1,5 Milhões de Visitantes nos Monumentos e Museus do Norte

Classifique este item
(0 votos)

O número de visitantes nos monumentos e museus sob alçada da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) registou, durante o ano de 2016, uma subida de aproximadamente 82% em relação ao ano anterior. Um crescimento expressivo que acompanha a tendência verificada a nível nacional e que reflete o esforço de promoção e divulgação que tem vindo a ser desenvolvido pela DRCN.

O conjunto de monumentos e museus recebeu um total aproximado de 1,5 milhões de visitantes, destacando-se o Castelo de Guimarães e o Paço dos Duques que registaram um total de 261.917 mil e 487.733 mil visitantes, respetivamente.

Salienta-se o facto de o novo sistema de bilhética do Castelo de Guimarães ter entrado em funcionamento apenas no mês de julho 2016, pelo que se estima que o número total de visitantes possa ser ainda mais elevado.

O Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães, continua a destacar-se como o espaço museológico tutelado pela DRCN que mais visitantes atrai, tendo registado um crescimento de 61,7% no número de entradas durante o ano 2016. Refira-se que também o número de visitantes estrangeiros tem vindo a aumentar e, só no ano transato, representou 68,7% do total de acessos ao Paço dos Duques.

Com subida do número de visitantes igualmente expressiva encontra-se o Museu de Alberto Sampaio, também em Guimarães, que, em 2016, totalizou 88.751 entradas, representando um acréscimo de 20,9% em comparação com o período homólogo. Importa referir que, nos últimos 4 anos, o Museu de Alberto Sampaio tem vindo a registar subidas significativas na afluência de públicos, tendo mais do que duplicado o número de visitantes entre 2013 e 2016 (passou de 42.280 em 2013, para 88.751 entradas em 2016, o que representa uma subida de 109,9%).

O conjunto de sete museus tutelados pela Direção Regional de Cultura do Norte registou uma subida de 36,7% no número de entradas, salientando-se ainda, para além dos já referidos Paço dos Duques e Museu de Alberto Sampaio, os aumentos de visitantes no Museu dos Biscainhos, em Braga (12,8%), e do Museu da Terra de Miranda, em Miranda do Douro (14,6%).

Para António Ponte, Diretor Regional de Cultura do Norte, o bom desempenho registado por parte dos museus e monumentos no que respeita à afluência de público resulta de “um esforço conjunto que tem vindo a ser desenvolvido pela Direção Regional de Cultura do Norte, em articulação com os diretores dos respetivos museus e responsáveis pela gestão dos monumentos, bem como dos agentes e autarquias locais”, apostados em dinamizar as localidades nortenhas.

Ciente da importância do dinamismo cultural para as economias locais, não só do ponto de vista turístico e civilizacional, mas também no que respeita ao incremento da atividade na restauração e alojamento, a DRCN tem vindo a promover uma série de atividades e iniciativas de promoção e divulgação dos seus museus e monumentos.

Por outro lado, salienta o Diretor Regional de Cultura do Norte, têm sido desenvolvidos “vários projetos de conservação e restauro do património edificado, visando assegurar a preservação e valorização dos edifícios, sempre com o objetivo de os devolver às comunidades a que pertencem”.

São testemunho das várias atividades e projetos, a Rota das Catedrais no Norte ou o espaço Património a Norte (localizado no Mosteiro da Serra do Pilar, em Gaia), cujo objetivo é “incrementar o aumento do número de visitantes através da recuperação e salvaguarda do património, mas também da abertura de novos canais de informação e divulgação fundamentais para atrair novos visitantes”, refere António Ponte.

A Direção Regional de Cultura do Norte desenvolve a sua atividade num território geográfico com características únicas e onde, por exemplo, existem quatro locais classificados como Património Mundial pela UNESCO: o Centro Histórico do Porto, o Centro Histórico de Guimarães, o Alto Douro Vinhateiro e o Sítio de Arte Rupestre Pré-Histórica do Vale do Côa.

Esta diferença de paisagem cria movimentos culturais muito significativos e cativa, de igual modo, públicos muito heterogéneos que a DRCN espera continuar a seduzir.

Lida 255 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Igreja Paroquial de São Mamede de Guisande

Nas nossas voltas pelo distrito de Aveiro, fomos até Guisande em Santa Maria da Feira, onde descobrimos a sua bonita Igreja Paroquial em honra de São Mamede e Capela de Nossa Senhora da Boa Fortuna.

Terras de Paço de Mato, Viadal, Vilar e Gatão

O Ondas voltou à Vale de Cambra para continuar a descobrir as suas bonitas aldeias ou reencontrar alguns amigos e começar o percurso onde antes tínhamos terminado, Paço de Mato.

Percursos pedestres em Aveiro

O nosso magnifico distrito possui dezenas de trilhos onde podemos observar a natureza, pássaros, insetos, flores, árvores e escutar um silêncio que dificilmente encontramos no meio urbano. Por vezes durante as caminhadas poderá cruzar-se com os habitantes desses locais, lembrem-se que um cumprimento e um sorriso não custam nada e fazem muito bem. Nós temos falado com pastores, pescadores, idosos e feirantes que sempre nós ensinam algo e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.

Faça Login para postar comentários
Pub