Banda do Pejão | Acabou a mineração continuou a música 1994 | Encerramento das minas do Pejao

Banda do Pejão | Acabou a mineração continuou a música

Classifique este item
(0 votos)

A Banda de Música dos Mineiros do Pejão foi fundada em 1949, atualmente conta com 70 músicos, possuindo também uma escola de música com sede própria onde ensinam 50 alunos, orientados por 10 professores.

Síntese histórica: Em 1933 foi criado o Grupo Sacro Musical de Pedorido (Tuna Musical), dirigido por um devoto da música, o Padre Francisco Nicolau Moreira tendo como auxiliares os músicos João de Sousa e Nicolau Barbosa.

Em 1947 Jean Tyssen, proprietário da Empresa Carbonífera do Douro e grande apaixonado da arte musical, apercebendo-se que no Couto Mineiro havia grande propensão para a música, ouvidos músicos insignes, como por exemplo, o violinista Philip Newman, resolveu transformar aquela Tuna numa Banda Musical, não obstante aquele músico ter chegado a albergar a ideia de com ela fundar uma Orquestra Sinfónica. Jean Tyssen logo ofereceu um instrumental completo à Tuna e criou escolas de música tendo como professores Alberto da Costa Santos, Alberto Ribeiro Gomes e Tertuliano Monteiro.

É assim que em 19 de setembro de 1948, na II Festa da Família Pejão, os alunos das escolas de música, entretanto criadas para formar músicos para a Banda, e restantes elementos da Tuna se apresentam, pela primeira vez, colaborando nesse evento. Executaram um programa dirigido pelo então Diretor Artístico, Capitão Lourenço Alves Ribeiro, Maestro da Banda Nacional Republicana, e pelos professores da Escola de Música da Banda.

A 14 de Agosto de 1949, aquando da inauguração da Igreja de Pedorido, este mesmo grupo, já mais consolidado e dirigido pelo Professor Tertuliano Monteiro (falecido a 20.10.2011), dá o primeiro concerto público. Estava assim criada a Banda Musical do Pejão, mais tarde Banda de Música dos Mineiros do Pejão, cuja reputação ultrapassou as fronteiras de Castelo de Paiva e que, em 1962, obteve dois primeiros prémios no I Grande Concurso Nacional de Bandas e Filarmónicas, organizado pelo então FNAT (INATEL).

Por ela passaram, entre outros, os maestros Tertuliano Monteiro, Dionísio, Hipólito, Sousa, António Gomes, José Macedo e Boaventura Moreira. Nela se formaram e mais tarde saíram para a Orquestra Nacional de Lisboa, Orquestra de Câmara da Fundação Calouste Gulbenkian, Conservatório do Porto, Banda da GNR de Lisboa e Porto, Banda do Regimento de Infantaria N.º 6 e agrupamentos civis, vários músicos e maestros que levaram bem longe o seu nome e fama.

Com o encerramento das Minas do Pejão criou-se, a 12 de Junho de 1995, a Associação Cultural do Couto Mineiro do Pejão, comparecendo como outorgantes na escritura pública de constituição de associação os senhores Manuel Moreira Rodrigues, Manuel Maria Moreira Teixeira, Alfredo de Sousa Tavares, Boaventura Lopes Moreira, Casimiro Martins Moreira, Padre José Ribeiro da Mota e Carlos de Sousa Noronha.

Reconhecido que foi o seu mérito no ensino da música, realização de concertos, festividades e outras iniciativas de carácter cultural, adquiriu a qualidade de Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, conforme declaração n.º 39/2001. II Série D.R. n.º 27, de 1 de Fevereiro, sendo-lhe entregue diploma assinado por Sua Excelência, o Sr. Primeiro-Ministro.

Esteve sob a regência do maestro Sr. Boaventura Alves Moreira até 15 de Setembro de 2004.

Nos anos de 2005 e 2006 participou nos I e II Concurso Nacional de Bandas Filarmónicas da Cidade de Aveiro obtendo os 3.º e 2.º lugar, respectivamente.

Em 2009 actuou na Sala L'Epicerie Modern da vila francesa de Feyzin - Lyon, tendo sido recebida pelo Presidente de Câmara no Hôtel de Ville de Feyzin. Em agosto do mesmo ano, realizou o seu primeiro concerto Sala Suggia da Casa da Música do Porto inserido no programa "Verão na Casa".

No ano de 2011 destacam-se o concerto realizado no Mosteiro de São Bento da Vitória – Porto, associado ao Dia Mundial da Música, e ainda a participação no Festival de Bandas 'Filarmonia ao Mais Alto Nível' que teve lugar no Europarque – Santa Maria da Feira, e que foi alvo dos mais rasgados elogios devido à qualidade das interpretações, fruto do rigor do trabalho que a Banda continua a implementar ano após ano.

Em abril de 2013, perpetuando a ligação à Igreja Paroquial de Pedorido, apoiou o grupo dinamizador da construção da Capela Mortuária de Pedorido, realizando um concerto para angariação de fundos.

Em novembro de 2015 obteve o 1.º Lugar | 1.º Prémio na Primeira Secção do 2.º CIB (Concurso Internacional de Bandas) Filarmonia D'Ouro. Neste mesmo concurso, o maestro Francisco Moreira foi distinguido com o prémio Batuta de Ouro, consagrando o maestro com melhor desempenho. Ainda em novembro participou no III Festival de Bandas de Música promovido pela Banda Sinfónica Portuguesa em parceria com a Câmara Municipal de Gondomar.

A Banda de Música dos Mineiros do Pejão conta atualmente com cerca de 70 elementos, sob a regência do maestro Francisco Manuel Sousa Moreira. Mantém em funcionamento a sua escola de música, situada na área do Couto Mineiro, escola esta que conta com cerca de 50 alunos, orientada por 10 professores de reconhecida competência artística e pedagógica.

Desde 2014 tem em funcionamento regular a sua Banda Juvenil, com o apoio dos chefes de naipe e professores da escola, dirigida por Nuno Pereira. Através de protocolos estabelecidos com a Academia de Música de Castelo de Paiva e Conservatório de Música de Fornos – Santa Maria da Feira procura elevar o nível artístico dos alunos que manifestam vontade de oficializar os estudos musicais.

A Banda de Música dos Mineiros do Pejão continua ativa e dinâmica, levando o nome do Pejão a diversas localidades do Norte a Sul do País, aos emigrantes e habitantes de Espanha - Fabero del Bierzo, e de França - Montluel e Feyzin em Lyon.

É, pois, uma Banda de Música com sessenta e sete anos de história que se vem impondo pela sua qualidade artística ao serviço daquela que é considerada "a mais bela de todas as Artes".

Marcos na Carreira: 

1.º Prémio no I Grande Concurso Nacional de Bandas e Filarmónicas da FNAT | 1962;

3.º Lugar no I Concurso Nacional de Bandas Filarmónicas da Cidade de Aveiro | 2005;

2.º Lugar no I Concurso Nacional de Bandas Filarmónicas da Cidade de Aveiro | 2006;

1.º Lugar | 1.º Prémio no II Concurso Internacional de Bandas Filarmonia d'Ouro | 2015

 

Presidente e Direcção: Presidente - Sr. Fernando de Azevedo Soares. A restante direcção pode ser consultada em http://www.bandadopejao.com/direccao.html

Aspirações / Problemas Actuais: Manter viva e dinâmica a Banda de Música dos Mineiros do Pejão.

 

Morada e Contactos:

Rua da Linha | 4550-509 Pedorido | Castelo de Paiva

Tel. 255 762 293 | Tem. 934 550 862 | 936 008 109

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. | www.bandadopejao.com

 

  
 

Data: 1959
 
Estudios RDP Camarate

 

 

Data: 1962
 
Ponte Internacional Caminha

 

 

Data: 1994
 
Encerramento das minas do Pejao

 

 

Data: 2005
 
Concurso em Aveiro

 

 

Data: 2011
 
Festival Filarmonia "Ao Mais Alto Nível"

 

 

Data: 2015
 
Comemorações dos 50 Anos do falecimento de Jean Tyssen

 

Lida 894 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

Paraduça e suas gentes

O Ondas viajou até Paraduça – Vale de Cambra, onde conhecemos alguma das suas gentes e moinhos de rodízio. Nesta aventura tivemos como guia o PR6 – Rota dos Moinhos, que está muito bem assinalado e aconselhamos vivamente. O tempo não esteve famoso, a chuva miudinha não parou de cair, o ambiente estava enevoado e esperamos em vão que o céu mostrasse o seu sorriso.

Percursos pedestres em Aveiro

O nosso magnifico distrito possui dezenas de trilhos onde podemos observar a natureza, pássaros, insetos, flores, árvores e escutar um silêncio que dificilmente encontramos no meio urbano. Por vezes durante as caminhadas poderá cruzar-se com os habitantes desses locais, lembrem-se que um cumprimento e um sorriso não custam nada e fazem muito bem. Nós temos falado com pastores, pescadores, idosos e feirantes que sempre nós ensinam algo e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.