Pedalando por Pedorido e Castelo de Paiva Pedorido - Rio Arda

Pedalando por Pedorido e Castelo de Paiva

Classifique este item
(0 votos)

No dia 4 de maio, fomos pedalar entre Pedorido e Castelo de Paiva pela antiga estrada nacional 222. Agora construíram uma nova via onde é proibido circular bicicletas, mas nós preferimos assim, porque desta forma passamos nas aldeias, falamos com as pessoas e não há tanto transito.

Pelourinho de Raiva Em Pedorido há muitos pontos de interesse, a velhinha ponte desativada, a igreja de Pedorido dedicada a Santa Eulália e os rios Arda e Douro. Estão a ser feitas obras e melhoramentos no parque de merendas e praia fluvial no Rio Douro ali existentes. Conforme consta na informação disponibilizada na internet pelo município de Castelo de Paiva, ali começa um dos pontos do “Trilho do Mineiro” - BTT, com mais de 30 Quilómetros. Infelizmente pura e simplesmente a sinalização é quase inexistente e só vimos uma placa. O que nos disseram alguns residentes foi que muitos dos postes em madeira tratada foram roubados. Deve ser por esta razão que agora já se estão a usar postes em plástico em trilhos e percursos pedestres semelhantes. Enviamos um email sobre este assunto à autarquia, de forma positiva e construtiva, mas até agora ainda não obtivemos resposta.

Infelizmente e já começa a ser usual a serra ali existente está toda queimada, salvaram-se as margens do Douro e do rio Arda, onde podem ser observadas muitas aves, nós vimos garças e águias.

Leia também: A tasca da Maria Macedo

Em Oliveira do Arda, ouvimos pelos altifalantes pessoas a rezar na missa e ao chegar junto da capela da Nª Srª das Amoras, deparamos com a Romaria das Cruzes. Pouco depois a cerimónia acabou e lá foram as pessoas comprar a doçaria tradicional e os famosos doces de Sarradelo.  Também provamos destes pequenos biscoitos e bebemos uns verdes de Castelo de Paiva, para termos força para continuar a pedalar. Aqui um valente homem subiu ao telhado para retirar os três altifalantes para serem guardados para os próximos festejos.

Em Raiva fomos visitar a igreja matriz e o seu pelourinho, monumento muito interessante e curioso e deixamos a sua interpretação ao gosto e imaginação dos nossos leitores, pensamos que a explicação oficial para tão sui generis forma pode ajudar na sua interpretação: “Instalado nas encostas do Douro, o Pelourinho de Raiva marca a independência da “horra” da Raiva em relação ao concelho de Castelo de Paiva. Apesar de não ter recebido carta de foral, esta localidade foi concelho entre 1537 e 1839. Este pelourinho apresenta uma tipologia peculiar, com uma base quadrada tosca na qual assenta uma coluna lisa de secção ortogonal, com um corpo piramidal no topo. De datação imprecisa, pensa-se que este monumento foi erguido no século XVI. Neste local podemos também contemplar a Igreja Matriz de Raiva, bem como a fantástica paisagem sobre o rio Douro, na qual se podem observar as suas encostas com luxuriantes bosques mistos e, na outra margem, a imponente serra da Boneca.

Por estes lados existem muitas quintas e palacetes e alguns estão abertos para darmos uma visita nos seus jardins com vista privilegiada para o Rio Douro.

Almoçamos em Sardoura, com bom vinho verde da região de Castelo de Paiva, que nos deu força para voltarmos a pedalar e chegar à sede do concelho.

Regressamos pelo mesmo caminho e no final em Pedorido encontramos uma bonita história para contar que fica para outro artigo destas “Viagens na minha terra”.

 

 

Lida 289 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Terras de Fuste, Função e Paço de Mato

Ondas da Serra partiu à descoberta um destes dias por terras de Vale de Cambra. Deixamos o carro em Rogê, perto do Centro Cívico e partimos para desbravar terrenos e procurar aventuras. Não fomos de caravela, nem navegamos numa nau, levamos a bicicleta, não levamos varapau. 

Paraduça e suas gentes

O Ondas viajou até Paraduça – Vale de Cambra, onde conhecemos alguma das suas gentes e moinhos de rodízio. Nesta aventura tivemos como guia o PR6 – Rota dos Moinhos, que está muito bem assinalado e aconselhamos vivamente. O tempo não esteve famoso, a chuva miudinha não parou de cair, o ambiente estava enevoado e esperamos em vão que o céu mostrasse o seu sorriso.

As Ribeiras das Terras Marinhoas

O Criador quando chegou a Pardilhó, deveria estar de bom humor, por ter feito tão bonita obra. As terras são baixas e de altitude quase constante, conhecidas por Marinhoas. Estes lugares perto do mar e da ria, formados por terrenos arenosos e aluvião, conferiram uma acentuada identidade regional a Pardilhó, Bunheiro, Murtosa, Monte, Veiros, Torreira e pedaços de Estarreja e Ovar.

Faça Login para postar comentários
Pub