Foz do Rio Cáster | Povo que lavas no rio Foz do rio Caster
sábado, 17 fevereiro 2018 09:07

Foz do Rio Cáster | Povo que lavas no rio Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

A revolução industrial e a eletricidade permitiu ao povo, principalmente no ocidente, automatizar uma serie de tarefas domésticas para aumentar a sua qualidade de vida e supostamente lhe dar mais tempo. Com estes adventos surgiram toda uma serie de parafernália mecânica para auxiliar na cozinha, higiene pessoal, tratamento da roupa, jardinagem e outras tarefas quotidianas.

Foz do Rio Cáster - Onde as lavandeiras lavam a roupa no rio

Hoje em qualquer lar podemos encontrar, fornos, ferros de engomar, batedeiras, maquinas de lavar, secar, secadores de cabelo e por ai fora.

A mulher viu a sua vida facilitada e acertadamente a igualdade de géneros tentou equilibrar as tarefas domesticas. O povo deixou de ir lavar a roupa ao rio, mas estas transformações como é natural não ocorreram todas ao mesmo tempo e nos mesmos locais.

A lavandeira Maria Valente

Um destes dias em passagem pela foz do rio Cáster em Ovar, fomos encontrar Maria Valente, com 52 anos e residente na Ribeira, no meio do rio a lavar roupa à mão, com uma botas de borracha até ao joelhos para não se molhar. Disse que para além de gostar mais, ainda poupa algum dinheiro. Já deixou no local um bidão mas há sempre alguém que embirra com aquilo e por isso ela agora traz de casa uma mesinha que monta no meio das águas. Ali próximo o seu carrinho de mão aguardava o regresso a casa com a trouxa de roupa. Nos campos em redor estendeu os seus lençóis e de imediato nos veio à memória um pedaço da nossa história nos quadros do filme "Aldeia da Roupa Branca".

Não estranhou o facto de queremos tirar fotografias, já está habituada, não somos os primeiros nem devemos ser os últimos. Muito havia para dizer, mas nesse dia continuamos o nosso passeio, porque por vezes precisamos de estar em silencio e observar apenas o que nos rodeia e aves não faltavam.  

Galeria de fotos

 

Lida 964 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Arte Xávega da Companha Jovem vai morrendo no Furadouro

A história vareira de Ovar está profundamente enredada na pesca artesanal, onde grossos mares reclamaram tantas vidas. As suas varinas saindo de canastra à cabeça, vergadas pelo jugo do peso, caminhando descalças muitas léguas sem fraquejar ou reclamar, apregoavam com rouca marítima voz, “Sardinha do nosso mar”, pelos cantos recônditos do nosso distrito e arredores, levando o seu vozeirão até à longínqua Régua. As companhas de pesca às centenas, pescando cegamente com Arte Xávega, foram morrendo e hoje neste concelho são menos que os dedos da mão. Um destes dias ainda com noite fechada, arremetemos pelo formoso mar, navegando com os pescadores da “Companha Jovem”, a única sobrevivente da praia do Furadouro. É esta história que vamos contar, as vivências destes robustos pescadores, com as suas glórias e angústias, últimos representantes duma arte tradicional que merecia mais atenção, para não deixar morrer a nossa memória, porque nem tudo são cantigas ou distribuição anárquica de subsídios. 

Ria de Aveiro: Conheça belo trilho escondido para BTT

As margens da extensa laguna da Ria de Aveiro, oferecem aos amantes da natureza, birdwatching, caminhadas e BTT, inúmeros locais paradisíacos para explorar. Alguns destes percursos estão já devidamente referenciados, mas há outros menos conhecidos que permitem viajar na companhia da ria, pelo lado lunar, por trilhos em terra batida, taludes ou passadiços. O Ondas da Serra ao longo do tempo foi explorando estes recônditos caminhos, catalogando e unindo alguns percursos menos conhecidos. Neste artigo vamos dar-lhe a conhecer um trilho entre Ovar e Aveiro, com mais de 80 quilómetros, pelo lado nascente da ria, assinalar cais, ribeiras e esteiros, pontos de interesse, fauna e flora. Vamos também disponibilizar os arquivos de tracking para os seus aplicativos de desporto, de forma a poderem também seguir a nossa exploração.

Aprenda como se ensinava no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].