Praia Fluvial da Paradinha paraíso escondido no Rio Paiva Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca Ondas da Serra
terça, 01 agosto 2023 00:09

Praia Fluvial da Paradinha paraíso escondido no Rio Paiva

Classifique este item
(5 votos)

A Praia Fluvial da Paradinha, nasceu junto da Aldeia de Portugal da Paradinha, perto de Alvarenga. No fundo do vale corre o invicto Rio Paiva, que por vezes serpenteia vertiginosamente e arremete desgovernado contra os penedos e seixos das margens. Este é o maior rio que banha as terras de Arouca e ajudou a nascer recônditas e misteriosas praias fluviais de águas amenas e natureza sublime. Esta praia tão bela é mais extensa do que larga e permite nadar, mergulhar e contemplar uma natureza ameaçada e que sustenta outros seres, que como nós têm direito à vida. Neste artigo vamos saber pormenores da sua localização, ficha técnica, infraestruturas de apoio, como chegar, outros pontos de interesse, avaliação e apresentar fotos da sua pessoa.

Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca

Aldeia da Paradinha e Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca

Pode ler esta reportagem na totalidade ou clicar no título abaixo inserido para um assunto específico:

Descrição da Praia Fluvial da Paradinha

No fundo da encosta da pequena Aldeia de Portugal da Paradinha, construída com o xisto e ardósia das montanhas em redor, no Vale do Rio Paiva, nasceu a Praia Fluvial da Paradinha, no Rio Paiva, o maior rio que banha as terras de Arouca. Aqui neste ambiente tranquilo pode descansar, nadar, mergulhar, meditar, passear ou merendar. Nas horas em que não pode ir ao rio pode fazer birdwatching ou passear pelas peculiares ruas da aldeia.

Esta praia fica localizada perto da ponte de Alvarenga e Praia Fluvial do Areinho, onde começam os Passadiços do Paiva, que passam junto da Ponte 516 Arouca, que já ostentou o título de maior do mundo.

Esta praia destaca-se pelo seu comprimento e possui vários metros de profundidade o que permite nadar em toda a sua extensão e dar mergulhos em alguns locais, com a devida cautela e pesquisa exploratória. As suas águas têm uma temperatura agradável e a corrente com exceção de alguns pontos é fraca. Contudo nós como somos bons nadadores usamos os canais mais rápidos para nos deixarmos levar e por vezes lutar contra a corrente, como por vezes fazemos na vida de modo irrefletido. O rio Paiva que lhe dá alma é um dos menos poluídos da Europa e um dos últimos rios portuguese de águas livres, onde podem ser praticados desportos radicais.

As melhores horas para frequentar a Praia Fluvial da Paradinha para poder tomar banho, com os raios solares espelhados nas águas, começam a meio da manhã e vão até ao meio da tarde, altura em que as sombras negras começam avançar pelo espaço e a convidá-lo a ir-se embora, porque os grossos mares se vão levantar. Ao contrário da frente marítima, aqui o vento que corre é quente e acaricia a sua pele de um modo que até parece que o quer seduzir, por isso é apropriada para os casais apaixonados.

Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca

A praia tem muitos seixos, algumas áreas de areia grossa, relva e vegetação dispersa, que pode ser aproveitada para montar o seu espaço. Nós por causa de cama tão agreste gostamos de levar colchões de ar para fazer umas sonecas idílicas, nas sombras amigas, com agradável brisa, balançados pelo marulhar da água, mas que são interrompidas pelas incómodas moscas, que se forem das gigantes das vacas, mordem agressivamente, não se pode ter tudo. Por causa destas picadas de insetos, que por vezes acontecem, descobrimos uma boa e eficaz utilização para o álcool gel, que sempre nos acompanha desde a pandemia.

Ali perto existe o Parque de Merendas da Associação dos Amigos da Paradinha, muito arborizado, com mesas em madeira e uma churrasqueira, com duas grelhas, que pode não chegar para as encomendas. Neste local pode fazer o seu lanche, piquenique ou preparar os seus alimentos.

Nós gostamos de apreciar o comportamento de alguns dos banhistas desta praia, que parecem por vezes desarticulados da natureza, por estarem hospedados no conforto sublime do empreendimento turístico ali ao lado, que apesar de abundar a água no rio ainda fizeram uma piscina, se calhar para evitar a trabalheira de terem de caminhar. Para simplificar a vida destas ilustres gentes fizeram também um caminho reservado para a praia fluvial, que se calhar vontade não faltava para a fechar ao comum Zé Povinho. Estes genuínos amantes da natureza por serem demasiados citadinos, pouco dados a chatices e mais voltados para o mundo hi-tech, aparecem fugazmente na praia, para olhar de soslaio as extravagâncias naturais. Que bom seria ali estar o Eça de Queiroz ou o Barbosa du Bocage para pintar estes personagens nos seus romances de pasmar. 

Este local está a ser beneficiado com obras, estando já concluídas as das ruas de acesso e parque de estacionamento, mas faltando acabar a dos balneários e casas de banho.

Se visitar a Praia Fluvial da Paradinha, respeite este local e agradeça por ser um privilegiado por ter entrado nesta divina natureza, enquanto o rio ainda correr livremente.

Ficha técnica da Praia Fluvial da Paradinha

Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca

  • Classificação: Praias, Zonas Fluviais e Aldeias Tradicionais;
  • Temáticas: Crianças, família, e fotográfia;
  • Morada: Lugar da Paradinha, 4540-063 Alvarenga, Arouca;
  • Localidade: Paradinha, Freguesia de Alvarenga, concelho de Arouca e distrito de Aveiro;
  • Coordenadas GPS: 40.935257, -8.172486;
  • Temperatura da água de verão: Muito boa;
  • Infraestruturas de apoio:
    • Parque de merendas arborizado, com mesas em madeira, numa zona sombreada;
    • Uma churrasqueiras com duas grelhas;
    • Balneários (em remodelação);
    • Bar (em remodelação);
    • Casas de banho (em remodelação);
    • Parque de estacionamento;
  • Vigilância: Praia sem vigilância contínua;
  • Zona de banhos: Uma zona oficial, junto ao parque de merendas arborizado. Praia com cerca de 200 m de cumprimentos e cerca de 20/30 m de largura;
  • Telefone de emergência: +351 927 916 886.
  • Geossítios:
    • G37 - Icnofósseis de Cabanas Longas - Alvarenga;
    • G38 Miradouro Mira Paiva - Paradinha; 

Localização e como chegar à Praia Fluvial da Paradinha

A Praia Fluvial da Paradinha fica localizada no lugar da Paradinha, 4540-063 Alvarenga, concelho de Arouca, a cerca de 45/50 km do Porto e sensivelmente a mesma distância da sede do distrito em Aveiro. Para chegar à Praia Fluvial da Paradinha, poderá tomar como ponto de referência o início dos Passadiços do Paiva, perto da Ponte 516 Arouca. Depois de passar a Ponte de Alvarenga, a estrada sobe alguns quilómetros até aparecer uma placa a informar para virar à direita para esta praia. Pelo caminho irá encontrar dois geossítios, G37 - Icnofósseis de Cabanas Longas e G38 Miradouro Mira Paiva, este último já com uma visão panorâmica sobre a aldeia de praia fluvial.    

Mapa da Praia Fluvial da Paradinha

Mapa da Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca

Geossítio G37 - Icnofósseis de Cabanas Longas - Paradinha

Localizado na estrada de acesso à aldeia de xisto da Paradinha, a 347 m de altitude, o G37 Icnofósseis de Cabanas Longas - Alvarenga, fica localizado do lado esquerdo. Para aceder ao local terá que subir umas escadas em madeira e um passadiço metálico até à rocha na escarpa da serra.

"A presente área incluiu uma série de afloramentos quartzíticos sub-verticalizados localizados nas proximidades de Cabanas Longas (Alvarenga). Estas superfícies rochosas, praticamente verticais, correspondem à face inferior dos estratos quartzíticos onde é possível observar uma quantidade significativa de pistas muito bem preservadas de Cruziana, resultantes da atividade de artrópodes que viveram num mar pouco profundo há cerca de 475 milhões de anos (Arenigiano, Ordovícico Inferior).

Geossítio G37 - Icnofósseis de Cabanas Longas - Paradinha

Neste sentido, a partir da plataforma de observação dos icnofósseis observa-se uma grande superfície quartzítica repleta de sulcos bilobulados, que correspondem a moldes em relevo inverso das pistas originais escavadas, muito provavelmente, pelas trilobites.

Neste geossítio em particular observam-se duas gerações de pistas, marcadas principalmente por trilhos de C. furcifera e C. rugosa, que se intersetam num ângulo com cerca de 110 graus. De realçar a presença de pistas de C. rugosa muito largas, uma com 21 e outra com 23 centímetros, e ainda uma outra com um comprimento que ultrapassa um metro, dimensões pouco usuais para este tipo de icnofósseis. O excelente estado de preservação que apresentam estas pistas conferem ao geossítio relevância internacional."5

Geossítio G38 - Miradouro Mira Paiva - Paradinha

Geossítio G38 - Miradouro Mira Paiva - Paradinha

geossítio G38 Miradouro Mira Paiva - Paradinha, fica localizado estrada de acesso, um pouco antes da descida para a aldeia de xisto da Paradinha, do lado direito, a 280 m de altitude e onde é possível ter uma vista panorâmica sobre o Vale do Paiva, Aldeia de Portugal da Paradinha, Praia Fluvial da Paradinha e empreendimento turístico, em cimento, que muitos defendem deveria ser coberto do mesmo material da aldeia, xisto e lousa.

"Este geossítio inclui o ponto panorâmico de Mira Paiva e toda a área abrangente até à margem direita do rio Paiva. Deste local, de elevado valor paisagístico, é possível observar o vale do Paiva, a aldeia de xisto da Paradinha, classificada como Aldeia de Portugal®. O rio abraça de forma convexa a zona de recreio e lazer anexa a esta aldeia. Com efeito a corrente é mais forte na margem côncava, erodindo-a mais do que a margem convexa, onde deposita parte da sua carga sólida. Por este motivo, observam-se na margem convexa (e, neste caso, na margem direita) uma área fluvial formada, em grande parte, por calhaus soltos, de origem diversa mas boleados pelo rio, que por si só contam a história geológica da região. É também possível observar a jusante a foz do rio Paivô, que drena uma parte significativa da área sudoeste do Arouca Geopark.

Este miradouro é, ainda, privilegiado para a observação dos desportos de aventura no rio Paiva, em particular do percurso de águas bravas que se estende de Meitriz até ao Areinho, considerado de grau de dificuldade baixo (nível I/II, numa escala de I a VI).

É, igualmente, reconhecido ao sítio de Mira Paiva valor do ponto de vista paleontológico tendo sido, no ano de 2010, realizado trabalho de campo que permitiu recolher inúmeros fósseis vegetais, em rochas do Carbónico, comprovando a complexidade da Bacia Carbonífera do Douro."4

Aldeia de Portugal da Paradinhal - Alvarenga - Arouca

Aldeia de Portugal da Paradinhal - Alvarenga - Arouca

"Paradinha é uma aldeia remota, situada na freguesia de Alvarenga, distante da confusão das cidades. Fica num pequeno vale, junto ao rio Paiva, o rio menos poluído de Portugal e um dos menos poluídos da Europa. Atualmente não se encontra aqui nenhum residente. As pessoas que aqui viveram e que se dedicavam ao cultivo das terras, da criação do gado arouquês, à pastorícia e à produção de mel e fabrico de cera partiram há já muito, em busca de melhores condições de vida.

A aldeia ficou deserta e, por essa razão, tornou-se disponível para reconstrução. Por isso, várias pessoas têm comprado as casas, com o intuito de terem um lugar tranquilo para passarem uns dias de lazer e, também, para devolverem à aldeia as tradições, os usos e os costumes. A reconstrução exterior das casas tem vindo a respeitar a traça antiga e os materiais originais: xisto, madeira e lousa. No entanto, o interior encontra-se já com o conforto e caraterísticas dos nossos dias. Os acessos rodoviários são bons, as ruelas estão calcetadas, há eletricidade, água, esgotos e telefones. Algumas das casas estão disponíveis para alojamento local. Confortáveis, não falta nada. Atualmente também pode usufruir do complexo turístico Syntony Hotels – Paradinha Village.

As casas de xisto e ardósia criam um cenário mágico.  Ao fundo, o sussurrar das águas cristalinas do Rio Paiva. Logo pela manhã, o chilrear dos passarinhos. As eiras, os espigueiros, os fornos e as adegas ganham nova vida. À entrada da aldeia, ergue-se uma capela, em honra de Nossa Senhora da Saúde, cuja festa se realiza em agosto. Uma boa altura para visitar esta aldeia. Também em agosto, a música acompanha o deslizar das águas no concerto «Sons da Água» que junta aqui centenas de pessoas. É o renascer da Paradinha, uma aldeia a não perder!"6

Perto da praia fluvial existe uma pequena escadaria que permite aceder à aldeia da Paradinha, que ganhou o titulo de Aldeia de Portugal. As suas casas em xisto, cobertas de lousa, são muito bonitas e muitas delas foram convertidas para alojamento local. Espalhados pelas suas ruas pode ser apreciado a Arte na Paisagem, como "As Ninfas do Paiva", do artista José Emídio, pintadas sobre placas de xisto.

Aldeia de Portugal da Paradinhal - Alvarenga - Arouca

"Depois de serpentear pela montanha, a curva apertada deixa, à esquerda, o pequeno cruzeiro. Um pouco à frente, a pequena capela parece vigiar a aldeia, que a vista começa a encaixar, ao subir da montanha. As casas de xisto e ardósia dão ao cenário a magia que faltava, com o marulhar das águas do Paiva ao fundo. O caminho de acesso à aldeia aparece à direita, e é como se, de repente, voltássemos atrás no tempo. A Paradinha adota-nos, como se ali vivêssemos desde sempre. Voltam a ganhar vida as eiras, os canastros, os fornos e as adegas. Voltam a ganhar vida as casas. E todos os anos, em agosto, a música associa-se ao correr do rio, no concerto «Sons da Água». A Paradinha é «Aldeia de Portugal. A Paradinha vive."7

"O xisto e a ardósia dominam o casario de Paradinha, uma aldeia da freguesia de Alvarenga, em Arouca, nascida na montanha e a ela encostada. O rio Paiva e a paisagem natural de montanha criam um enquadramento especial a esta pequena aldeia que é um recanto de outro tempo para descobrir.

Durante a viagem, comece por se embrenhar na magnífica vista enquanto envereda por uma estrada antiga pontuada de curvas e contracurvas. Para começar a visita, pode subir ao miradouro “Mira Paiva”, um ponto panorâmico sobre toda a área abrangente até ao rio Paiva, na sua margem direita. A partir deste local, desfrute de uma panorâmica ampla, de onde pode observar a aldeia da Paradinha, com o seu casario de xisto e ardósia, os pequenos campos de cultivo em socalcos e a praia fluvial.

Aldeia de Portugal da Paradinhal - Alvarenga - Arouca

Depois desça à povoação. Além das casas tradicionais, aqui encontra muitas marcas das antigas tradições e quotidiano do local, como mós, moinhos, carros de bois, arados e outros utensílios ligados à agricultura, mas também eiras, canastros, espigueiros, fornos, adegas, lareiras e lagares de azeite que faziam parte do quotidiano de outros tempos. Já a paisagem auditiva é marcada pelo correr constante das águas do rio Paiva, música tranquila para os ouvidos de quem percorre a aldeia. O som já encantou muitas pessoas que, em agosto, têm ocorrido ao concerto “Sons da Água”, que tem lugar a praia fluvial. O rio Paiva, além de conferir colorido e frescura ao local, é também palco para a prática de diversos desportos radicais. Não perca a oportunidade de caminhar pelos trilhos e apreciar as cores da natureza na diversidade de vegetação que a aldeia abraça, tornando-a um local de rara beleza.

A tradição cultiva-se em tarefas ligadas à produção de diversos produtos típicos, como azeite, mel e velas, além da tecelagem do linho e das redes. Os trabalhos anuais combinam com as atividades tradicionais da aldeia que se desdobram pela sementeira, desfolhada, vindimas, matança do porco e pesca. Uma altura festiva para visitar Paradinha é durante a festa em honra da sua padroeira, a Senhora da Saúde, que acontece em agosto, e que, por um dia, enche a aldeia e a sua pequena capela."8

Infraestruturas de apoio da Praia Fluvial da Paradinha

Parque de mrerendas da Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca

  • Uma churrasqueiras com duas grelhas;
  • Balneários (em remodelação);
  • Bar (em remodelação);
  • Casas de banho (em remodelação);
  • Parque de estacionamento;
  • Parque de merendas arborizado, com mesas em madeira, numa zona sombreada;

Rio Paiva um dos menos poluídos da Europa

Rio Paiva - Paradinha - Alvarenga - Arouca

O Rio Paiva é o maior curso de água que banha Arouca, passando pelos Passadiços do Paiva e desaguando no Rio Douro, junto à Praia do Castelo e Ilha dos Amores, em Castelo de Paiva, para onde vamos também sempre com grande entusiasmo.

“O rio Paiva situa-se no centro-norte de Portugal continental e está incluído em território da Rede Natura 2000, correspondendo ao Sítio de Interesse Comunitário (SIC) Rio Paiva. Com aproximadamente 110 km de extensão, o Paiva nasce no planalto da Nave, na Serra de Leomil, no concelho de Moimenta da Beira a cerca de 1 000 m de altitude e desagua em Castelo de Paiva, na margem esquerda do rio Douro.” 1

“Afluente principal da margem esquerda do Douro, nascido na serra de Leomil, é um rio típico de montanha. Corre quase sempre no fundo de desfiladeiros de vertentes abruptas; no entanto, nas suas margens formam-se, por vezes, praias fluviais (Paradinha, Areinho, Janarde, Meitriz, Vau e Espiunca). As suas águas são das menos poluídas da Europa e as suas margens estão, em alguns locais, cobertas de uma vegetação rica e pouco degradada. O escoamento anual médio é de 696 hm3. Tem dez bacias elementares e a área da bacia é de 795,185 km2.” 2

Biodiversidade da Praia Fluvial da Paradinha e do Rio Paiva

"O rio Paiva, os seus afluentes, as lagoas de altitude, as turfeiras e os charcos temporários são ecossistemas dinâmicos que suportam uma elevada diversidade de espécies. A biodiversidade está ameaçada e a diminuir em quase todo o planeta, pelo que áreas conhecidas de elevada diversidade biológica são, cada vez mais, consideradas preciosas. Refúgio de biodiversidade, o Paiva proporciona água para consumo, irrigação e diluição de águas residuais, bem como oportunidades para desenvolver atividades relacionadas com a pesca, a observação da natureza, a reflexão, o turismo e o lazer. O homem deixou, ao longo do rio Paiva, vestígios que refletem a sua relação com o rio: levadas, moinhos, pisões, poldras, pontes, minas para peixes, barcos, muros e socalcos."3

Segurança na Praia Fluvial da Paradinha 

Durante a época balnear o município de Arouca tem nadadores salvadores a vigiar as praias fluviais deste concelho de forma rotativa, não existindo por isso uma vigilância contínua. Para qualquer emergência devem os banhistas ligar para o número de telefone de emergência: +351 927 916 886.

Se visitar a Praia Fluvial da Paradinha, tenha cuidado com a sua segurança e dependentes, não faça lixo e respeite as suas gentes, fauna e flora. Portugal e Aveiro possuem bonitas praias fluviais que são uma forma diferente de viver o verão e as férias, para quem gosta de serra. Estes locais normalmente são mais tranquilas que as praias junto à costa, menos frequentadas e onde existe uma grande riqueza biológica que está em risco e deve ser preservada.

Associação dos Amigos da Paradinha, Cabranca, Janarde e Meitriz

Geossítio G38 - Miradouro Mira Paiva - Paradinha

Na estrada de acesso à aldeia e Praia Fluvial da Paradinha, a ASAP - Associação dos Amigos da Paradinha, Cabranca, Janarde e Meitriz, colocou placas de xisto com informações sobre as tradições do local, características geológicas ou apenas chamadas de atenção para a preservação. Esta associação nasceu em 13 de março de 2000 e está sediada no lugar da Paradinha, freguesia de Alvarenga, Concelho de Arouca. A mesma tem como objetivos a promoção desportiva, cultural, humanitária e social.

Foi esta associação que construiu este parque de merendas, luta por melhoramentos no local e mantém uma vigilância sobre o que acontece, como o assoreamento do rio junto à praia ou os materiais usados na edificação do novo empreendimento turístico.

Em relação às suas reivindicações que lemos numa exposição enviada à comunicação social em 2021, iremos tentar saber o seu estado atual, onde relataram os seguintes problemas desta aldeia e da praia fluvial: 1º – Estradão de acesso à Paradinha, 2º – Parque de estacionamento auto, 3º – Praia Fluvial, 4º – Iluminação pública, 5º – Novo empreendimento turístico, 6º – Parque de Merendas,  7º – Caminho público Paradinha/Paivó, 8º – Rampa de acesso à direita da entrada do casario, 9º – Sinalética, 10º – Programa “ FAUNA “ da “ ASAP “.9

Como o local está em obras acreditamos que algumas destas reivindicações possam já ter sido resolvidas.

Desportos aquáticos no Rio Paiva

Desportos aquáticos no Rio Paiva junto à Praia Fluvial da Paradinha - Alvarenga - Arouca

No Rio Paiva podem ser praticados os seguintes desportos aquáticos, alguns deles são apenas possíveis de realizar porque este é um rio de águas livres, com muitos rápidos e corre livremente até à sua foz junto da Ilha dos Amores e Praia fluvial do Castelo, em Castelo de Paiva: Rafting, canyoning, river trekking, canoa e boias.

Pontos de interesse perto da Praia Fluvial da Paradinha 

  • Geossítio G37 - Icnofósseis de Cabanas Longas - Paradinha;
  • Geossítio G38 - Miradouro Mira Paiva - Paradinha;
  • Capela da Senhora da Saúde - Paradinha;
  • Aldeia de Meitriz;
  • Praia fluvial de Meitriz;
  • Passadiços do Paiva;
  • Ponte 516 - Ponte Suspensa de Arouca;
  • Ponte de Alvarenga, Sec. XVIII;
  • Alvarenga
    • Carreira dos moinhos de Alvarenga;
    • Gastronomia de Alvarenga - Posta à Arouquesa;
  • Canelas
    • Aldeia de Canelas;
    • Zona de lazer e recreio do Vau;
  • Zona de lazer e recreio da Espiunca;

Avaliação geral da Praia Fluvial da Paradinha

  • Aspetos positivos:
    • Beleza natural e biodiversidade;
    • Aldeia de Portugal da Paradinha, em xisto e lousa, bem preservada;
    • O Rio Paiva é muito extenso e profundo e permite nadar com facilidade;
    • Temperatura da água no verão;
    • Pouco frequentado;
    • Tranquilidade e sossego;
    • Parque de merendas, com mesas em madeira, churrasqueira e muito arborizado;
    • Dentro da aldeia e no acesso à praia foram construídos novas estradas com piso em paralelo;
    • Parque de estacionamento perto da praia fluvial;
    • Pontos de interesse nas imediações;
  • Aspetos problemáticos:
    • Falta de vigilância permanente por nadadores salvadores;
    • Empreendimento turístico edificado desenquadrado pela sua grande dimensão e materiais de construção da Aldeia de Portugal da Paradinha;
    • Balneário em reconstrução e melhoramentos;
    • Falta de um café e restaurante, por esta razão leve de casa a sua comida e bebida;
    • Acesso por estradas muito estreitas e com curvas acentuadas;

Galeria de fotos da Praia Fluvial da Paradinha 

Créditos e Fontes pesquisadas

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.

Fotos: Ondas da Serra. 

1 - riopaiva.org
2 - In Infopédia. Porto: Porto Editora, 2003-2010
3 - cm-castrodaire.pt/images/stories/pdf/projetos/ViveroRioPaiva_trabalho_ultima_ipv_11.pdf
4 - aroucageopark.pt/pt/conhecer/geodiversidade/geossitios/mira-paiva/
5 - aroucageopark.pt/pt/conhecer/geodiversidade/geossitios/icnofosseis-de-cabanas-longas/
6 - visitarouca.pt/atracoes/aldeia-da-paradinha/
7 - aroucageopark.pt/pt/explorar/o-que-visitar/aldeias-tradicionais/paradinha/
8 - aldeiasdeportugal.pt/aldeia/paradinha/
9 - discurso-directo.com/2021/08/10/associacao-amigos-da-paradinha-envia-estudo-ao-municipio-de-arouca-sobre-melhoramentos-a-realizar-na-aldeia/ 

Lida 1334 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Praia Fluvial de Meitriz para viver momentos inesquecíveis

A Praia Fluvial de Meitriz em Arouca, fica localizada junto de uma bonita aldeia de xisto com o mesmo nome. O Rio Paiva que lhe dá vida, é um rio de águas bravas e das mais limpas da Europa  e que ainda não foi submergido pelas barragens. Aqui há vários locais para nadar, pular ou mergulhar, sempre com precaução. Apesar do avanço dos eucaliptos pelas encostas ainda há uma grande riqueza na galeria ripícola que acompanha o curso da água. No local foi construído um aprazível parque de merendas, com churrasqueiras, mesas em madeira, casas de banho e chuveiros. Para aceder à mesma foi construída uma moderna ponte que não respeitou a traça do local e agora parece desfocada e desajustada da consistência natural e arquitetónica em redor, mas mais vale isso que o antigo barqueiro ainda ter que passar as gentes e animais para a outra banda à força de remos e por vezes debaixo de grandes borrascas.

Praia Fluvial do Castelo a melhor do Douro e Ilha dos Amores

A Praia Fluvial do Castelo, fica localizada na freguesia de Fornos em Castelo de Paiva, sendo banhada pelas amenas águas do Rio Douro. O Rio Paiva aqui desagua em frente à sua amada Ilha dos Amores, que outrora fortificada defendia cristãos de ataques de muçulmanas gentes e ajudou a fundar a Lusitânia Pátria. O seu enquadramento natural, desportos náuticos e infraestruturas oferecidas fazem dela uma das melhores da região. Este é também um lugar para gente jovem, que atravessa a nado até à ilha e do cimo de temerosos penedos se precipitam como loucos, em saltos vertiginosos, para as tranquilas águas do rio. Durante o verão, aos fins-de-semana há uma grande azáfama de embarcações a motor, por vezes fazendo perigar a segurança dos banhistas. As ondas arremetem para a praia, à passagem dos grandes cruzeiros, com turistas a ver as vistas das arribas do Douro, que acenam alegremente, mas lançando invejosos olhares ao povo que se refresca na praia.

Meitriz aldeia de xisto com praia fluvial no Rio Paiva

Meitriz em Arouca é uma terra profundamente longínqua, que brotou do fundo do Vale do Rio Paiva e que conserva ainda a sua traça tradicional, recebendo a distinção de Aldeia de Portugal. O rio por ela se enamorou, fazendo-lhe uma vénia ao chegar e oferecendo-lhe uma praia fluvial para se perfumar. Ela deu-lhe volta à cabeça, ele deu-lhe voltas ao rio, tão recortadas de pasmar, não podendo ficar partiu, dando lágrimas ao lugar. Por estas terras se reconquistou e perdeu território para o Sarraceno, Almançor por aqui atemorizou, mas este povo sempre lutou e como em Moldes igrejas sempre edificou.