Poço Negro | Uma cascata de águas cristalinas Cascata do Poço Negro - Sernadinha – Manhouce – São Pedro do Sul - Viseu Ondas da Serra

Poço Negro | Uma cascata de águas cristalinas Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

O Ondas da Serra foi até à aldeia de Sernadinha – Manhouce – São Pedro do Sul, para conhecer a cascata do Poço Negro. Esta pérola de Viseu foi esculpida pela natureza durante anos de intenso labor com água e cinzel.

Cascata do Poço Negro - Sernadinha – Manhouce – São Pedro do Sul - ViseuAo chegar a Sernadinha não faltam placas indicativas, mas a estrada passa depois para terra batida em mau estado e se não quiser ficar longe arrisque e tente estacionar perto da pequena albufeira do aproveitamento elétrico do Carregal. O Rio Teixeira foi o artífice desta obra prima, moldando cuidadosamente a baía para delícia dos amantes de águas cristalinas, saltos para a água e comunhão com a natureza.

Este curso de água passa na aldeia de Paraduça – Vale de Cambra, onde um dia fomos tão bem-recebidos, mas as nossas ligações continuam, porque se ele nasce em São Pedro do Sul, desagua no nosso Vouga, em Couto de Esteves – Sever do Vouga, onde já fizemos vários trabalhos e temos amigos.  

Leia também: Paraduça e suas gentes

Junto à parte superior da cascata, as águas tiveram milhares de anos para escavarem com ajuda de seixos, depressões circulares conhecidas por marmitas, que também podem ser encontradas junto à Frecha da Mizarela, na serra da Freita ali próximo.      

Nós pensamos que o nome “Poço negro”, pode vir das águas se tornarem escuras rapidamente para quem mergulha nas suas profundezas e das sombras projetadas.  

Por aqui para a juventude com energia, alegria e coragem para se lançarem das suas alturas, embora nós mais velhos imprudentemente também o tivéssemos feito, mas são muitos anos de aventura e sabedoria de movimentos. Aqui fica uma chamada de atenção, só deve mergulhar se dominar bem os movimentos e conhecer o local.

Esta cascata tem muitas potencialidades, mas é necessário melhorias nos acessos, recipientes para o lixo, fiscalização e a consciencialização das pessoas que não podem destruir o que a mãe natureza partilha.  

Se este local não esgotar as suas energias pode ainda dar um salto ali próximo à Praia Fluvial de Albergaria da Serra. Pelo caminho na zona da aldeia da Castanheira, pode visitar as Antas do Monte Calvo, o Radar Meteorológico de Arouca, a formação geológica “Dobras da Castanheira” e as Pedras Parideiras. No nosso caso fomos um pouco até à praia fluvial e ainda a tempo de assistir a tropelias do gado de raça arouquesa, mas fica para contar outro dia.

Aproveitamos para mandar uma abraço aos nossos vizinhos viseenses e destacar que também têm belezas para partilhar, assim as saibam estimar.

Leia também: Viagem à Pré-História e fragrâncias da Serra da Freita

 

 

Lida 940 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Pedras Boroas do Junqueiro | As côdeas do povo

A Serra da Freita é dotada de prodígios geológicos, rochas dobradas com milhares de anos, pedras que dão à luz ou são pão para o povo. Lá para os lados do Junqueiro - Arouca, os penedos resolverem tomar forma de boroas para enganar o engenho humano.

Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira

Quem sobe para a Serra da Freita em Arouca, está longe de imaginar que no seu planalto irá encontrar tantas maravilhas de Portugal, paisagens, gado de raça caprina e bovina apascentar livremente pelos montes, um rico património natural e geológico e as suas aldeias serranas de Albergaria da Serra, Cabaços, Merujal e Castanheira, onde até as inférteis pedras dão à luz e são chamadas parideiras.

Arouca | Campo de Dobras da Castanheira - Um retrato do nosso passado geológico

A caminho da aldeia da Castanheira, na Serra da Freita em Arouca, onde as pedras brotam pedras e são conhecidas por parideiras, fica localizado o “Campo de dobras da Castanheira”, um dos geossítios mais interessantes do Arouca Geopark.