PR2 | Rota dos 3 Rios – parte dois Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Conforme foi prometido no artigo que descreve a primeira parte do PR2 de Albergaria-a-Velha, aqui fica uma alternativa para quem quiser fazer este percurso em duas etapas. Na primeira começamos em Vilarinho de São Roque e terminamos em Ribeira de Fráguas. Na segunda deixamos o nosso transporte em Ribeira de Fráguas em frente à capela e fizemos os 4,1 quilómetros até Vilarinho de São Roque e voltamos ao ponto inicial de forma linear. No total caminhamos cerca de 9 quilómetros.

Fizemos desta forma porque da primeira vez não tivemos tempo e porque também queríamos explorar o extenso vale de Ribeira de Fráguas, onde tivemos oportunidade de falar com uma senhora que mondava o milho (assunto para outro artigo) e fazer esta parte do percurso com mais calma devido à sua riqueza. Há trilhos que pela sua constituição devem ser feitos pelos dois lados para se captar todos os seus pormenores e nuances.  

Esta parte do trilho à semelhança do restante está bem sinalizada, contudo à zonas que têm que ser limpas de árvores que caíram e podem até por em causa a segurança dos caminhantes. Há também uma parte do percurso onde infelizmente a floresta foi cortada ou arder com os incêndios mas como são só algumas dezena de metros não chega para manchar a reputação deste local magnífico. 

Trilho:

Desce em seguida até à Ribeira de Fráguas, podendo-se conhecer a Igreja Matriz de S. Tiago, que remete ao Séc. XVII, e a Casa Museu do Rancho Folclórico da Ribeira de Fráguas.
Já a caminho do Parque dos Moinhos, é possível visitar 3 destes engenhos de água, todos eles em funcionamento: Moinho de Baixo e Moinhos da Quinta da Ribeira. O percurso continua pela subida do rio Fílveda, podendo-se observar paisagens deslumbrantes, desenhadas por pequenas cascatas e açudes. Aqui encontra-se o Cabouco, antiga mina onde existia uma roda motriz movida pela água do Açude dos Ingleses. Esta roda fazia movimentar o elevador do poço das Minas do Coval da Mó, primeiro testemunho arqueológico da indústria mineira.
Este magnífico percurso atravessa ainda os campos agrícolas onde é possível avistar-se o lugar de Vilarinho de S. Roque, e onde se pode visitar o lugar do Regatinho, o núcleo molinológico em funcionamento e a capela de S. Roque do Séc. XVII.

Download do panfleto com percurso do trilho.

Fonte da descrição do trilho: C.M. Albergaria-a-Velha (cm-albergaria.pt)

 

Leiam também os nossos artigos sobre:

  • PR1 - Rota do Linho em Vilarinho de São Roque, artigo;
  • PR2 - Rota dos três rios - parte um, artigo;
  • PR2 - Vida de Inseto, artigo;
  • Rostos de Albergaria-a-Velha - parte um, artigo;
  • Rostos de Albergaria-a-Velha - parte dois, artigo.
Lida 924 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

ADUM - Associação Dona Urraca Moreira | Defesa e valorização do património Oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

A força do caminho e a fraqueza do mundo

Os Caminhos de Santiago exercem em nós uma força que nos impele a visitar regularmente o apóstolo, que reza a lenda descansa na catedral de Compostela. Este ano fizemos a jornada partindo do Porto, seguindo pela costa, saboreando a brisa marítima, o azul infinito do mar e as encostas rochosas à espera de serem por ele reclamadas.

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.