segunda, 12 dezembro 2016 15:30

Gastronomia Arouquense

Classifique este item
(0 votos)

À mesa é sempre uma excelente maneira de terminar uma visita a Arouca. A vitela e o cabrito assado são os dois pratos típicos do Município. A carne confeccionada vem dos animais criados, sem recurso a rações, no Maciço da Gralheira, o segredo da excelência do seu sabor.

A gastronomia de Arouca

A posta arouquesa, os medalhões de vitela ou a costeletas de vitela grelhada são outras sugestões gastronómicas. A acompanhar a refeição um vinho verde desta região vitivinícola. Este roteiro pelos sabores de Arouca não estaria terminado sem uma referência à rica doçaria conventual e regional de Arouca. Diz quem sabe que Arouca tem a mais fina e requintada doçaria conventual do País, legado do seu Mosteiro. As castanhas doces, as morcelas, as roscas e charutos de amêndoa, as barrigas de freira, o manjar ou a bola de S. Bernardo são uma doce tentação. A provar também é o pão-de-ló, em fatia ou em bola, os melindes, as cavacas e as pedras parideiras. Tente-se!

Fonte: Câmara Municipal de Arouca

A Raça Arouquesa

"A Raça Arouquesa (vitela, novilho, vaca e boi) cuja carne tem a Denominação de Origem Protegida e certificada desde de 1998. Esta raça faz parte de uma região delimitada. Produz-se nos concelhos de Cinfães, Castro Daire, São Pedro do Sul, Arouca, Vale de Cambra, e Castelo de Paiva a sul do rio Douro, e a norte do rio os concelhos de Baião, Amarante e Marco de Canaveses. Os animais desta raça são criados em liberdade e alimentam-se nas pastagens das encostas serranas caraterizando a sua carne por tenra e um sabor único.

Relativamente ao aspeto dos animais da raça arouquesa, estes caraterizam-se por uma estatura e corpulência média e uma pelagem que oscila entre o claro- palha até à cor castanha. Os modos de confeção desta carne são variados como vitela assada, posta arouquesa, costela arouquesa, bife de alvarenga, entre outros. É difícil resistir a qualquer prato. O cabrito assado da Gralheira é outro prato típico da região.

A doçaria conventual

A doçaria conventual de Arouca é muito vasta e deliciosa. Os segredos de confeção da doçaria permanecem desde o tempo em que as freiras habitavam o Convento, temos as castanhas doces, o manjar de língua, as barrigas de freira, as roscas e charutos de amêndoa, as morcelas doces e a bola de S. Bernardo. Ainda existe a doçaria regional como o pão-de-ló, cavacas e melindres, também estes doces maravilhosos (CM Arouca, S.D.). Comer e chorar por mais!!!

O Vinho Verde de Arouca

O Vinho Verde, em Arouca é bastante consumido, visto que o concelho vizinho de Castelo de Paiva é um grande produtor na região. Este vinho tem um grande valor económico, cultural e turístico. É um vinho de excelente qualidade e único na região noroeste de Portugal. As  suas caraterísticas são ímpares e devem ser degustadas e apreciadas pelos visitantes. Carateriza-se por um vinho com um baixo teor alcoólico, pouco calórico, mas é um vinho frutado, fácil de beber. Enquadra-se perfeitamente como aperitivo, refeições leves tal como: saladas, peixes, mariscos, carnes brancas, tapas, sushi, sashimi entre outros pratos internacionais (Comissão Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, S.D.).

As caraterísticas mencionadas apenas são possíveis graças às caraterísticas do solo, clima e à rede fluvial. Mas também as castas autóctones da região são únicas e as formas de cultivo contribuem para o sucesso e distinção do vinho em todo o mundo.

A junção da gastronomia arouquesa com o Vinho Verde dá um toque especial à refeição, nomeadamente no acompanhamento dos doces típicos de Arouca."

Fonte: Silva, M. F. O turismo aventura no Rio Paiva e o turismo rural em Arouca (Teses de Mestrado). Disponível na RIA - repositório Institucional da Universidade de Aveiro. (Uhttp://hdl.handle.net/10773/12393)

Lida 699 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

O segredo do fabrico do pão e regueifas de Ul - Parque Temático Molinológico

O Parque Temático Molinológico, fica localizado nas freguesias de UL, Travanca e Loureiro - Oliveira de Azeméis, onde está a ser feita a preservação etnográfica dos antigos ofícios de moleiro e padeiro. O segredo do afamado pão de UL aqui cozido é que não há nenhum milagre ou artes mágicas, mas sim carinho empregue na sua fabricação, usando técnicas ancestrais, com produtos genuínos e fornos onde a alquimia produz ouro destes cereais, unindo os elementos da terra, ar, água e fogo, num produto que remete para as nossas raízes primordiais.

Pão de ló de Ovar | Conheça a sua história e as fases do seu fabrico

O Pão-de-ló de Ovar é um doce com certificação de identificação geográfica protegida, produzido na cidade vareira, do distrito de Aveiro, confecionado à base de gemas de ovo, com um aspeto disforme, que esconde um sabor delicioso, granjeando ao longo do tempo grande fama e sendo atualmente um dos maiores ex-líbris da região.

Casa Alentejana | Aroma e Sabor a Tradição

Por esta vez o ‘Ondas’ deixou a serra e foi ao Litoral. Estivemos em Ovar para conhecermos um local muito particular.

No centro da cidade de Ovar, na praça Largo Família Soares Pinto onde também 'mora' o icónico chafariz Neptuno datado de 1877 é onde se encontra a Casa Alentejana, um estabelecimento onde podemos comprovar a cultura gastronómica da região Alentejana em plena terra de 'Vareiros'!