Salicórnia sabor a sal do mar Salicórnia
terça, 22 maio 2018 23:06

Salicórnia sabor a sal do mar Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Vamos relembrar novamente um dos nossos lemas “Olhar e Ver, Escutar e Ouvir”. Andávamos nós na foz do Rio Cáster perto da Ribeira de Ovar, como habitualmente para observar aves, quando vimos duas pessoas a colher algo nas margens da Ria de Aveiro, no canal de Ovar, o que seria? Como temos uma curiosidade natural e estamos sempre dispostas apreender, com educação perguntamos o que estavam a fazer. Estavam a colher salicórnia, que são também conhecidos como “sal verde” ou “espargos do mar”.

Salicónea - Ria de Aveiro - Margens do canal de OvarNo local dois irmãos com mais de 70 anos, João Matos e a Natália Matos, tinham acabado de colher esta erva. Disseram que pode ser colocada na comida, como substituto natural do sal. O João Matos disse-nos que há duas qualidades, uma mais clara e outra mais escura. A diferença reside no facto da última não morrer no inverno, embora fique mais mirrada. Mostrou-nos o local onde as tinham colhido e as suas diferentes tonalidades.

Antes de irem embora amavelmente ofereçam-nos um pouco, que ao jantar deu um gosto diferente ao arroz, realmente são muitos parecidas com espargos e têm um travo salgado. O que nos agradou mais foi que o comer ficou com os aromas da nossa ria e do nosso mar.

As nossas pesquisas abaixo referidas demonstraram que as suas potencialidades são imensas, podendo ser utilizadas também em saladas frescas, ou simplesmente um pouco cozidas com azeite, como se faz para os espargos.

 

Salicórnia | Fonte: asenhoradomonte.com

É uma erva que cresce espontaneamente em sapais (salinas), sendo altamente tolerante ao sal, com a particularidade de ser salgada. Outrora era vista como uma praga, hoje em dia, contudo as suas propriedades tem levado ao crescente interesse na sua exploração económica, sendo já considerada uma erva gourmet.

Os locais mais frequentes onde ela pode ser encontrada é ao longo da costa e nas margens dos canais da Ria de Aveiro e Ria Formosa.

O seu paladar salgado é acompanhado por muitos benefícios:

  • Ação antioxidante;
  • Ação diurética;
  • Ação anti-tumoral;
  • Repositora de eletrólitos;
  • Combate os problemas de hipertensão arterial;

 

Salicórnia | Ilha dos Puxadoiros | Fonte: marca.riadeaveiro.pt

A Salicórnia é uma planta carnuda, que cresce em terrenos com elevado índice de salinidade, nomeadamente sapais, com uma particularidade, é naturalmente salgada (halófita). É usada para fins alimentares, devendo ser mantida fresca no frio, para melhor conservação a +4ºC. Comercializada fresca sobre a forma de rebentos entre 5 a 6cm, a salicórnia é recolhida entre março e setembro, na Ilha dos Puxadoiros. A salicórnia cresce de forma natural nas antigas marinhas de sal da Ria de Aveiro, existindo na Ilha dos Puxadoiros de forma otimizada, com uma textura única e um bom travo salgado ao paladar. Não é utilizado qualquer tipo de fertilizante ou qualquer outro meio químico para o seu cultivo.

 

Lida 863 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.

Felisberto Amador | Mestre do machado na Ria de Aveiro

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares.

De Ovar a Aveiro: sobre a importância do tempo

O Ondas da Serra, ou melhor o Sílvio, o Rui e eu, percorreu Ovar a Aveiro em bicicleta. A aventura começou no primeiro dia em que se ponderou fazer o caminho desde a cidade vareira à cidade dos canais, sempre com a Ria como apoio. Foram mais de 10 horas de percurso e perto de 90 quilómetros de caminho. Mais do que pedalar, ficar espalmado ou mergulhar os pés na lama, ficou a importância do tempo.