Ondas da Serra

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

URL do Sítio: http://ondasdaserra.pt

A Aldeia Histórica de Marialva, na Beira Interior, nasceu altaneira no topo de um cabeço rochoso. Este local foi outrora um castro por onde passaram povos como os Túrdulos e os Godos. Foi povoada pelos Aravos, um povo lusitano, e tomada pelos romanos. Em 1063, foi conquistada aos sarracenos por Fernando Magno de Leão, que lhe atribuiu o topónimo. O povo começou por viver na cidadela, no interior das muralhas, que extravasou depois para exterior no Arrabalde e Devesa, no sopé. No século XIX, esta vila medieval perdeu o estatuto de sede concelhia e entrou em declínio. Já no séc. XXI, foi resgatada às ruínas, por um programa público de recuperação destas aldeias do interior, envolvendo a iniciativa privada. Aqui, vamos falar da sua história, espaços, requalificação e destacar o seu rico património natural e arquitetónico. Esperamos regressar, não para a conquistar, mas voltar a apreciar a força da nossa história.

A Ecopista do Dão é uma das mais icónicas de Portugal pela sua grandeza em beleza e extensão. Este percurso fez renascer o sangue que outrora fervilhava por intermédio das locomotivas a vapor que resfolegavam pela Linha Ferroviária do Dão, que foi morta mas renasceu. Se havia choro pela sua partida, agora há júbilo pela sua chegada e até parece que se ouvem os apitos dos comboios há muito calados. O seu trajeto passa por três cidades do interior, Santa Comba Dão, Tondela e Viseu e outras lindas terras rurais. Aqui há pontes de meter medo, algumas até projetadas por homens ao serviço de Gustave Eiffel. Neste artigo tentamos fazer um exaustivo levantamento dos seus dados técnicos, históricos e regionais, com destaques para o património natural e arquitetónico. Desta forma esperamos ajudar os nossos leitores, amantes das bicicletas e caminhadas, a planear a viagem e saberem de antemão o que podem ver e escolher o que vão explorar com mais detalhe.  

Conhecemos o alegre pastor transmontano António Pereira de Maçores em Torre de Moncorvo quando andava com as suas ovelhas a pastar desde o começo do dia até a noite findar. O seu rebanho da raça autóctone Churra é um dos últimos da sua aldeia e tem mais de setenta e cinco animais. Pela manhã tira ovelhas da corriça e com ajuda dos cães leva-as para as encostas do Monte Ladeiro, cobertas de oliveiras, amendoeiras e erva rasteira. Os seus animais descendem dos primeiros rebanhos que começou a criar há mais de trinta anos, que conhece pelos sinais e diz conseguir identificar a todos no meio de rebanho alheio. Para este homem as forças já foram como grossos mares, mas como o granito das serras aguenta com estoicismo a severidade de Trás-os-Montes.

O percurso pedestre PR14 - Rota das Amendoeiras tem início e fim na aldeia da Açoreira em Torre de Moncorvo. Nos meses de fevereiro e março este trilho fica enfeitiçado pelas amendoeiras em flor, com os montes cobertos por mantos brancos e rosados. Pelos seus braços avista-se o Rio Douro e os socalcos vinhateiros, a Serra do Reboredo, a aldeia de Maçores e a sua capela no meio do olival. Os viandantes são recebidos por fileiras de amendoeiras, oliveiras e por vezes centenários carvalhos. Cruzámo-nos com a Rota das Pipas, feitiços, um cão de gado transmontano e horizontes longínquos montanhosos que é onde gostamos de estar.

No âmbito do evento “Descobrir e Experienciar a Ria”, realizado pelo município de Estarreja, conhecemos o biólogo Rafael Marques. O mesmo foi o nosso cicerone numa visita guiada entre a Ribeira do Mourão em Avanca e a Ribeira do Telhadouro em Pardilhó, onde identificou e caracterizou os ambientes de transição e flora dos sapais da Ria de Aveiro. Rafael Marques é coautor do “Guia de Flora do Baixo Vouga Lagunar" que foi utilizado como auxiliar na identificação das plantas que encontramos neste percurso e nos deu a conhecer as suas propriedades medicinais, comestíveis ou decorativas. Foi também salientada a importância dos sapais para a biodiversidade, depuração das águas e proteção contra as alterações climáticas.

A antiga Fonte do Estanislau, possui grande valor natural e património histórico, ficando localizada entre as freguesias de Arada e Maceda, nas margens da Ribeira do Louredo ou Rio Lourido. Este local foi requalificado e inaugurado em 25 de abril de 2022, pelo Presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro. O rio que ali passa em tempos fez mover vários moinhos de rodízio, tendo um deles sido recuperado. Foram também construídos passadiços, escadas e pontes em madeira, para se poder passear por este parque, onde não faltam mesas e bancos para as pessoas poderem fazer uma pausa, debaixo da frondosa sombra, ao som do marejar das águas e afastar o desejo por comida e bebida. A intervenção foi positiva, mas o espaço em redor e o que parece ser a poluição do rio fazem mácula em Ártemis e sua divina beleza.