BioRia | Percurso das Ribeiras de Veiros Percurso das Ribeira de Veiros

BioRia | Percurso das Ribeiras de Veiros Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Hoje vamos dar outra sugestão para os amantes da bicicleta poderem fazer muitos quilómetros, rodeados de belas paisagens, pássaros e belas fragâncias marítimas. Os desportistas das duas rodas podem aproveitar a linha de comboio do Norte e saírem na estação de Ovar. Aqui podem pedalar em direção ao Furadouro pela Avenida da Régua e junto à rotunda do Carregal, onde foi colocado recentemente um barco moliceiro, podem virar para sul em direção a São Jacinto.

Nesta parte do percurso e durante cerca de 10 quilómetros vão ter a Ria de Aveiro do lado esquerdo, ao chegarem à Ponte da Varela passam para o outro lado e no final viram à direita. Agora e até final destes percursos a ria vai estar sempre do lado direito. Atenção que não sigam em frente para a Murtosa, isso é outro trajeto.

Por este caminho muito mais sereno e agradável, vão passar por vários cais e braços de ria, Cais da Bestida, Mamaparda, Ribeira de Pardelhas, Bico, Chegado e Cambeia. Nos céus irá ver muitas cegonhas e em terra de um lado atividade agrícola e na ria piscatória.

O último percurso é o da Ribeira de Veiros com cerca de sete quilómetros, que vamos falar mais em pormenor já de seguida. O mesmo termina perto da estação da CP de Estarreja, onde podem voltar a entrar no comboio para seguirem para casa. Se ainda tiverem tempo e forças, podem subir para a Estrada Nacional 109, seguir para Sul em direção a Salreu. Ao chegarem junto a um cruzeiro ali existente, seguem as indicações em direção aos percursos da BioRia. Por ali existem bastantes nos sugerimos para começar o de Salreu, são mais 12 quilómetros e podem no final de igual forma apanhar o comboio no apeadeiro local. Aqui param menos composições porque não é como Estarreja uma estação principal.  

Nestes trajetos vai pedalar maioritariamente por terra batida, passadiços em madeira e por estradas em asfalto.

 

Percurso das Ribeiras de Veiros – PR5 (Fonte BioRia)

Ao longo do trajeto de 7 km, agora parcialmente aberto, atravessa canais, valas e esteiros, sapais, juncais e caniçais, campos agrícolas, áreas com pequenos bosques que brotam nas proximidades das marinhas, terminando no histórico Esteiro de Estarreja, outrora o segundo maior porto de sal da Ria. Este ecossistema alberga espécies únicas da funa e flora, que apenas sobrevivem nestes ecossistemas húmidos e que importa preservar e conhecer.

De terras conquistadas ao mar, ditas “Marinhoas” – abrangendo também a Murtosa e Pardilhó - Veiros, desde os seus primórdios, voltou as suas gentes, a sua cultura e tradições para os campos, os canais e margens da Ria de Aveiro. O centro da freguesia albergou uma praça de venda de peixe que era capturado na Ria e costa atlântica.  Durante a noite, os “minhoqueiros” eram lançados à água nas valas mais interiores para a captura das enguias e os galrichos eram armados para a captura de peixes de menores dimensões. Os mais velhos e experientes homens da aldeia, para além da lavoura, cheiravam as águas em busca de canais com mais peixes, para escoar as valas e assim recolherem os exemplares que por lá se encontrassem.

Não há muitas décadas, as crianças entrançavam os juncos para elaborarem a “bracinha” que ataria os bunhos das esteiras, e todo este trabalho demorava horas e era feito manualmente. As mulheres atavam os bunhos em cima de um cavalete de madeira para formar as esteiras e os homens cortavam os juncos e os caniçais para as camas do gado nos currais ou recolhiam moliço para fertilização dos campos agrícolas, fazendo-o chegar a terra nos barcos moliceiros.   

 

Lida 1096 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

A força do caminho e a fraqueza do mundo

Os Caminhos de Santiago exercem em nós uma força que nos impele a visitar regularmente o apóstolo, que reza a lenda descansa na catedral de Compostela. Este ano fizemos a jornada partindo do Porto, seguindo pela costa, saboreando a brisa marítima, o azul infinito do mar e as encostas rochosas à espera de serem por ele reclamadas.

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.

Foz do Alge | Uma ode à mãe natureza

A povoação de Foz do Alge pertence à freguesia de Arega - concelho de Figueiró dos Vinhos, distrito de Leiria, do nosso Portugal. Este reino foi ali conquistado junto das águas do Rio Zêzere com as da Ribeira de Alge, num cenário de grande beleza, quebrada à volta pelos grossos mares de eucaliptos, que estão sempre à espreita para o aniquilar.