Pão de ló de Ovar Pão de Ló de Ovar Ondas da Serra
sexta, 02 setembro 2016 22:32

Pão de ló de Ovar Destaque

Classifique este item
(3 votos)

O Pão de Ló de Ovar é um doce regional tradicional deste concelho, caraterizado por ser confecionado com a gema do ovo e o seu aspeto molhado e aparentemente “malcozido”, que acabam por lhe conferir o seu carácter único representativo da identidade vareira.

Este vídeo foi efetuado para dar a conhecer esta iguaria e teve ajuda da APPO, Associação dos Produtores de Pão de Ló de Ovar, na pessoa do seu Presidente Rui Catalão e Vice-Presidente César Liz. Este trabalho integrou a 6 Edição do Curso de Vídeo Montagem Acaro/Contagiarte - Porto, ministrado pelo Professor João Cruz.

O pão de ló de Ovar é um doce com certificação de identificação geográfica protegida.

Uma IGP é um nome geográfico ou equiparado que designa e identifica um produto originário desse local ou região, que possui uma determinada qualidade, reputação ou outras características que podem ser essencialmente atribuídas à sua origem geográfica e que, em relação ao qual pelo menos uma das fases de produção tem lugar na área geográfica delimitada. Fonte: Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural

O que leva o doce pão de ló de Ovar

A receita pública do pão de ló de Ovar, segundo o Presidente da Associação, Rui Catalão, leva farinha, açúcar, ovos que são batidos, podendo levar ou não sal, sendo cozido em fornos próprios a uma temperatura oscilante entre os cento e oitenta e duzentos e vinte graus, sendo retirado ainda quase cru do interior, acabando de cozer nas suas formas próprias de barro, mas segundo ele “Há uma parte da receita que só os produtores o sabem fazer e isso não se transpõe para nenhum papel, que é o carinho com que se faz o produto, é a dedicação que os produtores põem e o orgulho que têm ao fazer um produto com esta craveira e com esta qualidade.

A história deste doce vareiro à base de gema de ovos

A este respeito contou-nos o vice-presidente da associação, César Liz, que segundo o que foi escrito algures em 1700, século XVIII, Ovar não tinha um convento, mas no interior dum colégio de freiras Doroteias, uma delas teve conhecimento deste doce e ao chegar a casa tentou fazê-lo, saindo um bocado por defeito, por isso é que ele fica húmido, “Algumas pessoas chamam-lhe o malcozido, mas para nós não é malcozido.

Este doce era depois oferecido aos bispos, as pessoas de Ovar levavam-no para os seus chefes fragateiros em Lisboa, sendo considerado um mangar dos deuses, um doce rico, só quem tinha possibilidades é que o comprava, “Hoje em dia já existe muita gente a fazê-lo, mas principalmente a comê-lo”.

O impacto deste doce no comércio e na economia local

O seu presidente fez referência ao impacto que este doce tem no comércio, na economia local e também distrital. O mesmo deu como exemplo o manual de certificação do produto, que obriga a que os ovos gastos no seu fabrico, tenham obrigatoriamente que ser produzidos na área do distrito de Aveiro e num concelho do distrito de Viseu. Esta obrigatoriedade está relacionada com o contributo que o doce dá para a economia do distrito.

O distrito de Aveiro foi durante muitas décadas o principal produtor de milho do país, que chegou a ser 72% do total nacional. Este distrito é por isso um local de produção de ovos de excelente qualidade. Segundo dados de 2014, os produtores deste doce, utilizaram no seu fabrico dezoito milhões e setecentos mil ovos por ano.

As fases principais no fabrico do pão de ló de Ovar

César Liz, explicou-nos duma forma simples as fases principais da produção do doce que passa pela separação das claras, porque 75% é totalmente gema e os outros 25% é que tem a parte completa, por isso há esta separação da gema da clara. Depois são batidas as gemas com açúcar, que demora cerca de quinze minutos, depois é adicionada farinha, são enchidas manualmente as formas com a massa, em formas com miniaturas de cem a cento e vinte gramas, quinhentas e um quilo, no entanto fez questão de referir que são pesos aproximados. A cozedura demora cerca de quinze minutos, consoante o tamanho do doce e tipo de forno. Por último a forma em papel que contém o doce é amarrada e colocada numa caixa personalizada, “O processo completo demora cerca de duas horas e para comer é muito mais depressa”.

O manual de especificações que deve orientar a fabricação do produto

Rui Catalão explicou que há regras que tem que ser cumpridas na sua fabricação, que vão desde o papel que acondiciona o doce, o tipo de barro da forma, o tipo de ovos, o tempo da cozedura, a forma como é batido, apenas o açúcar não carece de tanta especificação.

A relação que o pão de ló tem com o turismo vareiro

Rui Catalão entende que o pão de ló é uma peça básica no turismo, “O pão de ló é o principal ex-líbris da cidade e do município. Ovar é conhecido em todo o mundo, repito em todo o mundo através do seu pão de ló. ”. Ovar também tem outras atrações turísticas, como o carnaval, que por vezes se associa ao doce, como em 2015, em que o rei até tinha o nome dele.

As vantagens que os produtores têm em pertencer à associação

César Liz explicou que os produtores têm todo o interesse em pertencer à associação de produtores, para assim poderem usar a marca do pão de ló de Ovar. Segundo ele a associação não quer prejudicar os produtores, mas sim ajudá-los e defendê-los porque há muita réplica e muita gente de fora de Ovar a fabricá-lo, usando a designação de origem geográfica protegida sem autorização.

As formas que associação criou para divulgar o seu produto

A associação tem oferecido o seu produto em festivais folclóricos, a grupos folclóricos que têm visitado Ovar, em 2016 participaram numa ação da Escola Profissional de Cortegaça, relacionado com um trabalho sobre este doce, participaram na volta a Portugal de 2015, oferecendo este doce a cerca de quatrocentas pessoas de fora de Ovar, compostas por jornalistas nacionais e internacionais, organizadores da volta, ex-grandes ciclistas. Os jornalistas que visitem Ovar são brindados também com este doce.

Quantos associados pertencem à APPO

A associação em 2016 era composta por oito produtores, mas segundo César Liz, qualquer pessoa que que faça pão de ló de Ovar pode juntar-se a ela, desde que esteja devidamente certificada para o fazer, em termos de estabelecimento, higiene e segurança alimentar e que siga o caderno de especificações.

Como deve ser degustado este doce

A este propósito César Liz disse que os gostos não se discutem, mas que pela sua experiência e paladar, gosta de comer pão de ló sozinho, sentindo-o na língua e no palato, sendo a sua passagem nas papilas gustativas o teste que diferencia um bom pão de ló, dum menos bom, não achando ele que em Ovar haja mau pão de ló. Para acompanhar ele recomenda queijo da serra, porque é salgado. Já para beber ele recomenda um bom vinho do porto ou vinho tinto. Também já conheceu pessoas que o gostam de comer, bebendo espumante, mas ele acha que a conjugação ideal para o saborear é um queijo salgado e vinho do porto.   

Contactos da APPO

Casa das Festas
Largo 5 de outubro, 1
3880-062 Ovar

Telefone: 934 396 320
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Vídeo sobre o pão de ló de Ovar

Lida 1123 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

O segredo do fabrico do pão e regueifas de Ul - Parque Temático Molinológico

O Parque Temático Molinológico, fica localizado nas freguesias de UL, Travanca e Loureiro - Oliveira de Azeméis, onde está a ser feita a preservação etnográfica dos antigos ofícios de moleiro e padeiro. O segredo do afamado pão de UL aqui cozido é que não há nenhum milagre ou artes mágicas, mas sim carinho empregue na sua fabricação, usando técnicas ancestrais, com produtos genuínos e fornos onde a alquimia produz ouro destes cereais, unindo os elementos da terra, ar, água e fogo, num produto que remete para as nossas raízes primordiais.

Pão de ló de Ovar | Conheça a sua história e as fases do seu fabrico

O Pão-de-ló de Ovar é um doce com certificação de identificação geográfica protegida, produzido na cidade vareira, do distrito de Aveiro, confecionado à base de gemas de ovo, com um aspeto disforme, que esconde um sabor delicioso, granjeando ao longo do tempo grande fama e sendo atualmente um dos maiores ex-líbris da região.

Casa Alentejana | Aroma e Sabor a Tradição

Por esta vez o ‘Ondas’ deixou a serra e foi ao Litoral. Estivemos em Ovar para conhecermos um local muito particular.

No centro da cidade de Ovar, na praça Largo Família Soares Pinto onde também 'mora' o icónico chafariz Neptuno datado de 1877 é onde se encontra a Casa Alentejana, um estabelecimento onde podemos comprovar a cultura gastronómica da região Alentejana em plena terra de 'Vareiros'!