Inácio Monteiro | Cesteiro Inácio Monteiro | Cesteiro
domingo, 06 maio 2018 08:35

Inácio Monteiro | Cesteiro Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Quem acompanha o nosso projeto sabe que exploramos o nosso distrito principalmente a caminhar ou de bicicleta. Estas são boas formas de não deixarmos escapar certos pormenores importantes da vida real. Esta semana que está a terminar, ao passarmos na Rua dos Lavradores em Válega, vimos sentado numa cadeira na berma da estrada, junto dum pinhal um homem a fazer um cesto em vime. O patriarca duma família de etnia cigana trabalhava em frente algumas precárias barracas onde a sua comunidade vive.

Inácio Monteiro | CesteiroO ancião munido duma navalha, tesoura e um pedaço de pau, com gestos precisos de anos de oficio ia dando corpo à cesta. A peça ora estava virada para cima, ora para baixo, numa dança bem orquestrada. Na sua elaboração usou as mãos, pés, boca, navalha, tesoura e um pequeno pau.

O homem de quem falamos chama-se Inácio Monteiro, leva já 72 anos e nasceu me Aveiro. Do casamento nasceram dez filhos, mas um faleceu. Cedo aprendeu com os seus pais “que Deus tem”, a arte de cesteiro. Agora já está reformado e na vida não fez outra coisa. Atualmente só trabalha pontualmente e não vende o resultado da sua arte, troca por géneros para comer, com os vizinhos, pessoas da redondeza ou quem aparecer.

Os géneros que recebe servem para ajudar os seus filhos e netos. Disse que naturalmente passa algumas dificuldades e aquilo é uma forma de ajudar a família.

Na cestaria usa vimes que os agricultores lhe trazem, de vários tamanhos e grossuras consoante a peça a ser feita. A alguns tira a casca com o seu inseparável canivete, até exibirem o interior branco para fazer “cestos para aquelas mulheres mais ricas”.

Na altura que o encontramos estava a acabar uma cesta grande, que demorou cerca de duas horas a fazer.

Disse com alguma tristeza que nenhum dos seus filhos quis esta vida, só o mais velho é que sabe do oficio, mas também não gosta da arte.

No final do espetáculo lançou a cesta rapidamente para o chão e ficou a mira-la algum tempo em reflexão. Esta peça que agora serve para ornamentar, antigamente era usada para trabalhar. 

 

 

Lida 898 vezes Modificado em quarta, 14 outubro 2020 10:01

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Felisberto Amador | Mestre do machado na Ria de Aveiro

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares.

Ana Pires: a exploradora de todas as fronteiras

Ana Pires: “Não consigo passar muito tempo sem respirar o ar do mar! Este mar de Espinho que me dá forças!”

A primeira mulher cientista-astronauta portuguesa é natural de Espinho e vive em Lourosa, Santa Maria da Feira. Ana Pires nasceu a 13 de janeiro de 1980 e cresceu na vila portuguesa de São Paio de Oleiros. Aos 38 anos participou no projecto PoSSUM - Ciência Suborbital Polar na Alta Mesosfera, apoiado pela NASA e que decorreu na Flórida (EUA).

Paraduça e suas gentes

O Ondas viajou até Paraduça – Vale de Cambra, onde conhecemos alguma das suas gentes e moinhos de rodízio. Nesta aventura tivemos como guia o PR6 – Rota dos Moinhos, que está muito bem assinalado e aconselhamos vivamente. O tempo não esteve famoso, a chuva miudinha não parou de cair, o ambiente estava enevoado e esperamos em vão que o céu mostrasse o seu sorriso.