Foz do Rio Cáster e a harmonia por restaurar Foz do rio Cáster
sábado, 03 março 2018 17:57

Foz do Rio Cáster e a harmonia por restaurar Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

As três pontes de madeira suspiram. As aves prometem. A torre de vigia aguarda. A área circundante da foz do rio Cáster separa o dinamismo urbano do paraíso faunístico e florístico. As debilidades multiplicam-se, apenas mitigadas pela dedicação de Manuel Faneco. A intervenção ficou incompleta.

Manuel Faneco no Rio CasterSanta Maria da Feira é o berço do rio Cáster. Corre para sul, atravessa Ovar, e desagua diretamente na ria de Aveiro. O movimento é silencioso, quase ligeiro. Transporta a riqueza da ria, o esquecimento das cidades e o património da história.

Do Cais da Ribeira, no concelho de Ovar, à foz do rio Cáster são cerca de dois quilómetros e meio em terra batida, salpicados por mantos verdes, terrenos agrícolas, construções devolutas e sinfonias orquestradas pela Natureza. Entre voos de garças-reais, andorinhas e cegonhas, é possível percorrer o caminho a pé ou de bicicleta.

O rio divide a terra e cria uma paisagem única. As potencialidades continuam por aproveitar. A manutenção é exclusiva de Manuel Faneco. As melhorias ainda não se concretizaram.

Leia também: Povo que lavas no rio

Um passeio ao longo do Canal de Ovar permite observar diversas espécies, desde a Garça-vermelha, Garça-branca-pequena, Garça-real, Águia-pesqueira, Tartaranhão-azulado, Pica-pau-malhado, Guarda-rios, Pernilongo, Colhereiro, Felosa-unicolor, Guarda-rios, Lampreia, Enguia, Lagarto-de-Água, Lontra, Texugo, Raposa, Salicórnia, Pilriteiro, Caniço, Junco e Salgueiro, entre outros.

O destino é a Ria de Aveiro. O recuo do mar concretizou-se na sua formação no século XVI. Surgiram cordões litorais e que originaram uma laguna. É um dos mais relevantes acidentes geográficos da costa portuguesa. Um património que ainda não tem o reconhecimento devido.

Os caixotes do lixo, a torre de vigia, as pontes de madeira, os ninhos para as cegonhas, a limpeza e a vigia são tarefas concentradas em Manuel Faneco. Apaixonado pela natureza, defende este lugar com toda a tenacidade. No entanto, não é oficialmente trabalhador da Câmara ou de outro organismo responsável pela preservação ambiental do local. É o seu amor à cidade que o faz estar presente.

Leia também: Manuel Faneco: “A minha relação com Ovar é inexplicável. Adoro isto”

A Ria estende-se ao longo de 45 quilómetros e a sua largura, de aproximadamente 11 quilómetros, no sentido este-oeste, tem uma foz que envolve 11 mil hectares. Tal como a Ria de Aveiro, o Canal de Ovar e esta área em particular podia desempenhar um papel essencial na relação entre a população e o território. Porém, falta trabalho.

A harmonia entre pessoas e ambiente ainda não está salvaguardada. A biodiversidade permanece, mas precisa de ser preservada com efeitos nefastos caso o seu património continue negligenciado. As eco-intervenções não chegam para proteger a fauna e a flora do local.

 

 

Lida 669 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

ADUM - Associação Dona Urraca Moreira | Defesa e valorização do património Oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

Vieira do Minho terra de contrastes

Vieira do Minho no sopé da Serra da Cabreira, vizinha do Parque Nacional da Peneda-Gerês, perto da azafama da área metropolitana do Porto, é um bom refugio para passar uns dias tranquilos, junto da natureza e vida selvagem.

Uma aventura no Parque Nacional da Peneda-Gerês

No norte de Portugal fica situado o nosso único parque nacional, todas as pessoas já ouviram falar dele, mas nem todas o visitaram. O seu vasto território e as suas riquezas permitem aos seus amantes ao longo dos anos terem sempre motivos para regressarem, aqui fica o testemunho duma destas viagens.