Cegonhas na Murtosa

Classifique este item
(0 votos)

O dia 16 de junho acordou quente com o astro rei a brilhar no céu com todo o seu esplendor. Para aproveitar este magnifico tempo e a frescura das margens da ria de Aveiro, fomos de bicicleta observar a Natureza nos percursos da BioRia entre a Ponte Varela e Cais do Bico na Murtosa e Ribeira das Teixugueiras em Pardilhó.

A nossa missão principal foi observar as familiares cegonhas-brancas que no céu perscrutavam o terreno à procura de alimento voando duma forma graciosa aproveitando as correntes ascendentes. As suas crias aguardavam impacientes no ninho o regresso dos adultos, quando chegavam era um regalo vê-las enfiarem-lhes a comida pela goela abaixo. Estas aves para comunicarem batem os bicos de diferentes formas ecoando pela ria o seu matraquejar incessante. 

Há muito tempo que estas aves deixaram de trazer crianças ao mundo, agora com mais vagar é belo vê-las às centenas nos postes que os homens lhes propiciaram para nidificar ou nas torres de iluminação como no Estádio Municipal da Murtosa. Por mais que o homem queira que esta ave nidifique nos lugares pré-determinados há sempre as sabidolas que lhes trocam as voltas.

A nascente do Cais do Bico em seis postes contamos entre adultos e pequenada mais de cem. Este é um caso de sucesso da preservação da vida animal e prova como é possível uma coexistência pacifica entre o reino animal e os humanos. Se pretender ver estes animais respeite-os e não seja intrusivo. 

Mas enquanto nos céus decorriam estas vidas na ria os pescadores com as suas bateiras lançavam redes às águas e rezavam para virem cheias. Ambos, Pescador e Cegonha estavam unidos na nobre missão de alimentar a prol. O homem tem arrogância de se achar dono e senhor absoluto deste planeta Terra, contudo basta olhar a mãe Natureza para vislumbramos o quanto isso pode ser enganador.

No regresso Ovar, por Pardilhó, passamos ainda pela Ribeira das Teixugueiras onde existe uma boa torre para observação de aves na ria. Já na parte final do percurso, mais concretamente na Rua Dr. José Eduardo Sousa Lamy - Pardilhó, podemos observar que a ciclovia se encontra cheia de detritos e com ramagens de árvores que ladeiam a berma a obstruir a passagem, fica aqui a chamada de atenção para a junta de freguesia local resolver este problema.

 

Lida 1034 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

ADUM - Associação Dona Urraca Moreira | Defesa e valorização do património Oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.

Foz do Alge | Uma ode à mãe natureza

A povoação de Foz do Alge pertence à freguesia de Arega - concelho de Figueiró dos Vinhos, distrito de Leiria, do nosso Portugal. Este reino foi ali conquistado junto das águas do Rio Zêzere com as da Ribeira de Alge, num cenário de grande beleza, quebrada à volta pelos grossos mares de eucaliptos, que estão sempre à espreita para o aniquilar.