo dizer que a primeira leitura que eu fiz nos propunha a reflexão de dois temas, o da per­plexidade e a violência dos tempos, e o outro tema o incómodo, a palavra, o grito, face ao que se passa na nossa sociedade e no mundo. O artista configura uma cara grande cuja boca anuncia o número 51 da revista, e esta cara tem um ar menos carregado, menos sombrio. Parece apontar alguma esperança alternativa, que a revista Reis conti­nua a procurar. E ao falar da revista quero declarar-me profundamente grata aos meus colegas de equipa ao longo destes anos”.

Muitas foram as pessoas que ao longo destas cinco décadas participaram na feitura da “Reis”. Atualmente, a equipa é formada por Cristina Reis, Emerenciano, Fer­nando Pinto, João Costa, Joaquim Aurélio, Joaquim Fidalgo, José Pinto, Manuel Catalão, Manuel Pi­res Bastos e Maria Luísa Resende. Para além dos colaboradores da escrita e da imagem, dão o seu contributo Alcino Andrade, Álida Ferreira, António Cardoso, Carlos Sá, Cristina Leal, Lino Marreiros e Teresa Queirós.

Bruno Oliveira, presiden­te da União de Freguesias, parabenizou a revista e o Museu de Ovar, que também está em festa, e virando-se para a mesa onde se encontravam os palestrantes [Carlos Granja, M.ª Luísa Resende, João Costa e M. Pires Bastos, na foto], afirmou: “Já estamos habituados, por oca­sião do Cantar os Reis, a sermos presenteados com esta obra que fala sobre as nossas tradições e os nossos costumes. Continuem com este trabalho magnífico. Podem contar com o nosso apoio”.

Domingos Silva, vice-presi­dente da Câmara Municipal de Ovar, também felicitou o Museu e a equipa da revista, confessando que é leitor da “Reis” há muito tempo, desde que tomou conhecimento da sua existência: “Todos os anos, mal a JOC ia para a rua, eu tentava ver onde é que estava a revista. De facto, é um documento da nossa história local muito importante, história não no sentido do passado, mas também no presente. É importante que nós saiba­mos valorizar aquilo que temos”, referiu o autarca, garantindo que a Câmara Municipal vai encontrar formas para conseguir di­vulgar a revista.

TEXTO e FOTO: Fernando Pinto

 

Lida 467 vezes

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

Demanda pela Ilha dos Amores

A nossa epopeia marítima glorificada pelo nosso poeta mor Luís de Camões, descreve-nos um lugar edílico na “Ilha dos Amores”, Cantos IX e X d'Os Lusíadas. Nestes cantos é revelado a disposição da deusa Vénus em premiar os marítimos portugueses, com um merecido descanso e com prazeres divinos, numa ilha paradisíaca, no meio do oceano, a Ilha dos Amores. Os ventos estavam favoráveis e levou-nos ao encontro desta Ilha em Castelo de Paiva. Localizada em frente ao porto do Castelo, com vista para a Ilha dos Amores, parte um percurso pedestre com o mesmo nome. A sua localizada privilegiada no Rio Douro e junto à foz do Rio Paiva tem uma beleza e encanto especial.

39 Aniversário do Rancho "Os Camponeses da Beira-Ria" - Bunheiro

O rancho folclórico “Os Camponeses da Beira-Ria”, do Bunheiro Murtosa, comemorou no passado domingo o seu trigésimo nono aniversário. A festa era para ser realizada na Casa-Museu Custódio Prato, mas a chuva levou os responsáveis a mudar o local para a sede da Junta de Freguesia.

Trupe de Reis da Sociedade Musical Boa União - 2018

Ondas da Serra esteve no dia de Reis, 6 de janeiro, no café Ideal, com muitas décadas e tradições em Ovar para escutar as troupes convidadas. A quarta a cantar foi a Trupe de Reis da Sociedade Musical Boa União.