Estação dos caminhos de ferro de Avanca Grupo de Leiteiras de Avanca - Estação da CP de Avanca

Estação dos caminhos de ferro de Avanca Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Avanca é uma freguesia do concelho de Estarreja e distrito de Aveiro. É limitada pelos concelhos de Murtosa, Ovar e Oliveira de Azeméis. Fica localizada a cerca de 6 km do centro de Estarreja, tendo como principais acessos a Estrada Nacional 109, A29 e linha do Norte dos Caminhos de Ferro. A sua ligação com a ria de Aveiro faz-se através da Ribeira do Mourão. Aqui neste artigo vamos falar um pouco da sua estação de comboios, devido à sua beleza e ligações à cultura popular.

Ribeira de Mourão - AvancaCaminho de Ferro

Esta freguesia é servida pela Linha do Norte, cujo troço Porto-Aveiro foi inaugurado e aberto ao público em 7 de Julho de 1865. Em 1887, graças à acção do notário João Pacheco Godinho de Castro Côrte-Real (da Casa do Freixeiro e aparentado com o Conselheiro José Luciano de Castro), foi inaugurado um apeadeiro, no lugar de Paredes e junto à estrada que vai a Pardilhó. Este notável melhoramento, não só veio beneficiar esta freguesia, como também a sua vizinha de Pardilhó.

Em 1929 o antigo apeadeiro foi elevado a estação de 3ª classe, sendo construído um magnifico edifício, decorado com painéis de azulejos relativos a paisagens, motivos, tipos e figuras de Avanca e Pardilhó. Entre estes, encontra-se, na fachada ocidental do edifício, um retrato de João Pacheco de Castro Côrte-Real, como prova de gratidão do povo da freguesia.

A estação, que é dotada dum armazém e de um longo cais de embarque, tem grande movimento de passageiros e, sobretudo, na sua maioria parte de artigos da industrial local (lacticínios e moveis de ferro)”.  CARDOSO, Carlos . Subsídios para uma Monografia Histórica e Descritiva da Freguesia de Avanca. 1961. 150 f. Dissertação (Dissertação de exame de licenciatura em Ciências Histórico-Filosóficas)- Faculdade de Letras, Universidade Coimbra, Coimbra, 1961.

No trabalho académico acima mencionado é referido que os painéis de azulejos da estação retratam figuras de Avanca, uma das mais conhecidas é o poeta popular José Marques “Sardinha”, “Os últimos grandes cantadores populares de Portugal, descendentes dos bardos e menestréis medievais, desapareceram na década de 40 do século passado, entre muitos deles o António Aleixo de Loulé e o Marques Sardinha de Avanca. Deixaram poucos discípulos, alguns emigraram e levaram a arte do verso popular para os países de acolhimento. Uns regressaram, outros não.” FREIRE, António de Abreu; AMÂNCIO, Geraldo . Festcordel: A festa do verso encantado . 1. ed. [S.l.: s.n.], 2018. 49 p.

Leia também: Avanca e Pardilhó receberam FESTCORDEL – Festival Internacional do Verso Popular

Temos que chamar atenção para a preservação deste património e referir que muitos destes azulejos já estão danificados. Este local também necessita de limpeza e remoção das ervas em redor. Sabemos que pode ser difícil mas os responsáveis pela estação devem criar condições para não se degradarem mais.

Uma sugestão de passeio é viajar de comboio, onde pode trazer a bicicleta, sair e visitar esta estação, a Casa Museu Egas Moniz, o percurso do Rio Gonde que começa precisamente no interior do museu atrás referido. Este trilho termina na Ribeira do Mourão, local muito bonito e onde pode retemperar as forças no parque de merendas ali existe, apreciando a paisagem bucólica da Ria de Aveiro.

 

 

Lida 252 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

Em busca do Amor

O Ondas da Serra vai realizar um novo evento, vamos tentar procurar, falar e meditar sobre o “Amor” e nada melhor que procurarmos todos a nossa “Ilha dos Amores”. Com esta demanda em mente vamos caminhar para Castelo de Paiva no dia 22 julho.

Demanda pela Ilha dos Amores

A nossa epopeia marítima glorificada pelo nosso poeta mor Luís de Camões, descreve-nos um lugar edílico na “Ilha dos Amores”, Cantos IX e X d'Os Lusíadas. Nestes cantos é revelado a disposição da deusa Vénus em premiar os marítimos portugueses, com um merecido descanso e com prazeres divinos, numa ilha paradisíaca, no meio do oceano, a Ilha dos Amores. Os ventos estavam favoráveis e levou-nos ao encontro desta Ilha em Castelo de Paiva. Localizada em frente ao porto do Castelo, com vista para a Ilha dos Amores, parte um percurso pedestre com o mesmo nome. A sua localizada privilegiada no Rio Douro e junto à foz do Rio Paiva tem uma beleza e encanto especial.

Percursos pedestres/bicicleta em Aveiro

O nosso magnifico distrito possui dezenas de trilhos onde podemos observar a natureza, pássaros, insetos, flores, árvores e escutar um silêncio que dificilmente encontramos no meio urbano. Por vezes durante as caminhadas poderá cruzar-se com os habitantes desses locais, lembrem-se que um cumprimento e um sorriso não custam nada e fazem muito bem. Nós temos falado com pastores, pescadores, idosos e feirantes que sempre nós ensinam algo e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.

Faça Login para postar comentários
Pub