Viagem para a Época Medieval sem sair da Taberna Dom Joaquim Joaquim Coutinho
quarta, 06 dezembro 2017 08:39

Viagem para a Época Medieval sem sair da Taberna Dom Joaquim Destaque

Classifique este item
(5 votos)

Não existem piratas, mercenários ou ladrões na Taberna Dom Joaquim, apenas damas e cavalheiros na cavaqueira, passageiros a aguardar pelo comboio e estudantes atrasados para as aulas. O Largo da Estação de Ovar recebeu no início do ano a reabertura de um espaço que é uma viagem no tempo e que, com o charme das tabernas medievais, oferece vinhos do Douro, petiscos e refeições difíceis de resistir.

Joaquim coutinho da Taberna Dom Joaquim

Restaurante em Ovar - Taberna Dom Joaquim

Após quatro anos de interregno, as portas da antiga ‘Casa Coutinho’ voltaram a abrir para os habitantes da cidade de Ovar mas também para todos os que querem fazer um périplo pelos melhores sabores nacionais. Fundada em 1968, pelos pais de Joaquim Coutinho, a Casa Coutinho reinventou-se com a Taberna Dom Joaquim. “Sempre tive a espectativa de um dia agarrar um projeto destes. Fiz um desafio a mim próprio e aos meus pais”, revela o atual proprietário de um negócio que é também herança familiar e que pertence à história comercial de Ovar. Os pais conheceram-se no Largo da Estação e, mais de cinquenta anos depois, é no mesmo largo que o ovarense se lança num projeto ambicioso.

Joaquim Coutinho colocou a formação ao serviço deste projeto

Este vareiro com vasta formação académica na área e que já fez parte do grupo de carnaval "Pinguins", regressou às suas origens com a disciplina militar que ganhou no Exército, onde serviu como 1 Cabo, na especialidade de transmissões.

Simples, mas sofisticado, o ambiente do restaurante tem algo de prazeroso para os seus transeuntes. O rigor e a seriedade ajudam a sustentar as ogivas do edifício, com um conceito que está na moda e arranca suspiros ao longo do território português. A lareira acesa, as paredes de pedra, o som harmonioso e a simpatia consolidam a Taberna como um restaurante de família.

As raízes deste homem

Natural da cidade do Norte do país, Joaquim tem o mesmo nome do pai e guarda da mãe, Maria Mimosa Coelho, a simpatia e sensibilidade para as pessoas: “Sinto que quase toda a população de Ovar já entrou no Dom Joaquim”, afirma sem querer parecer pretensioso. Cresceu atrás do balcão da Casa Coutinho enquanto vendia copos de vinho, sandes de presunto e moelas, e via os clientes habituais jogar matraquilhos. Formado em hotelaria, já construir uma carreira sólida na área, tendo passados por cidades como Estoril, Porto e Santa Maria da Feira. “Queremos construir o sucesso desta casa pelo conforto, diversão e satisfação dos nossos clientes”, arremata. “É um espaço para todos, onde se procura que se sintam bem, à vontade, e felizes”.

O sucesso do restaurante

“Não contava receber tanta gente. Já tivemos pessoas dos Estados Unidos da América, da Venezuela e do Brasil, por exemplo”, conta. Sobre o futuro, Joaquim Coutinho confessa que o objetivo é que as pessoas se identifiquem com o restaurante. “Quero que digam – ‘Eu tenho que ir almoçar ou jantar ao Dom Joaquim’ -, revela, consciente de que o tamanho do espaço pode ser um obstáculo, mas também uma mais-valia. “A nossa cozinha é portuguesa, simples, fácil, mediterrânea, com azeite, alho e batata. Acima de tudo, temos de conquistar as pessoas pela simpatia e pelo prato”. As expectativas são as melhoras e o sucesso começa a tornar-se audível, com as opiniões a consolidar a qualidade do projeto com cerca de 10 meses:

 

Serviços

  • Restaurante / Bar;
  • Takeaway;
  • Pequeno-almoço, almoço e jantar;
  • Adequado para grupos e empresas;
  • Pagamentos com multibanco;
  • Facilidades de estacionamento.

Especialidades

  • Carta com três pratos de peixe e três de carne;
  • Petiscos: presunto, moelas, polvo e enchidos.

Localização

  • Largo Serpa Pinto n°5, 3880-137 -Ovar.

Abertura

  • Aberto ao Almoço ( 2a a Sábado)
  • Aberto ao Jantar ( 6a e Sábado )

Capacidade

  • 55 Lugares sentados

 Encerramento

  • Domingo

Contactos

  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
  • facebook.com/tabernadomjoaquim
  • Tlms: 962 349 145 / 927 554 461

 

Vídeo do Largo da Estação

Galeria de fotos duma taberna do Séc. XXI

 

 Um pouco da sua história

Lida 1922 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

O segredo do fabrico do pão e regueifas de Ul - Parque Temático Molinológico

O Parque Temático Molinológico, fica localizado nas freguesias de UL, Travanca e Loureiro - Oliveira de Azeméis, onde está a ser feita a preservação etnográfica dos antigos ofícios de moleiro e padeiro. O segredo do afamado pão de UL aqui cozido é que não há nenhum milagre ou artes mágicas, mas sim carinho empregue na sua fabricação, usando técnicas ancestrais, com produtos genuínos e fornos onde a alquimia produz ouro destes cereais, unindo os elementos da terra, ar, água e fogo, num produto que remete para as nossas raízes primordiais.

Pão de ló de Ovar | Conheça a sua história e as fases do seu fabrico

O Pão-de-ló de Ovar é um doce com certificação de identificação geográfica protegida, produzido na cidade vareira, do distrito de Aveiro, confecionado à base de gemas de ovo, com um aspeto disforme, que esconde um sabor delicioso, granjeando ao longo do tempo grande fama e sendo atualmente um dos maiores ex-líbris da região.

A Loja Centenária da Marçalina

Ondas da Serra viajou até Cabomonte – São Miguel de Souto, onde subsiste há mais de um século uma antiga taberna, mercearia ou como o povo gosta de chamar “Loja de comes e bebes”, mais conhecida por “Loja da Marçalina”, uma das mais velhas das terras de Santa Maria e onde ainda se podem sentir os refinados odores dos petiscos dos nossos avós.