quinta, 19 outubro 2017 15:40

O calçado português em São João da Madeira Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Portugal vendeu em 2016 perto de 82 milhões de pares de calçado para 195 países. A tendência exportadora da indústria tem vindo a afirma-se nos últimos sete anos, com o Centro Tecnológico do Calçado de Portugal a apoiar os empresários na conquista de novos mercados. São João da Madeira é a fábrica de um dos principais clusters do setor no país e sede desta organização com mais de três décadas.

Os pés franceses, alemães, holandeses, espanhóis e britânicos são os melhor conhecem a qualidade do calçado portugueses, rendidos a uma indústria sexy, inovadora e arrojada. Também os chineses, norte-americanos e neozelandeses começam a preferir o calçado português para passear e/ ou trabalhar.

Design, inovação, tendências e excelência são quatro pontos-chave para o sucesso desta indústria de milhões, com 95% da produção a disseminar-se por praticamente todo o mundo. Em 2016, existiam 1.473 empresas a atuar no setor, gerando perto de 39 mil empregos. São João da Madeira é a capital do calçado português, acompanhada por Felgueiras. O Centro Tecnológico do Calçado de Portugal (CTCP) detém polos em ambas as cidades, embora seja em São João da Madeira que exerça a maioria das suas valências.

O laboratório de ensaios é provavelmente um dos serviços mais importantes da organização. Acreditado segundo a norma ISSO 17.025, tem capacidade para realizar perto de 250 ensaios de acordo com as normas internacionais, europeias ou nacionais. Ao longo do ano, as instalações em atividade desde 1981, realiza mais de 20.000 ensaios físicos e químicos para sócios e não sócios.

Se tem dúvidas quando à capacidade de um determinado produto em resistir ao fogo, o laboratório do CTCP é a resposta. Impermeabilidade, fadiga ou absorção de energias são alguns dos restantes testes. Provavelmente, o calçado que hoje utilizou foi submetido a estes ensaios e até à prova de envelhecimento.

Os ensaios químicos têm como missão analisar as características de colagem, demonstrar que os materiais e produtos não contêm substâncias proibidas, determinar as causas de reclamações e descolorações, entre outros. A generalidade dos equipamentos laboratoriais são projetados e construídos por um consórcio que integra o CTCP.

Veja também: Museu da Chapelaria

São dois os núcleos do calçado em Portugal, revelando uma fora concentração geográfica: o primeiro compõe-se por Santa Maria da Feira, Oliveira de Azeméis e São João da Madeira; o segundo é liderado por Felgueiras e Guimarães. Mais de três quartos dos empregos no setor estão nestas áreas. Segundo Flora Bastos, responsável pelo departamento de comunicação do centro tecnológico salienta a dificuldade sentida em encontrar o capital humano que as empresas procuram e é neste sentido que a formação tem sido uma das grandes apostas da organização. O serviço destina-se preferencialmente à qualificação de quadros e chefias intermédias.

O conhecimento é um dos principais recursos na competitividade das empresas, traduzindo-se em estudos setoriais segmentados: vigilância tecnológica; propriedade industrial, benchmarking, normalização, e ambiente.

Apoiar técnica e tecnologicamente as empresas, promover formação técnica e tecnológica, preparar e divulgar informação técnica junto da indústria e realizar trabalhos de investigação, desenvolvimento e demonstração são algumas das funções do CTCP, com mais de 400 sócios e 46 colaboradores internos.

Áreas de ação do Centro Tecnológico do Calçado de Portugal:

- Laboratório.

- Certificação do produto e normalização.

- Estratégia, marketing e internacionalização.

- Gestão industrial.

- Propriedade Industrial.

- Projetos de Investimento.

- Investigação e Desenvolvimento tecnológico (I&DT).

- Formação e Qualificação.

- Informação e Comunicação.

- Segurança no Trabalho e ambiente.

- Design, Multimédia e Software.

Leia também: Deolinda Silva - A "pequena dos chapéus"

Em parceria com a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS), o Instituto Português da Qualidade, a União Europeia dos Centros Tecnológicos de Calçado, e mais de cinquenta instituições, empresas e universidades, o CTCP pretende assumir-se como uma referência internacional no setor do calçado e investir não só na inovação e na qualidade mas também na formação.  

 

 

 

Ensaio de impermeabilidade

Lida 724 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Ondas em busca do tesouro de Trebilhadouro

Ondas da Serra foi em busca dos tesouros de Trebilhadouro, não encontramos ouro, incenso ou mirra, mas um rico percurso pedestre, o PR4, integrado na Rota da Água e da Pedra de Vale de Cambra.

Inácio Monteiro | Cesteiro

Quem acompanha o nosso projeto sabe que exploramos o nosso distrito principalmente a caminhar ou de bicicleta. Estas são boas formas de não deixarmos escapar certos pormenores importantes da vida real. Esta semana que está a terminar, ao passarmos na Rua dos Lavradores em Válega, vimos sentado numa cadeira na berma da estrada, junto dum pinhal um homem a fazer um cesto em vime. O patriarca duma família de etnia cigana trabalhava em frente algumas precárias barracas onde a sua comunidade vive.

Ricardo Vieira: “A música é um caminho infinito”

Ricardo Vieira imortaliza os compositores e as suas criações a cada concerto. O pianista nasceu em Santa Maria da Feira há 33 anos e hoje conquista plateias em todo o mundo. Dezassete anos depois do primeiro concerto com orquestra, no Teatro São Luiz, em Lisboa, garante que nunca vai com “receio para cima do palco”.